Países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) se comprometeram a combater o tráfico de pessoas. Foto: EBC

ONU disponibiliza dados sobre tráfico de pessoas em plataforma colaborativa gratuita

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), uma agência das Nações Unidas, mantém uma plataforma colaborativa e gratuita com informações sobre tráfico humano. A página já recebeu mais de 80 mil contribuições. A instituição convida instituições não governamentais e governos a colaborar com o portal, disponibilizando informações úteis para profissionais, pesquisadores e gestores políticos.

Migrantes a bordo de trem que liga o México aos Estados Unidos (arquivo). Foto: OIM/Keith Dannemiller

Número de migrantes mortos na fronteira entre México e EUA permanece alto, diz ONU

O número de migrantes que morreram ao tentar atravessar a fronteira entre México e Estados Unidos em 2017 permaneceu alto apesar da forte queda do número de prisões, disse a agência de migrações das Nações Unidas na terça-feira (6).

Em comunicado, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) afirmou que os números da Patrulha de Fronteiras norte-americana indicam que 341.084 migrantes foram presos na fronteira sul do país em 2017, contra 611.689 em 2016 — uma queda de cerca de 44%. No entanto, o ano de 2017 registrou 412 mortes, comparadas a 398 em 2016.

“O aumento das mortes é especialmente preocupante, já que os dados disponíveis indicam que bem menos migrantes entraram nos EUA via fronteira com o México no ano passado”, disse Frank Laczko, diretor do centro global de análises de dados sobre migração da OIM.

Em todo o mundo, mais de 1 bilhão de pessoas deixam seus lares. Grande parte deste contingente são mulheres acompanhadas de filhos e filhas. Em viagens dentro do mesmo país ou em na busca por oportunidades em outras nações, são mulheres que, acima de tudo, buscam por humanidade. Elas somos nós.

ONU lança vídeo sobre maternidade e migração em campanha contra xenofobia em Roraima

As Nações Unidas lançaram nesta quinta-feira (1º) o terceiro vídeo da campanha contra a xenofobia implementada pela ONU em Roraima. A produção audiovisual aborda os desafios da maternidade em situações de migração e refúgio.

De acordo com uma pesquisa da Universidade Federal do estado (UFRR) e da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), 42% das venezuelanas que migraram para o Brasil vieram sozinhas com seus filhos e são responsáveis financeiras pelo lar.

Crianças da Mongólia, no condado de Dadal, zona rural. Foto: Banco Mundial/Khasar Sandag

Agências da ONU defendem investimento no meio rural para lidar com migrações

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciaram nesta semana (24) uma nova parceria para auxiliar países na criação de políticas que combinem gestão migratória e desenvolvimento agrícola. Para agências da ONU, países devem compreender as causas dos deslocamentos humanos, preservar direitos de migrantes e explorar seu potencial.

A maioria das famílias que fogem para Kananga, na província do sudoeste de Kasai-Central, na República Democrática do Congo, sofre com uma árdua caminhada de uma semana. Eles embalam seus pertences e colocam as crianças em bicicletas em busca de segurança. Foto: OCHA/Otto Bakano

Em meio a ‘deterioração dramática’ na RD Congo, ONU e parceiros lançam pedido de ajuda humanitária

Alertando sobre uma “dramática deterioração” na crise humanitária da República Democrática do Congo (RDC) nos últimos 12 meses, agências das Nações Unidas e parceiros humanitários lançaram o maior pedido de financiamento já feito em toda a história para o vasto país da África Central.

De acordo com o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA), o apelo de 2018 – US$ 1,68 bilhão – visa alcançar 10,5 milhões de pessoas vulneráveis em todo o país, onde mais de 13 milhões precisam de assistência.

Migrantes e refugiados cruzam Mediterrâneo para chegar à Europa. Foto: Marinha Italiana/M. Sestini

ONU pede compromisso com produção de estatísticas de qualidade sobre migrações

Em pronunciamento na segunda-feira (15), o chefe da Organização Internacional para as Migrações (OIM), William Lacy Swing, defendeu um plano global para a produção de dados sobre deslocamentos humanos. Dirigente explicou que estatísticas precisas e completas são fundamentais para o desenvolvimento de políticas adequadas, além de informar os debates sobre migração por fatos concretos, e não por medos e estereótipos.

Países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) se comprometeram a combater o tráfico de pessoas. Foto: EBC

Facebook tem ‘responsabilidade cívica’ em divulgar perigos do tráfico de pessoas, diz ONU

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) quer a ajuda das redes sociais para combater o tráfico de seres humanos. Um crime que, segundo a agência, está ocorrendo também através dessas plataformas. Em entrevista ao serviço de notícias das Nações Unidas, a ONU News, o diretor de Mídia e Comunicação da OIM, Leonard Doyle, alertou que muitas vítimas são abordadas em sites como o Facebook.

Arriscando suas vidas para chegar à Europa, migrantes são resgatados no Mar Mediterrâneo pela Marinha italiana. Foto: ACNUR/A. D’Amato

Travessia do Mediterrâneo é a mais mortal para migrantes, diz relatório da ONU

Atravessar o Mar Mediterrâneo com destino à Europa é a jornada mais perigosa para migrantes, com ao menos 33.761 mortes ou desaparecimentos registrados entre 2000 e 2017, segundo relatório das Nações Unidas divulgado no fim de novembro (24).

O documento, lançado pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), afirma que o maior número de mortes foi registrado em 2016 (5.096), quando a rota menor e relativamente menos perigosa da Turquia para a Grécia foi fechada, após um acordo entre União Europeia e o país euro-asiático.

Barco transporta migrantes e refugiados no Mediterrâneo. Foto: ACNUR/L.Boldrini

Diretor-geral da OIM pede migração segura em um mundo em constante movimento

O diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), William Lacy Swing, fez um chamado urgente a favor de uma “migração segura em um mundo em constante movimento”, no Dia Internacional dos Migrantes, celebrado nesta segunda-feira (18).

Para ele, “enquanto vivemos em uma época na qual uma elite privilegiada considera a mobilidade mundial um direito virtualmente inato, tal direito é negado a muitos outros que estão presos em uma péssima situação econômica ou de conflito, sem solução alguma à vista”.