Funcionária da OIM conversa com uma migrante em um centro de recepção. Foto: OIM

ONU faz apelo para melhorar proteção de refugiados e migrantes em travessias perigosas

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) pediu 412 milhões de dólares para ajudar a melhorar a proteção de refugiados e migrantes que cruzam o Deserto do Saara e o Mar Mediterrâneo, bem como para apoiar países europeus que prestam assistência a solicitantes de asilo.

Nos seis primeiros meses deste ano, mais de 2.171 refugiados e migrantes morreram ou estão desaparecidos no Mediterrâneo, enquanto comunicado do UNICEF criticou medidas na Itália que podem piorar ainda mais a situação de resgate.

Já a Organização Internacional para as Migrações (OIM) alertou que cerca de 80% das migrantes nigerianas que chegam à Europa pela costa da Itália são vítimas potenciais do tráfico sexual, destacando os níveis “chocantes” de abuso e violência enfrentados por meninas e mulheres da Nigéria.

O presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizzete, e o coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, firmaram acordo de parceria em Brasília. Foto: PNUD/Vivian Doherty

ONU Brasil e Frente Nacional dos Prefeitos reforçam parceria pelo desenvolvimento sustentável

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, e o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, firmaram na terça-feira (4) um memorando de entendimento com o objetivo de criar um marco de cooperação, além de facilitar e fortalecer a colaboração para promoção e alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Filme "After Spring", de Steph Ching e Ellen Martinez (EUA), selecionado no concurso de 2016. Foto: Divulgação

Cineastas brasileiros podem concorrer a prêmio internacional de filmes sobre migração

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) recebe até 17 de setembro inscrições para um concurso internacional de cinema sobre migração. Podem concorrer cineastas profissionais e amadores de 92 países, entre eles o Brasil, que submetam filmes de ao menos 25 minutos sobre o tema “a promessa e os desafios da migração e a contribuição dos migrantes para suas novas comunidades”.

Serão aceitos filmes que desafiem as percepções negativas e os estereótipos sobre os migrantes e retratem ações positivas e receptivas das comunidades de acolhimento.

Em Belo Horizonte, jovens realizam uma partida de 'queimado' temática, para discutir questões de gênero e orgulho LGBTI. Imagem de 2016. Foto: Mídia Ninja (CC)

Em dia internacional, ONU defende igualdade de direitos e mais acesso a serviços para pessoas LGBTI

Por ocasião do Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia, lembrado nesta quarta-feira (17), dirigentes da ONU fizeram um apelo por mais respeito ao amor em toda a sua diversidade. Agências da ONU defenderam o fim da discriminação, ainda responsável por excluir pessoas LGBTI dos serviços de saúde, do mercado de trabalho e da proteção institucional para famílias e casais.

No Brasil, representantes das Nações Unidas alertaram para a violência motivada pela orientação sexual em evento na sede nacional do organismo, localizada em Brasília.

Cerca de 19 milhões de pessoas precisam de assistência no Iêmen, sendo que mais da metade depende da ajuda para sobreviver. Foto: Giles Clarke/OCHA

Ataque contra cidade e porto no Iêmen pode comprometer capacidade humanitária, alerta OIM

“Caso o ataque aconteça, a expectativa é que, no mínimo, cerca de 400 mil pessoas fujam da cidade [de Al Hudaydah], aumentando a situação já desesperadora de mais de 2 milhões de pessoas deslocadas e suas comunidades de acolhimento afetadas pelo conflito”, alertou o diretor de operações e emergências da Organização Internacional para as Migrações, Mohammed Abdiker. Cerca de 19 milhões de pessoas precisam de assistência no país, sendo que mais da metade depende da ajuda para sobreviver.

Haitianos em São Paulo. Foto: EBC

ONU e sociedade civil pedem sanção sem vetos da Lei de Migração

Mais de 100 entidades da sociedade civil e organizações internacionais como as Nações Unidas enviaram na semana passada (26) uma carta ao presidente brasileiro, Michel Temer, pedindo a sanção sem vetos da chamada Lei de Migração, já aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.

A nova lei garante acesso igualitário e livre a trabalho, benefícios sociais e seguridade social a migrantes, eliminando discriminações e garantindo a eles os mesmos direitos assegurados aos brasileiros, como participar de protestos e se filiar a sindicatos.

Vítimas de tráfico humano. Foto: ONU/Martine Perret

ONU e UE lançam na quarta-feira (19) iniciativa para combater tráfico de pessoas e contrabando de migrantes

Na próxima quarta-feira (19), será lançada no Brasil a Ação Global para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Contrabando de Migrantes (GLO.ACT). Cerimônia acontece às 10h30, na Casa da ONU, em Brasília. Iniciativa é da União Europeia (UE) e do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), em parceria com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Treze países da África, Ásia, Leste europeu e América Latina, incluindo o Brasil, participam do projeto.

Migrantes mantidos reféns em Sabha, na Líbia. Foto: OIM

Migrantes no norte da África são vendidos em mercados de escravos na Líbia, denuncia ONU

Migrantes que viajam até a Líbia para chegar à Europa correm risco de serem sequestrados, abusados, mortos e vendidos em mercados de escravos no país localizado ao norte da África. Informação é da Organização Internacional para as Migrações (OIM), que recebeu e divulgou novas denúncias de sobreviventes. Agência da ONU descreveu o território líbio como ‘um arquipélago de tortura’. Refém liberto em Trípoli pesava 35 kg e tinha ferimentos pelo corpo.

Família sai de casa destruída minutos depois de ataque do ISIS com carro-bomba no bairro de Al Andalus, em Mossul, Iraque. Foto: ACNUR/Ivor Prickett

Iraque: chefe de direitos humanos da ONU condena ataques contra centenas de civis em Mossul

O chefe de direitos humanos da ONU lamentou a morte de centenas de civis na região oeste de Mossul, no Iraque, provocada por ataques terroristas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) e por bombardeios aéreos das forças governamentais.

De acordo com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e a Missão de Assistência das Nações Unidas no Iraque (UNAMI), entre os dias 17 de fevereiro e 22 de março, pelo menos 307 pessoas morreram e 273 ficaram feridas nesses ataques.

Abertas as inscrições do Festival de Vídeo Plural+ para jovens de até 25 anos

Jovens de todo o mundo de até 25 anos podem inscrever vídeos de até cinco minutos no Festival Plural+. Organizado pela Aliança das Civilizações das Nações Unidas (UNAOC) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM), o Festival busca vídeos criativos sobre inclusão social, migrantes, respeito à identidade, à diversidade e aos direitos humanos.

As inscrições podem ser feitas em inglês, francês e espanhol; prazo é dia 4 de junho.

Migrante em centro de detenção na Líbia. Foto: UNICEF/Romenzi

UNICEF: 75% das crianças migrantes sofreram assédio ou agressão nas mãos de adultos no Mediterrâneo

Fundo das Nações Unidas para a Infância lançou relatório que destaca as rotas da África Subsaariana para a Líbia e as travessias do mar com destino à Europa como algumas das mais perigosas e mortíferas do mundo para crianças e mulheres.

Em Mossul, no Iraque, Organização Internacional para as Migrações (OIM) alertou para aumento da violência. Milhares de pessoas chegaram nessa semana na região a sudeste da cidade, fugindo dos conflitos.

Crianças sírias que buscam refúgio na Turquia correm o risco de se tornarem apátridas. Foto: Muse Mohammed/OIM

A cada 10 minutos, uma criança nasce sem nacionalidade

Relatório do Instituto de Apatridia e Inclusão, organização não governamental com sede na Holanda, revela que há mais de 6 milhões de crianças apátridas em todas as regiões e na maioria dos países atualmente. No total, 10 milhões de pessoas são consideradas apátridas.

Organização Internacional para as Migrações (OIM) alertou para a gravidade do problema e ressaltou a importância de prevenir a apatridia entre crianças migrantes.

Centenas de refugiados e migrantes a bordo de um barco de pesca momentos antes de serem resgatados pela Marinha italiana, como parte de sua operação Mare Nostrum, de junho de 2014. Foto: Marinha italiana/Massimo Sestini

Agências da ONU pedem que países europeus parem de realizar triagem de refugiados no norte da África

Em comunicado emitido um dia antes da reunião do Conselho Europeu em Malta, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediram a líderes da Europa que abandonem algumas das estratégias vigentes para lidar com o fluxo migratório da África rumo ao continente.

Organismos internacionais criticaram a detenção automática de refugiados e migrantes em centros ‘inumanos’ na Líbia e consideraram ‘inadequada’ a condução de triagens de solicitantes de asilo fora do território europeu.

Crianças e adultos sírios deslocados fogem de área rural controlada pelo Estado Islâmico em Raqqa. Foto: UNICEF/Delil Soulaiman

ONU diz esperar que EUA mantenham tradição de proteger refugiados

Agências das Nações Unidas que lidam com questões globais de refugiados e migrantes expressaram a esperança de que os Estados Unidos continuem seu forte papel de liderança e longa tradição na proteção daqueles que fogem de conflitos e perseguições.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) disseram que refugiados devem receber tratamento igualitário para a proteção e assistência, assim como oportunidades de reassentamento, independentemente de sua religião, nacionalidade ou raça.

Grupo de mulheres internamente deslocadas no campo de deslocados de Tharawan, nos arredores de Sanaa, no Iêmen. Foto: UNICEF / Moohialdin Fuad

Em meio a conflito, Iêmen recebe milhares de migrantes por mês

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), que fornece assistência humanitária no país, até 12 mil migrantes chegam todos os meses às costas do país do Golfo de Áden com a esperança de chegar à Arábia Saudita.

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informou que cerca de 105 mil pessoas chegaram ao Iêmen a partir do Chifre da África nos últimos dois meses, a maioria da Etiópia e da Somália.

Refugiados da Somália que vivem no campo de Dadaab, no Quênia, participarão de capacitação desenvolvida pela ONU antes de regressar ao país de origem. Foto: OCHA

ONU investirá US$ 3 milhões em capacitação de refugiados da Somália que querem voltar ao país

O Fundo de Construção da Paz das Nações Unidas anunciou nesta semana (20) que investirá 3 milhões de dólares em um projeto-piloto de capacitação de refugiados. A iniciativa é voltada para somalis que atualmente vivem no Quênia, mas desejam retornar ao país de origem. Objetivo da formação é levar para os deslocados forçados não apenas qualificação profissional, mas também conscientização sobre resolução pacífica de conflitos.

Imigrantes haitianos em Iñapari, no Peru. A rota é usada por muitos para alcançar o Brasil pela fronteira com o Acre, para depois seguirem para centros urbanos. Segundo as mais recentes estimativas, mais de 50 mil haitianos já migraram para o Brasil desde o terremoto que atingiu o país caribenho, em janeiro de 2010. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Organizações da sociedade civil elogiam aprovação de nova Lei de Migrações na Câmara

Rede Solidária para Migrantes e Refugiados (RedeMir), que reúne diversas organizações brasileiras para o tema, afirmou que a aprovação nova Lei das Migrações na Câmara dos Deputados é resultado de amplo esforço da sociedade civil organizada, refletindo visão humanitária sobre o estrangeiro. O texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado. Na semana passada, a rede realizou evento em Brasília em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Migração entre países latino-americanos deve continuar subindo, diz OIM

A migração na região da América Latina e do Caribe deve continuar subindo nos próximos anos, diante de um cenário mais restritivo na Europa e da crescente xenofobia nos países desenvolvidos.

Dessa forma, cabe aos latino-americanos continuar atualizando suas políticas migratórias com foco em uma perspectiva de direitos humanos.

A avaliação é do diretor de programas da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Fernando Calado.

Poços de petróleo queimados pelo ISIL são visíveis na recém-retomada cidade iraquiana de al-Hud, perto de Mossul, onde a Organização Internacional para as Migrações (OIM) distribuiu 350 kits de itens não alimentares para famílias recentemente deslocadas. Foto: OIM/Jennifer Sparks

Mossul, Iraque: ONU alcança 25 mil pessoas deslocadas com ajuda de emergência em dois dias

Conselheiro especial da ONU para a Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, condenou o “desprezo absoluto e contínuo” dos direitos humanos na região, alertando para relatos recentes que indicam o sequestro e a execução por parte da ISIL de um grande número de civis; uso de civis como escudos humanos; o uso de armas químicas; e a punição coletiva de membros das Forças de Segurança do Iraque e seus familiares. ACNUR lança campanha de doações para emergência no Iraque.

Como as mulheres em áreas assoladas por conflitos da República Democrática do Congo (RDC) são vulneráveis ao estupro e a abusos sexuais quando viajam longas distâncias para buscar água, a OIM construiu várias bombas de água próximas a delegacias. Foto: OIM

Na ONU, comissão lança guias para ajudar agentes humanitários na luta contra exploração sexual

A Comissão Permanente Interagencial (IASC, na sigla em inglês), que é apoiada pela ONU, lançou nesta semana dois guias para ajudar agentes humanitários em todo mundo a criar sistemas de prevenção e respostas à exploração e ao abuso sexual em contextos humanitários.

Os dois guias trazem lições aprendidas dos resultados de um projeto-piloto coordenado pela agência de migrações da ONU, que estabeleceu mecanismos de reclamação em bases comunitárias na Etiópia e na República Democrática do Congo.

Sírios cruzam fronteira para fugir da violência e se tornam refugiados. Foto: ACNUR / S. Rich

Líderes mundiais adotam em NY declaração para defesa dos direitos de migrantes e refugiados

Ao adotar a Declaração de Nova York, os Estados-membros se comprometem a iniciar negociações que levem a uma conferência internacional e à adoção de um pacto global para uma migração segura, ordenada e regular em 2018. O documento prevê ainda o estabelecimento de diretrizes sobre o tratamento de migrantes em situação de vulnerabilidade; assim como uma maior corresponsabilidade no recebimento e no apoio aos refugiados do mundo, adotando um pacto global para refugiados em 2018.

Em Atenas, Grécia, uma mulher carrega uma caixa, enquanto refugiados e migrantes fazem fila perto de contentores no campo de refugiados Skaramagas. Foto: UNICEF / Gripiotis

Quase 300 mil migrantes chegaram à Europa pelo mar nos últimos 8 meses, diz OIM

Do total de 294 mil migrantes e refugiados, quase 127 mil chegaram via Itália e 165 mil por meio da Grécia. De acordo com os dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), agência parceria da ONU, a Itália experimentou um ligeiro aumento entre janeiro e setembro de 2015.

O número de pessoas que chegaram à Grécia, por sua vez, sofreu uma queda de quase 50% em relação ao mesmo período do ano passado, passando de quase 382 mil para 165 mil.

A libanesa Sally não entendia por que sua filha estava abaixo do peso. Mas depois que a assistência nutricional foi integrada aos centros de saúde primários no Líbano, a pequena foi tratada com sucesso. Foto: ACNUR / Dalia Atallah

Crise de refugiados sírios levou comunidade internacional a ampliar redes de saúde do Líbano

Atualmente, existem 230 centros de saúde em todo o Líbano, 180 a mais do que antes da guerra na Síria. Fluxo de refugiados que fugiu do país em guerra para o vizinho fez com que organizações humanitárias e doadores internacionais disponibilizassem mais recursos, utilizados para expandir o acesso a serviços de saúde mental, o atendimento a vítimas de violência sexual, a prevenção ao HIV e o combate à desnutrição.