Famílias venezuelanas participam de mais uma etapa de interiorização em Manaus. Foto: ACNUR/João Paulo Machado

Interiorização de venezuelanos ultrapassa 4,7 mil pessoas beneficiadas

Um total de 226 venezuelanos abrigados em Boa Vista (RR) serão interiorizados para oito cidades brasileiras nesta sexta-feira (15) e sábado (16). Eles serão acolhidos por 11 abrigos dirigidos por seis instituições da sociedade civil localizados em Porto Alegre (RS), Caxias do Sul (RS), Goioerê (PR), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Guarulhos (SP) e Belo Horizonte (MG). Este será o 40º voo da Força Aérea Brasileira (FAB) na 24ª etapa do processo de interiorização.

Ao todo, 4.564 pessoas já foram transferidas de Roraima para 17 estados brasileiros, por meio da estratégia de interiorização, um dos pilares da Operação Acolhida – lançada em fevereiro do ano passado pelo governo federal para coordenar a ajuda humanitária aos solicitantes de refúgio e migrantes oriundos da Venezuela. A Operação Acolhida reúne as Forças Armadas, ministérios da Esplanada, agências do Sistema ONU no Brasil e entidades da sociedade civil organizada.

Do Sistema ONU, estão diretamente envolvidas a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a Organização Internacional para as Migrações (OIM), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) realizou workshop em Brasília (DF) para reunir informações relevantes sobre escravidão moderna e elaborar documento de recomendações. Foto: OIM

OIM realiza workshop para discutir combate à escravidão moderna no Brasil

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) realizou na quinta-feira (14), em Brasília (DF), workshop para reunir informações relevantes sobre escravidão moderna e elaborar recomendações para fortalecer políticas públicas relacionadas ao tema. Na semana anterior (7), um workshop semelhante foi realizado em São Paulo (SP).

A escravidão moderna é um problema invisível que afeta a vida e a liberdade de milhões de pessoas em todo o mundo. De acordo com Fundação Walk Free, Organização Internacional do Trabalho (OIT) e OIM, cerca de 40,3 milhões de homens, mulheres, meninos e meninas foram vítimas da escravidão moderna no mundo em 2016, dos quais 1,9 milhão estão nas Américas.

Dinâmicas e entrevistas individuais possibilitaram o contato entre empresas e mulheres refugiadas. Foto: Fellipe Abreu

Empresas brasileiras recebem treinamento sobre contratação de mulheres refugiadas

Mulheres em situação de refúgio no Brasil, empresas e representantes da ONU se reuniram neste mês (7), em São Paulo (SP), para discutir as etapas da contratação de refugiadas. Encontro fez parte do Empoderando Refugiadas, projeto da Rede Brasil do Pacto Global, da Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e da ONU Mulheres. A iniciativa promove a inserção de estrangeiras no mercado de trabalho brasileiro.

Exposição fotográfica no Museu da Imigração aborda chegada de venezuelanos às cidades de Pacaraima e Boa Vista, em Roraima. Foto: Museu da Imigração

Em SP, agências da ONU debatem migração de venezuelanos para o Brasil

No Museu da Imigração, em São Paulo (SP), agências da ONU participaram na última sexta-feira (8) de uma jornada de conscientização sobre os desafios vividos por venezuelanos no Brasil. O dia de atividades teve lançamento de livro, inauguração de mostra fotográfica e seminário sobre fluxos migratórios na América Latina.

Uma das organizações participantes, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) explicou as ações que promove em Roraima para combater a violência sexual e de gênero contra os refugiados e migrantes venezuelanos.

Cerca de 100 venezuelanos que vivem atualmente em Boa Vista (RR) embarcam neste sábado (2) para a cidade de Dourados (MS), na maior interiorização já realizada pela Operação Acolhida na modalidade de vagas de emprego sinalizadas. Foto: OIM

Com apoio da ONU, 100 venezuelanos viajam de Boa Vista a Dourados neste sábado

Cerca de 100 venezuelanos que vivem atualmente em Boa Vista (RR) embarcam neste sábado (2) para a cidade de Dourados (MS), na maior interiorização já realizada pela Operação Acolhida na modalidade de vagas de emprego sinalizadas. Nesta modalidade, a integração das pessoas interiorizadas é acelerada, pois os venezuelanos viajam tendo vagas de emprego garantidas por uma empresa local.

A transferência de mulheres, crianças e homens venezuelanos de Roraima para outros estados brasileiros é um dos eixos da Operação Acolhida, que reúne as Forças Armadas, diversos ministérios do governo federal, agências do Sistema ONU no Brasil e entidades da sociedade civil organizada.

om o projeto, a OIM promove conexões entre atores públicos, privados e migrantes para fazer com que a migração ocorra de maneira segura, ordenada e digna. Foto: OIM

OIM realiza 2ª edição de oficinas para inclusão de migrantes no mercado de trabalho

A segunda edição da série de oficinas da Organização Internacional para as Migrações (OIM) para apoiar o setor privado na inclusão de migrantes no mercado de trabalho aconteceu nesta terça-feira (29), em Boa Vista (RR).

O evento foi realizado em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Roraima (FIER). Com o projeto, a OIM promove conexões entre atores públicos, privados e migrantes para fazer com que a migração ocorra de maneira segura, ordenada e digna.

Refugiados e migrantes venezuelanos atravessam ponte Simon Bolívar com destino à Colômbia. Foto: ACNUR

Para ONU, América Latina deve se manter fiel à tradição de solidariedade a refugiados e migrantes

Diante dos atuais desafios humanitários e políticos, a América Latina deve continuar sendo fiel à sua tradição de solidariedade, afirmou no sábado (26) o representante especial conjunto da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Organização Internacional para as Migrações (OIM) para refugiados e migrantes venezuelanos, Eduardo Stein.

“O racismo, a misoginia e a xenofobia não têm lugar em nossos países e devem ser condenados com firmeza. Os dirigentes políticos e formadores de opinião devem apelar em seus pronunciamentos a paz, justiça, calma e comedimento, condenando as atitudes e ações xenófobas e misóginas”, declarou.

“Os meios de comunicação e os usuários de redes sociais, por sua vez, devem informar os fatos de forma responsável, sem incitar atitudes e ações xenófobas, e devem também condenar todo ataque físico ou verbal contra os refugiados, migrantes e outras pessoas estrangeiras, quando estes ocorrerem.”

Refugiados e migrantes desembarcam em Valleta, Malta, após serem resgatados pelos navios Sea Watch e Sea Eye. Imagem de 9 de janeiro de 2019. Foto: ACNUR/Anna Camilleri

ONU pede resposta urgente de países europeus ao drama de migrantes no Mediterrâneo

O aumento de naufrágios e resgates de migrantes no Mar Mediterrâneo nos últimos dias é evidência de que uma ação urgente precisa ser tomada por países europeus, afirmaram agências da ONU na terça-feira (22). De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), ao longo das três primeiras semanas de 2019, 203 pessoas morreram nas três principais rotas que levam do Norte da África e da Turquia para a Europa.

Agências da ONU e AVSI aguardam chegada de comitiva interministerial no abrigo Rondon 2, o centro de trânsito para famílias venezuelanas que serão interiorizadas. Foto: ANUCR/Victoria Hugueney

Governo federal visita venezuelanos atendidos pela ONU em Roraima e prorroga ajuda até 2020

Uma comitiva com cinco ministros do governo federal visitou nesta quinta-feira (17) as instalações de acolhimento e recepção a venezuelanos da Operação Acolhida em Boa Vista, Roraima, e anunciou a prorrogação do programa até março de 2020.

Durante a visita, as autoridades conheceram o trabalho humanitário conjunto desenvolvido por agências do Sistema ONU no Brasil, o Exército brasileiro e organizações da sociedade civil. A comitiva incluiu o governador de Roraima, Antonio Denarium, a Secretária Nacional de Justiça, Maria Hilda Marsiaj, além membros do Exército, de outros órgãos federais e de organizações internacionais.

Meninos etíopes em praia do Djibuti. Foto: OIM/Muse Mohammed

Mendicância e prostituição afetam crianças migrantes em situação de rua no Djibuti

Mendigar, lavar carros ou se prostituir fazem parte da realidade de muitas crianças em situação de rua no Djibuti, aponta uma pesquisa divulgada na terça-feira (15) pela Organização Internacional para as Migrações (OIM). A publicação faz parte de um esforço da agência da ONU para mapear e entender os movimentos irregulares de migrantes na região do Mar Vermelho, que banha parte da costa nordeste da África e também o Oriente Médio.

Barco com refugiados e migrantes no Mediterrâneo, resgatado pela Marinha italiana logo após o registro fotográfico. Foto: Marinha da Itália/Massimo Sestini

ONU: mais de 30 mil migrantes morreram no mundo em travessias irregulares em 2014-2018

Pelo menos 30.510 pessoas morreram em migrações irregulares entre 2014 e 2018, aponta o Projeto Migrantes Desaparecidos, da Organização Internacional para as Migrações (OIM). Mais de 19 mil mortes e desaparecimentos foram causados por afogamento, não apenas no Mar Mediterrâneo, mas também no Rio Grande, entre a fronteira dos Estados Unidos e México, na Baía de Bengala do Oceano Índico e em outras rotas por mar.

A capacitação é voltada para pessoas que prestam atendimento a migrantes vulneráveis ou que necessitem de uma introdução sistemática ao tema da migração internacional e da governança das migrações no Brasil. Foto: OIM

OIM recebe inscrições para segunda edição de curso sobre migrações internacionais

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Defensoria Pública da União (DPU) abriram nesta quinta-feira (10) o período de inscrições para a segunda edição do curso de educação à distância “Uma Introdução às Migrações Internacionais”.

A capacitação é voltada para pessoas que prestam atendimento a migrantes vulneráveis ou que necessitem de uma introdução sistemática ao tema da migração internacional e da governança das migrações no Brasil.

A oferta inicial é de 100 vagas, que serão preenchidas por atores de sociedade civil, poder público e serviços universitários de assistência a migrantes ou de organizações congêneres. As inscrições devem ser feitas pelas organizações até 22 de janeiro.

Um homem com um bebê de um ano de idade desembarca do navio de resgate Sea Watch, em Malta. Foto: ACNUR/Federico Scoppa

ONU celebra desembarque de refugiados salvos no Mediterrâneo, mas critica demora de países europeus

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) celebrou nesta quarta-feira (9) a notícia de que 49 refugiados e migrantes resgatados, a bordo dos navios Sea Watch 3 e Albrecht Penck, desembarcaram com segurança em Malta.

Mas o organismo também expressou preocupação com a demora em encontrar uma solução para o impasse no Mediterrâneo — o Sea Watch 3 ficou mais de 18 dias no oceano, sem poder atracar, mesmo transportando mulheres e crianças. Situação foi considerada “inaceitável”.

Migrantes embarcam em ônibus com destino a Amã, capital da Jordânia. Foto: OIM/Muse Mohammed (arquivo)

Em dia internacional, ONU destaca papel da migração no crescimento econômico

A migração humana é “um poderoso impulsionador de crescimento econômico, dinamismo e entendimento”, afirmou nesta terça-feira (18) o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em mensagem marcando o Dia Internacional dos Migrantes.

O chefe da ONU explicou que a migração permite que milhões de pessoas busquem novas oportunidades, que beneficiam tanto as comunidades de origem quanto as de destino.

No entanto, ele destacou que “quando regulada de forma deficiente, migração pode intensificar divisões dentro e entre sociedades, expor pessoas a exploração e abusos e enfraquecer a fé no governo”.

Em agosto de 2018, em Rumichaca, na fronteira entre Equador e Colômbia, a venezuelana Laila Dalila Leon, de 3 anos, olha para autoridades de fronteira nos ombros de seu pai, Jose Ramon Leon. Foto: UNICEF

Organizações lançam plano de emergência para refugiados e migrantes da Venezuela

Diante do maior fluxo de populações na América Latina nos últimos anos, 95 organizações que atuam em 16 países têm trabalhado juntas para estabelecer uma resposta abrangente às necessidades urgentes de milhões de refugiados e migrantes da Venezuela e comunidades anfitriãs. Esse esforço é coordenado pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Lançado nesta sexta-feira (14) em Genebra, o Plano Regional de Resposta Humanitária para Refugiados e Migrantes da Venezuela (RMRP) é o primeiro deste tipo nas Américas: um plano operacional, modelo de coordenação e estratégia para responder às necessidades dos venezuelanos em deslocamento e garantir sua inclusão social e econômica nas comunidades que os recebem.

Festival Global de Migração de 2017 no Níger; evento acontece simultaneamente em diversos países do mundo e, no Brasil, ocorre no Rio de Janeiro e em Roraima. Foto: OIM/Festival Global de Migração

Festival de cinema sobre migração exibe filmes no Rio

Depois do lançamento oficial do Festival Internacional de Cinema sobre Migração no fim de novembro (28), o Brasil deu início à temporada de mostras deste ano com a exibição de produções brasileiras e debates.

Em 11 de dezembro, uma projeção especial de curta-metragens selecionados ocorrerá na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, para dar início ao 4º Curso de Verão sobre Migração e Refúgio, com o tema “O refúgio de uma perspectiva mundial”.

Famílias de venezuelanos participam do programa de interiorização do Governo Federal. Iniciativa tem o apoio de diferentes agências da ONU, como a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Foto: OIM

Juízes federais participam de curso da ONU sobre fluxo de venezuelanos ao Brasil

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) promoveu esta semana (de 5 a 7) em Brasília (DF) um curso para juízes federais com o objetivo de aprimorar as capacidades de resposta da Justiça ao aumento do fluxo de migrantes, refugiados e solicitantes de refúgio venezuelanos para o Brasil.

O treinamento faz parte do plano de resposta regional da OIM em coordenação com outras agências da ONU para oferecer apoio abrangente aos estados e partes interessadas que lidam com o fluxo venezuelano.

Muganzifuri, de 12 anos, é estudante da escola Paysannat L, no campo de refugiados de Mahama, em Kirehe, no leste de Ruanda. O campo de refugiados de Mahama acolhe cerca de 54 mil refugiados que fugiram do Burundi depois da explosão da violência em 2015. Foto: ONU

Encontro político em Marrakesh discute acordo global para migrações seguras

Políticos e autoridades de todo o mundo irão se reunir em Marrakesh, Marrocos, neste fim de semana, antes de uma grande conferência convocada pelas Nações Unidas para adotar formalmente um acordo global extenso e inclusivo com objetivo de tornar a migração mais segura e digna para todos.

O texto do acordo, conhecido formalmente como Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular, foi aceito por Estados-membros sob os auspícios da Assembleia Geral da ONU em julho. O acordo foi elogiado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, como uma “conquista significativa”.

Workshops abordam como empresas podem melhorar suas políticas de inserção laboral para migrantes internacionais. Fotos: OIM

Agência da ONU promove workshops sobre inclusão de migrantes no setor privado

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) deu início a uma série de workshops para apoiar o setor privado na implementação de políticas para migrantes vulneráveis. O primeiro treinamento foi realizado na terça-feira (4), na Casa da ONU em São Paulo, com a parceria da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas. Até fevereiro de 2019, estão previstos cinco capacitações. A próxima acontece em Boa Vista, Roraima, estado que é a principal entrada do fluxo de venezuelanos no Brasil.

A primeira caravana de migrantes centro-americanos chegou à cidade de Matías Romero, em Oaxaca, no México, em 1º de novembro. O secretário mexicano de assuntos exteriores estima que 4 mil pessoas tenham passado a noite no local. Foto: OIM/ Rafael Rodríguez

ONU apoia retorno voluntário de migrantes centro-americanos em caravana para os EUA

Centenas de pessoas de países da América Central que se juntaram às caravanas humanas viajando em direção aos Estados Unidos foram apoiadas a voltar para casa voluntariamente, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na semana passada (30).

“A OIM está coordenando meios seguros e dignos de transporte para elas”, afirmou a agência da ONU em comunicado. “Migrantes que desejam voltar para casa são aconselhados e vistoriados pela OIM para avaliar suas opções antes de tomarem uma decisão de voltar”.

“Um programa de retornos voluntários é uma parte indispensável de uma abordagem abrangente ao gerenciamento de migração, mirando retornos ordenados e humanos e reintegração de migrantes que estão incapazes ou indispostos a permanecer em países hospedeiros ou de trânsito e desejam voltar voluntariamente para seus países de origem”, disse Marcelo Pisani, diretor regional da OIM para América Central, América do Norte e Caribe.

A OPAS se comprometeu a elaborar um plano regional que forneça orientação e estabeleça ações para atender às necessidades de saúde dos migrantes. Foto: EBC

OPAS e ministros identificam ações para melhorar saúde de migrantes nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) se comprometeu a elaborar um plano regional com orientações para atender às necessidades de saúde dos migrantes, tanto no âmbito nacional como por meio de acordos bilaterais em áreas de fronteira e zonas de transição. Esse plano será desenvolvido em consulta com os Estados-membros.

“Essas ondas migratórias continuarão sendo um desafio em médio e longo prazo. Este é o momento em que devemos nos unir em solidariedade como região para proteger a saúde e o bem-estar dos povos das Américas, sejam eles cidadãos ou migrantes, reconhecendo que as doenças não conhecem fronteiras e que ninguém deve ficar para trás”, afirmou a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne.

A jornalista Ângela Bastos, repórter especial do Diário Catarinense, foi uma das convidadas do workshop. Foto: UNFPA Brasil/Yare Perdomo

Em Roraima, ONU discute cobertura jornalística de situações de refúgio e migração

“O papel do jornalista local é o papel de qualquer jornalista no mundo, que é um olhar focado nas pessoas”, defendeu em Roraima a repórter Ângela Bastos, do Diário Catarinense, de Florianópolis (SC). A jornalista esteve em Boa Vista para o workshop “Jornalismo Além das Fronteiras”, promovido pela ONU para discutir o papel da imprensa em contextos de migração e refúgio. Encontro abordou xenofobia e desafios das mulheres e crianças deslocadas.

Todos os migrantes devem ter seus direitos humanos respeitados. Para garantir que isso aconteça, a ONU defende uma maior cooperação na gestão dos processos migratórios por meio da implementação do Pacto Global para a Migração. O acordo, negociado pelos governos na ONU, abordará a migração internacional de modo amplo. Foto: ONU

Autoridades sul-americanas participam conferência sobre migrações na Bolívia

Representantes de governos de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela reuniram-se na semana passada (22 e 23) em Sucre, na Bolívia, para a 28ª Conferência Sul-Americana sobre Migrações (CSM).

A conferência, cuja secretaria técnica está a cargo da Organização Internacional para as Migrações (OIM), incluiu discussões sobre gênero e políticas migratórias, tráfico de pessoas, gestão de fluxos migratórios, ferramentas normativas regionais para regular a mobilidade dos migrantes, migração na infância, governança local da migração internacional e o Pacto Global para a Migração, entre outros temas.

Indígenas venezuelanos da etnia warao e eñepas em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: OIM

ONU e governo levam assistência para indígenas venezuelanos no Pará

Em Belém (PA), a Defensoria Pública da União (DPU) levou assistência jurídica e social para mais de 300 indígenas venezuelanos da etnia warao. Em outubro e novembro, o organismo implementou na capital paraense o seu programa itinerante de apoio, com o intuito de identificar violações dos direitos dessa população.

Iniciativa teve a participação da Ação Global contra o Tráfico de Pessoas e o Contrabando de Migrantes (GLO.ACT), um projeto do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC).

Refugiados e migrantes venezuelanos em Lima, no Peru. Foto: OIM

ONU elogia adoção de plano latino-americano para refugiados e migrantes da Venezuela

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) cumprimentaram os oito países latino-americanos que aderiram à Declaração e ao Plano de Trabalho para coordenar a resposta de proteção a refugiados e migrantes da Venezuela em seus territórios.

Representantes dos governos de Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai adotaram o Plano de Trabalho durante a 2ª Reunião Técnica Internacional sobre Mobilidade Humana dos Cidadãos Venezuelanos nas Américas, realizada entre 22 e 23 de novembro na capital equatoriana.

O coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic (direita) e o vice-governador eleito de Roraima, Frutuoso Lins. Foto: PNUD

Vice-governador eleito de Roraima reúne-se com representantes da ONU no Brasil

O vice-governador eleito de Roraima, Frutuoso Lins, visitou na quinta-feira (22) a Casa da ONU em Brasília (DF) para reunião com representantes do Sistema das Nações Unidas no Brasil.

Na ocasião, ele mencionou uma série de desafios enfrentados pelo estado, entre eles o alto fluxo de entrada de migrantes e solicitantes de refúgio da Venezuela e a pobreza extrema.

O coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic, ofereceu ajuda das agências das Nações Unidas para enfrentar os desafios mencionados, e propôs nova reunião para março ou abril do ano que vem, a ser realizada em Roraima.

Da esquerda para a direita, Florence Bauer (UNICEF), José Egas (ACNUR), Stéphane Rostiaux (OIM) e Irina Bacci (UNFPA). Foto: ACNUR/Victoria Hugueney

Agências da ONU recebem prêmio por resposta humanitária à crise venezuelana

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), junto ao Exército Brasileiro, foram reconhecidos pelo Ministério dos Direitos Humanos brasileiro pelas ações conjuntas de atendimento a pessoas vindas da Venezuela. A premiação foi concedida nesta quarta-feira (21), em Brasília (DF).

Evento organizado pelo governo chileno em parceria com a OIM para receber migrantes e solicitantes de refúgio da Venezuela. Foto: OIM

ONU promove oficinas no Chile sobre oportunidades de emprego para venezuelanos

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o governo do Chile organizaram dois eventos neste mês em Santiago e na cidade nortenha de Antofagasta para informar refugiados e migrantes que chegam da Venezuela para o Chile sobre o processo de certificação trabalhista, o acesso a treinamentos oferecidos pelo governo e dar orientações relativas à educação financeira.

Estas iniciativas são parte do Plano Regional de Ação da OIM, lançado em abril deste ano para apoiar governos que recebem cidadãos da Venezuela nas Américas e no Caribe. O plano segue o fortalecimento da resposta regional perante o fluxo de venezuelanos, dando apoio aos esforços que governos iniciaram em toda a região.

Acampamento de refugiados rohingya em Cox's Bazar, em Bangladesh. Foto: OIM/Olivia Headon

ONU constrói acomodações temporárias para refugiados rohingya em Bangladesh

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) informou na terça-feira (20) que aprimorou estruturas nos acampamentos de refugiados rohingya em Bangladesh para acomodações temporárias destinadas a situações de emergência.

Na primeira fase do projeto, apoiado pela União Europeia, 70 prédios comunitários estarão disponíveis para acomodar temporariamente mais de 4.500 pessoas.

Quase 1 milhão de rohingya vivem atualmente em Cox’s Bazar, após fugirem de violência e perseguições promovidas pelas forças de segurança em Mianmar.

A Rede Brasileira de População e Desenvolvimento (REBRAPD), em parceira com o Grupo de Trabalho sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da UnB e o UNFPA, promoveram as discussões. Foto: UNFPA/Giselle Cintra

Debate em Brasília discute adoção de Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular

Com o objetivo de ampliar as discussões nacionais em torno da adoção do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular, evento em Brasília (DF) reuniu na quarta-feira (14) especialistas para debater o primeiro compromisso internacional concebido para que os países e comunidades possam lidar melhor com a migração.

No início de dezembro (10 e 11), a Conferência de Marrakech vai reunir autoridades dos Estados-membros das Nações Unidas para a adoção do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular. O relato é do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), que participou do encontro.

Indígenas venezuelanos em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

ONU: número de refugiados e migrantes venezuelanos chega a 3 milhões

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) anunciaram nesta quinta-feira (8) que o número de refugiados e migrantes oriundos da Venezuela já atingiu 3 milhões de pessoas no mundo todo.

A Colômbia abriga o maior número de refugiados e migrantes da Venezuela — mais de 1 milhão. Em seguida vem Peru, com mais de 500 mil venezuelanos, Equador, com mais de 220 mil, Argentina, com 130 mil, Chile, com mais de 100 mil, e Brasil, com 85 mil.

A primeira caravana de migrantes centro-americanos chegou à cidade de Matías Romero, em Oaxaca, no México, em 1º de novembro. O secretário mexicano de assuntos exteriores estima que 4 mil pessoas tenham passado a noite no local. Foto: OIM/ Rafael Rodríguez

ONU fornece ajuda a migrantes centro-americanos em caravana rumo aos EUA

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) está fornecendo apoio e assistência a migrantes da América Central que estão atravessando o continente rumo aos Estados Unidos em diferentes caravanas, mas manifestou preocupação com “o estresse a as demandas” que essa movimentação está colocando nos países por onde passam.

Na estação migratória de Tapachula, no México, a OIM e a secretaria mexicana de Assuntos Externos estão fornecendo alimentos e kits básicos de higiene para mais de 1,5 mil migrantes que buscam abrigo no país.

Equipe do ACNUR orienta venezuelanos recém-chegados à cidade peruana de Tumbes sobre seus direitos e exames de saúde. Foto: ACNUR/Santiago Escobar-Jaramillo

ONU reforça resposta nas fronteiras com aumento do fluxo de venezuelanos rumo ao Peru

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) reforçou sua resposta em pontos cruciais da fronteira de Peru, Equador e Colômbia na semana passada, à medida que milhares de refugiados e migrantes da Venezuela partiram rumo ao Peru antes do prazo final para a obtenção de permissões de permanência temporária.

Na quarta-feira (31), o número de refugiados e migrantes venezuelanos que entraram no Peru vindos do Equador pela principal fronteira de Tumbes atingiu o recorde de mais de 6.700 pessoas em um único dia, número três vezes maior do que o registrado duas semanas antes. O Peru agora abriga cerca de meio milhão de venezuelanos.