A maioria pertence a comunidades indígenas, que estão enfrentando algumas das mais altas taxas de incidência da doença.

COVID-19: Nações Unidas pedem mais apoio a povos indígenas na região amazônica

As Nações Unidas em Colômbia, Brasil e Peru pedem um aumento nos esforços de apoio e resposta na região amazônica, à medida que a COVID-19 continua em alta na região, afetando centenas de milhares de pessoas indígenas.

O Sistema ONU tem colaborado estreitamente com os três países para planejar a resposta na região de fronteira.

Apesar desses esforços, a capacidade de resposta permanece limitada, pois a escassez de financiamento está dificultando significativamente a atuação dos atores humanitários para atender as necessidades identificadas.

Foto: ACNUR Brasil/Felipe Irnaldo

Novo abrigo aprimora acolhimento de refugiados e migrantes indígenas venezuelanos em Manaus

Para aprimorar o acolhimento de indígenas venezuelanos da etnia Warao na capital do estado do Amazonas, a Prefeitura de Manaus, com apoio de agências das Nações Unidas, inaugurou na terça-feira (14) um novo abrigo na região do Tarumã-Açu, zona oeste da cidade.

Ao todo, 158 pessoas refugiadas e migrantes desta etnia foram realocadas nesta etapa, que dá seguimento à estratégia de resposta do município ao fluxo desta população venezuelana para a cidade.

A ação contou com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Crianças migrantes, como estes meninos da Venezuela, serão beneficiários do programa. Foto: ACNUR/Felipe Irnaldo

ONU se une à Prefeitura de São Paulo para apoiar crianças migrantes na educação a distância

A Prefeitura de São Paulo (SP) está apoiando crianças migrantes e refugiadas durante a pandemia de COVID-19 com material especial de educação a distância.

Em parceria com Organização Internacional para as Migrações (OIM) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a cidade divulgou um programa para ajudar especialmente os alunos que ainda não têm fluência na língua portuguesa.

O projeto de integração inclui crianças de até 8 anos que estejam matriculadas na rede pública de ensino.

OIM e UniCesumar lançam curso de português online e gratuito para migrantes e refugiados

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), em parceria com a instituição de ensino UniCesumar, anuncia o lançamento do curso online “Português para Migrantes e Refugiados”. Com o apoio da OIM, todo o conteúdo foi revisado por uma consultora especializada e classificado nos diferentes níveis de aprendizagem.

O curso já está disponível e tem como principal objetivo oferecer para migrantes e refugiados, que já possuem um conhecimento básico da língua portuguesa, a oportunidade de aprimorar no idioma, apoiando assim, sua integração socioeconômica no Brasil.

Doação de equipamentos de proteção reforça segurança de agentes que atuam na Tríplice Fronteira em Foz do Iguaçu (PR). Foto: OIM

COVID-19: agentes que atuam na Tríplice Fronteira recebem equipamentos de proteção

Agentes públicos da Polícia Federal e da Secretaria de Saúde de Foz do Iguaçu (PR) que atuam na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai receberam esta semana uma doação de 80 termômetros infravermelhos e 2.160 máscaras N-95 para se proteger da COVID-19.

A doação foi feita pelo projeto de cooperação EUROFRONT, financiado pela União Europeia e implementado por Organização Internacional para as Migrações (OIM) e parceiros.

Famílias de refugiados chegam ao aeroporto de Beirute, no Líbano, antes de serem reassentadas em países terceiros. Foto: OIM/Angela Wells

OIM e ACNUR anunciam retomada das viagens de reassentamento para refugiados

Organização Internacional para as Migrações (OIM) e Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) anunciaram na quinta-feira (18) a retomada das partidas de reassentamento de refugiados.

A suspensão temporária das viagens de reassentamento, necessária devido a interrupções e restrições às viagens aéreas internacionais causadas pela pandemia de COVID-19, atrasou a saída de cerca de 10 mil refugiados para os países de reassentamento.

OIM apoia prefeitura de Manaus no acolhimento seguro de indígenas venezuelanos

Neste momento de pandemia, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) em Manaus está apoiando a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc) a manter os indígenas Warao protegidos contra os riscos da COVID-19. Alimentação, doação de itens de higiene e apoio técnico estão entre as ações realizadas.

A OIM apoia na alimentação de mais da metade dos indígenas acolhidos na capital amazonense tendo entregado quase 16 mil refeições desde o início das ações em abril. Atualmente, já são 400 almoços diários distribuídos entre três locais de abrigamento, incluindo a escola municipal Valdir Garcia, destinada a abrigar apenas casos suspeitos e confirmados do novo coranavírus. O objetivo é oferecer alimentação balanceada, inclusive para crianças e idosos, e ajudar a fortalecer a imunidade dos indígenas.

Novo curso online da OIM irá auxiliar municípios na construção de políticas migratórias

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), em parceria com a Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), lançou este mês o curso “MigraCidades: Aprimorando a Governança Migratória Local”. A formação de 30 horas é gratuita, inteiramente online e já está disponível na plataforma da Escola Virtual de Governo (EVG).

O objetivo é apoiar gestores e servidores dos governos locais na articulação e preparação dos serviços públicos para melhor receber e integrar migrantes internacionais, destravando o potencial das migrações para todos, migrantes e comunidades de acolhida.

Indígenas venezuelanos da etnia warao e eñepas em abrigo em Boa Vista, Roraima. Foto: OIM

OIM lança estudo que discute políticas de médio prazo para indígenas venezuelanos no Brasil

Para contribuir com a construção de alternativas de políticas públicas para os indígenas venezuelanos, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) lança na quarta-feira (10), em evento virtual às 14h, o estudo “Soluções duradouras para indígenas migrantes e refugiados no contexto do fluxo venezuelano no Brasil”.

O documento é produto de um amplo processo de consulta com indígenas Warao, Pemón e Eñepa nas cidades de Boa Vista, Pacaraima (RR) e Manaus (AM).

Migrantes nicaraguenses na Costa Rica que trabalham na indústria da construção. Nas últimas três décadas, os fluxos migratórios da Nicarágua para a Costa Rica foram motivados por desastres naturais, conflitos políticos e desacelerações econômicas. Foto: OIM

OIM: trabalhadores migrantes são mais vulneráveis a abusos e exploração durante pandemia

Os trabalhadores migrantes podem ficar vulneráveis ​​a abusos e exploração durante a migração devido a fatores como recrutamento antiético, status da migração, medo de deportação ou incapacidade de encontrar emprego alternativo, particularmente durante a atual crise da COVID-19.

Nesse cenário, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) publicou na segunda-feira (8) novas orientações para os Estados-membros sobre a regulamentação do recrutamento internacional e a proteção dos trabalhadores migrantes.

Cartilha bilíngue sobre autocuidado e higiene para crianças migrantes é lançada com apoio da OIM

A cartilha incentiva boas práticas de higiene e cuidado com o meio ambiente através de atividades lúdicas, reforçando a importância da lavagem das mãos. O material foi produzido pela Cáritas Brasileira e será fundamental na conscientização sobre a transmissão de doenças, como a COVID-19.

Ao todo, serão 1.500 exemplares distribuídos, impressos com o apoio da OIM, que recebeu 200 unidades do material para trabalhar com crianças migrantes na Área de Proteção e Cuidado (APC), localizada na Rodoviária Internacional de Boa Vista, e com crianças indígenas da etnia Warao que residem na ocupação espontânea Ka-Ubanoco.

Refugiados e migrantes na fronteira de Pazarkule, perto de Edirne, na Turquia, na esperança de viajar para a Grécia. Foto: UNICEF

Refugiados e migrantes enfrentam ‘três crises de uma só vez’, alerta secretário-geral da ONU

A pandemia de COVID-19 continua arrasando vidas e meios de subsistência em todo o mundo – atingindo de forma mais dura os mais vulneráveis. Isso é particularmente verdade para os milhões de pessoas que estão em movimento – como refugiados e pessoas deslocadas internamente forçados a fugir de suas casas por causa da violência e calamidades, ou migrantes em situações precárias.

“Agora, elas enfrentam três crises de uma só vez”, alertou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em uma mensagem nesta quarta-feira (3) ao lançar um relatório com recomendações de políticas públicas sobre o tema. As três crises envolvem os âmbitos socioeconômico, de saúde e de proteção; acesse aqui o vídeo e o relatório.

ACNUR e OIM agradecem doações para refugiados e migrantes da Venezuela

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) comemoram hoje os compromissos assumidos pelos doadores no valor de 2,79 bilhões de dólares, incluindo 653 milhões em doações, durante a Conferência Internacional de Doadores em Solidariedade a Refugiados e Migrantes Venezuelanos na América Latina e Caribe.

A Conferência, convocada pela União Europeia (UE) e Espanha, com o apoio do Canadá, Noruega, ACNUR e OIM, teve como objetivo mobilizar o apoio a uma das maiores crises de deslocamento do mundo, que agora é exacerbada pela pandemia da COVID-19.

Médico atende pacientes em unidade móvel de saúde da OIM em Boa Vista (RR). Foto: Bruno Mancinelle/OIM

Casos de COVID-19 na América do Sul representam 87% do total da América Latina; OIM pede recursos

A COVID-19 chegou à América do Sul mais tarde do que a outras regiões, mas, em 21 de maio, dos 563.550 dos casos da doença relatados na América Latina pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 491.499 estão nos países sul-americanos (87% do total).

O Brasil se tornou o país com o maior número de infecções pelo novo coronavírus na América Latina. Em todo o mundo, apenas os Estados Unidos e a Rússia registraram mais casos.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) lançou na semana passada (22) um apelo urgente, buscando 21,2 milhões de dólares para aliviar o impacto da pandemia de COVID-19 sobre os refugiados e migrantes mais vulneráveis ​​e suas comunidades anfitriãs em dez países da América do Sul: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

OIM doa 1,5 tonelada de alimentos para migrantes que aguardam abertura das fronteiras no Acre

Com o objetivo de apoiar as ações realizadas pela Prefeitura de Assis Brasil, no Acre, e de entidades da sociedade civil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) doou este mês 1,5 tonelada de alimentos para mais de 250 imigrantes que aguardam a reabertura das fronteiras com Peru e Bolívia no município acreano.

Estas pessoas vindas da Venezuela, Haiti, Colômbia, Togo e Benin estavam próximas de cruzar a tríplice fronteira quando foram paradas pela restrição de mobilidade devido à pandemia do novo coronavírus e não puderam seguir viagem como planejado.

Sala de aula no campo de Kutupalong. Foto: UNICEF/Patrick Brown

VÍDEO: Coronavírus chega ao maior campo de refugiados do mundo, em Bangladesh

Agências humanitárias das Nações Unidas confirmaram o primeiro caso de COVID-19 no maior assentamento de refugiados do mundo, Kutapalong, em Bangladesh, que acolhe 860 mil pessoas da minoria rohingya que fugiram da perseguição em Mianmar, país vizinho.

Uma pessoa da comunidade de acolhimento também testou positivo. Os dois pacientes estão isolados, sendo tratados, e todos os seus contatos estão sendo rastreados, testados e colocados em isolamento.

Em entrevista à ONU News, a coordenadora de Gestão e Desenvolvimento de Campo da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Kerry McBroom, explicou os três maiores desafios atuais.

Desde o surgimento da COVID-19, refugiados e migrantes da Venezuela agora enfrentam uma miríade de desafios, incluindo a perda de meios de subsistência, despejos e o aumento da estigmatização. Foto: OIM Brasil/Bruno Mancinelle

Organizações buscam apoio urgente a refugiados e migrantes da Venezuela em meio à pandemia

Com a pandemia da COVID-19 ameaçando a segurança e o futuro de milhões de refugiados e migrantes da Venezuela e de suas comunidades anfitriãs, mais de 150 organizações que trabalham em 17 países da América Latina e no Caribe estão apelando à comunidade internacional para um aumento urgente de apoio.

“O coronavírus está pressionando nossas sociedades de maneiras que nunca poderíamos imaginar. Para os refugiados e migrantes venezuelanos, a pandemia os expõe a dificuldades ainda maiores, já que muitos estão lutando para sobreviver fora de casa”, disse Eduardo Stein, representante especial conjunto de Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Organização Internacional para as Migrações (OIM) para refugiados e migrantes da Venezuela.

Foto: OIM

OIM e DPU mapeiam rede de assistência jurídica a migrantes no Brasil

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), em parceria com a Defensoria Pública da União (DPU), apresentou na segunda-feira (11) um mapeamento sobre a rede de assistência jurídica aos migrantes vulneráveis no Brasil.

A ação ocorreu durante oficina online promovida por parceiros, que contou com 27 organizações. Elas comporão uma rede de trabalho conjunto para fortalecer a assistência jurídica aos migrantes.

Mais de 1,1 mil indígenas são beneficiados em ação de prevenção à COVID-19 em Pacaraima (RR)

Desde que a pandemia da COVID-19 chegou ao Brasil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) tem reforçado suas atividades em campo e desenvolvido atividades de prevenção e informação para refugiados, migrantes e comunidade de acolhida. As ações incluem as comunidades indígenas transfronteiriças, que são visitadas pela OIM de modo a dialogar com a população local e da Venezuela sobre saúde e medidas de prevenção ao novo coronavírus.

Em ação realizada no último mês no município de Pacaraima, Roraima, mais de 1.100 indígenas da etnia Pemón-Taurepang moradores do Bananal, Sorokaima I e Sakao-Motá, foram beneficiados com kits de higiene e sessões informativas sobre prevenção à COVID-19. Os kits, que contêm mosquiteiro, sabão e toalha, também serão úteis para o combate a outras doenças transmitidas por mosquitos comuns na região, como a malária e a dengue.

Em 2019, ocorreram mais de 700 exibições de 32 filmes selecionados em 108 países, com uma audiência global de cerca de 60 mil pessoas. Foto: OIM

OIM abre inscrições para festival internacional de cinema sobre migrações

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) abriu inscrições para o Festival Global de Cinema sobre Migração. O evento de 2020 ocorre de 28 de novembro a 18 de dezembro e é a principal iniciativa cultural do mundo sobre o tema. O prazo para envio dos filmes é dia 21 de junho de 2020.

Em 2019, ocorreram mais de 700 exibições de 32 filmes selecionados em 108 países, com uma audiência global de cerca de 60 mil pessoas.

O objetivo do Festival é preparar o caminho para uma discussão maior sobre um dos maiores fenômenos do nosso tempo: a migração; saiba como enviar sua produção.

Evento de lançamento da cartilha no auditório do Banco Central, em novembro de 2019. Foto: ACNUR/Alan Azevedo

Banco Central lança nova edição de cartilha financeira para refugiados e migrantes

O Banco Central (BC) atualizou a Cartilha de Informações Financeiras para Migrantes e Refugiados. O guia é feito em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Além da versão em português, as cartilhas estão disponíveis em inglês, francês, espanhol e árabe.

Na nova versão, a cartilha atualiza detalhes sobre regras para o cheque especial e agrega informações sobre abertura de conta corrente.

Ibrahim Al Hussein (à esquerda) é um dos refugiados que participam do documentário 'THF: Aeroporto Central', do brasileiro Karim Aïnouz. Imagem: THF

Cineasta brasileiro espera que pandemia gere mais empatia por situação de refugiados

Em vez de medo e xenofobia, o isolamento e a incerteza em relação ao futuro provocada pela pandemia têm o potencial de gerar mais empatia em relação ao outro, especialmente em relação àqueles que já enfrentavam dificuldades antes mesmo de a COVID-19 emergir, como refugiados, migrantes e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A expectativa é do cineasta brasileiro Karim Aïnouz, que lançou na sexta-feira (24), diretamente nas plataformas de streaming, seu filme “Aeroporto Central”, que trata da situação de solicitantes de refúgio abrigados no extinto Aeroporto de Tempelhof, em Berlim. Leia a entrevista concedida à ONU Brasil.

Ao longo de um ano, o documentário acompanhou a vida do estudante sírio Ibrahim (esquerda) e do fisioterapeuta iraquiano Qutaiba (direita). Foto: Juan Sarmiento

Pandemic could generate more empathy towards refugees, says Brazilian filmmaker

Instead of fear and xenophobia, the isolation and uncertainty about the future brought by the COVID-19 pandemic has the potential to generate more empathy and solidarity towards others, including refugees.

That’s the hope of the Brazilian filmaker Karim Aïnouz, who launched directly on the streaming platforms his documentary “Central Airport THF”, which describes the situation of asylum seekers sheltered in the former Tempelholf Airport, in Berlin.

Começam as aulas da Capacitação para o Empreendedorismo para refugiados e migrantes

A primeira turma da Capacitação para o Empreendedorismo oferecida para migrantes e refugiados no estado de Santa Catarina já está ativa desde 27 de abril. As aulas, que são on-line, ocorrem por meio da parceria entre a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a ONG Círculos de Hospitalidade.

A iniciativa aumentará o conhecimento dos beneficiários sobre o acesso a direitos, fornecerá apoio psicossocial, promoverá programas de emprego compostos por treinamento de habilidades, treinamento em empreendedorismo, capital inicial, feiras econômicas, setor privado e mapeamento de oportunidades de emprego; e oferecerá aulas de língua portuguesa.

Doação de ultrassom reforça diagnósticos de câncer e exames de pré-natal em Boa Vista

A doação feita pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) à Secretaria Municipal de Saúde de Boa Vista de um ultrassom com alta resolução de imagem permitirá beneficiar até 48 mil usuários do sistema público do município em um ano. Esta foi a quarta doação de equipamentos de saúde realizada em Roraima este ano.

Os exames reforçarão os diagnósticos de câncer e os exames de pré-natal, beneficiando a comunidade local, de refugiados e de migrantes, sobretudo as mulheres grávidas. O equipamento será instalado no Centro de Tratamento e Prevenção ao Câncer, unidade de referência especializada em diagnóstico de Boa Vista.

Crianças que participam da estratégia de interiorização ganham companhia especial

A partir de abril, as crianças venezuelanas de 6 a 11 anos que participam da estratégia de interiorização do governo federal recebem a cartilha “Viajando por Brasil com Felipe y Elena”. O livro apresenta o novo país aos pequenos com informações culturais e geográficas, através dos olhares do brasileiro Felipe e da venezuelana Elena.

O livro é parte do “Passaporte para a Educação”, uma iniciativa do projeto Education Cannot Wait (A Educação não Pode Esperar), implementado em Roraima pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Cáritas e OIM acolhem refugiados e migrantes venezuelanos

Os refugiados e migrantes venezuelanos que participaram da estratégia de interiorização do governo federal e foram impactados pela pandemia do novo coronavírus serão acolhidos em casas de passagem.

O projeto irá acolher cerca de 400 refugiados e migrantes que perderam seus empregos, sua renda e sua moradia, contribuindo para as medidas de isolamento social e para a proteção de pessoas vulneráveis. Além de aliviar o sistema público de saúde, beneficiando toda a sociedade brasileira.

OIM e Cáritas trabalham juntas para apoiar a integração econômica de migrantes no Paraná

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Cáritas Brasileira Regional Paraná assinam acordo para promover a inserção econômica e laboral de migrantes vulneráveis, incluindo venezuelanos, no estado do Paraná. O projeto pretende beneficiar 400 migrantes em três frentes principais de ação: capacitação profissional, empreendedorismo e economia solidária.

Esta iniciativa é realizada no marco do projeto “Oportunidades – Integração no Brasil”, implementado pela OIM e realizado com o financiamento da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Equipamentos de Saúde doados pela OIM irão reforçar a rede pública de Roraima

Com o intuito de reforçar a rede pública de saúde a enfrentar a pandemia da COVID-19 e responder a demanda dos roraimenses e venezuelanos, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) doou dois ultrassons à Secretária de Estado da Saúde de Roraima. A ação irá beneficiar mais de 50 mil usuários do Sistema Único de Saúde do estado no período de um ano.

Os equipamentos de alta resolução acompanhados de transdutores reto, curvo e endocavitário ficarão disponíveis no Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth, em Boa Vista, e no Hospital de Rorainópolis, duas das principais unidades hospitalares do estado. Eles serão úteis para procedimentos variados incluindo exames de pré-natal, diagnósticos cirúrgicos e observação de fraturas, por exemplo.

Uma nova campanha liderada por funcionários do Citi ajudará a OIM a fornecer apoio essencial para salvar vidas e suprimentos essenciais para os migrantes e comunidades anfitriãs mais vulneráveis ​​da América Latina. Foto: OIM/Paula Vásquez

OIM e Citi unem-se para apoiar resposta à COVID-19 na América Latina

A instituição financeira Citi anunciou na segunda-feira (20) que selecionou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) das Nações Unidas como um dos quatro parceiros de uma nova campanha de doação de chamada “Double the Good” (duplique o bem).

Para cada 1 dólar doado por um funcionário do Citi em apoio ao combate à COVID-19, a instituição financeira doará 1 dólar para ajudar na resposta da OIM à pandemia na América Latina.

Um apelo revisado foi lançado nesta sexta-feira (17) por 499 milhões de dólares para apoiar atividades vitais de preparação, resposta e recuperação em mais de 140 países. Foto: OIM

OIM lança plano de US$499 milhões para apoiar países frente a impactos da pandemia

À medida que o número de novos casos de doença por coronavírus (COVID-19) continua aumentando, a Organização Internacional para Migrações (OIM) ampliou o escopo do seu Plano Estratégico Global de Preparação e Resposta (SPRP) para incluir intervenções de longo alcance que visam mitigar os terríveis impactos socioeconômicos e de saúde da pandemia.

Um apelo revisado foi lançado nesta sexta-feira (17) por 499 milhões de dólares para apoiar atividades vitais de preparação, resposta e recuperação em mais de 140 países.

Elayne Sartori, assistente de campo do Fundo de População da ONU, foi uma das mediadoras da sessão. Foto: UNFPA Brasil/Igo Martini

UNFPA e ACNUR realizam primeiro treinamento online sobre prevenção ao abuso e à exploração sexual

Em razão da pandemia de COVID 19, foi realizada na segunda-feira (13) a primeira sessão remota da Oficina Proteção Contra a Exploração, Abuso Sexual e Assédio, com mediação de oficiais da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

A oficina teve como objetivo sensibilizar os trabalhadores e trabalhadoras da assistência humanitária sobre como os atos de exploração e abuso sexual afetam indivíduos e comunidades inteiras e o que fazer a respeito por meio de mecanismos de denúncia.

OIM apoia implementação de área de proteção e cuidados para venezuelanos em Boa Vista

Para ampliar as estruturas de saúde na prevenção e enfrentamento à pandemia de COVID-19 e reforçar o atendimento aos refugiados e migrantes em Roraima, a Operação Acolhida, com apoio dos governos estadual e municipal, irá inaugurar em Boa Vista a Área de Proteção e Cuidados (APC).

A estrutura, montada por trabalhadores venezuelanos e brasileiros, começa a funcionar em breve na capital e conta com suporte da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

O casal de refugiados sírios Ghazal e Talal prepara marmitas que serão doados para idosos de São Paulo. Foto: Riad Altinawi

Syrian refugees donate food to the elderly people during the pandemic in Brazil

The couple Talal e Ghazal Al-Tinawi, both Syrian refugees in Brazil, felt in their wallet the decrease of orders at their Arabic food delivery service due to the COVID-19 in Sao Paulo, the state with the highest number of cases in Brazil. Even so, they found a caring alternative to contribute to mitigate the new virus transmission.

They made an effort to increase their production so that 300 packed lunches could be delivered to the elderly, one of the most vulnerable at risk to the COVID-19 disease. Complying with the World Health Organization (WHO) recommendation, the food is safely being delivered to their homes.

O casal de refugiados sírios Ghazal e Talal prepara marmitas que serão doados para idosos de São Paulo. Foto: Riad Altinawi

Refugiados sírios doam marmitas para idosos durante a pandemia em São Paulo

O casal Talal e Ghazal Al-Tinawi, refugiados vindos da Síria com seus filhos, sentiu no bolso a redução dos pedidos de delivery de comida árabe por conta da pandemia da COVID-19 em São Paulo, estado com mais casos da doença no Brasil. Mesmo assim, eles encontraram uma alternativa humana de contribuir para mitigar a transmissão do novo coronavírus.

“Chegamos no Brasil há sete anos e somos muito gratos ao povo brasileiro, que nos recebeu de braços abertos e nos apoiou sempre que precisávamos. Agora, chegou nosso momento de retribuir com o que temos de melhor: nossa comida árabe para quem mais precisa, as pessoas idosas”, disse Talal, engenheiro mecânico de formação.

Mariam Walate Intanere, de 25 anos, fugiu do Mali para o Níger com seu tio e quatro filhos. Ela e sua família receberão uma das 1 mil casas em Ouallam que estão sendo construída para refugiados e seus anfitriões. Foto: ACNUR/Sylvain Cherkaoui

Direitos e saúde de refugiados e migrantes devem ser protegidos em meio à pandemia

Diante da crise de COVID-19, todos somos vulneráveis. O vírus mostrou que não discrimina – mas muitos refugiados, deslocados à força, apátridas e migrantes estão em maior risco.

O alerta foi feito em comunicado conjunto publicado na terça-feira (31) por Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Entre as ações realizadas pela OIM em Roraima estão a distribuição de kits de higiene, o auxílio com profissionais de saúde e doação de equipamentos para a rede pública de saúde. Foto: OIM

OIM apoia venezuelanos e comunidade de acolhida com ações frente à COVID-19

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), com o financiamento do governo do Japão, está promovendo ações de saúde em Roraima, apoiando a Operação Acolhida, resposta humanitária do governo federal em parceria com agências da ONU e sociedade civil.

Entre as ações realizadas estão a distribuição de kits de higiene, o auxílio a profissionais de saúde e a doação de equipamentos para a rede pública de saúde de Roraima, assim como o compartilhamento e produção de conteúdo informativo e preventivo sobre o coronavírus.