A ONU Brasil realiza até setembro exposição no Rio com obras do artista paulistano Otávio Roth, que em 1978 criou e imprimiu xilogravuras que ilustram os trinta artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Foto: UNIC Rio/Pedro Andrade

Exposição no Rio reafirma importância da Declaração dos Direitos Humanos 70 anos após adoção

Ao completar 70 anos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos permanece necessária e atual em um mundo marcado por crescentes conflitos, desigualdades sociais, racismo, deslocamento forçado e violência, especialmente contra ativistas.

A avaliação é de diplomatas, representantes do Sistema ONU e de organizações da sociedade civil presentes na abertura da exposição de xilogravuras do artista plástico brasileiro Otávio Roth, na quarta-feira (8), no Rio de Janeiro. A exposição fica no Centro Cultural Correios até 9 de setembro.

Manifestante diante da Guarda Nacional da Venezuela, em protesto em maio de 2017. Foto: Wikimedia Commons/Efecto Eco

Equador declara emergência com a chegada de 30 mil venezuelanos em agosto

O governo do Equador declarou estado de emergência nesta semana (8) devido ao deslocamento contínuo de venezuelanos para o país. Decisão contempla as províncias de Carchi, Pichincha e El Oro. Apenas na primeira semana de agosto, cerca de 30 mil venezuelanos chegaram ao território — mais de 4 mil por dia. Desde o começo do ano, 547 mil venezuelanos entraram na nação equatoriana pela fronteira com a Colômbia.

Famílias venezuelanas deixam país de origem em busca de melhores oportunidades de vida. Foto: ACNUR

ONU elogia decreto da Colômbia para regularizar situação de 442 mil venezuelanos

Na Colômbia, a ONU elogiou a promulgação do decreto presidencial 1.288, que autoriza a distribuição de permissões especiais de permanência para os 442.462 venezuelanos em situação migratória irregular. O documento dá aos estrangeiros a oportunidade de permanecer legalmente, por dois anos, em território colombiano. Com o registro, migrantes e refugiados também terão acesso aos serviços nacionais básicos de educação e saúde, além de poderem trabalhar.

Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos / Acervo Otávio Roth

ONU inaugura no Rio exposição inédita com obras da Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, com apoio do Acervo Otávio Roth e o Centro Cultural Correios, inaugura nesta quarta-feira (8) a exposição 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com obras de Otávio Roth.

Realizada pela primeira vez no Rio de Janeiro, a mostra apresenta 30 xilogravuras que traduzem os ideais de paz e igualdade defendidos nos artigos do documento. A entrada é franca.

A exposição fica em cartaz até 9 de setembro, das 12h às 19h.

Tráfico de pessoas é o terceiro crime mais lucrativo do mundo, depois do tráfico de drogas e de armas. Foto: ONU

No DF, ONU e governo promovem semana de conscientização sobre tráfico humano

Em parceria com o governo do Distrito Federal e a Secretaria Nacional de Justiça, o Escritório da ONU sobre Drogas e Crimes (UNODC) promove nesta semana, em Brasília, a quinta Semana de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Até o próximo sábado (4), instituições realizam atividades de conscientização em todo o DF para alertar a população sobre esse tipo de crime, formas de abordagem dos aliciadores e meios de denunciar atividades ilícitas.

O venezuelano Yofre, de 35 anos, participa de um encontro promovido pelo ACNUR no CTA São Mateus para mapear as oportunidades de empregabilidade dessa população. Foto: ACNUR/MiguelPachioni

Venezuelanos acolhidos em SP encontram oportunidades de emprego

O sonho de obter uma vaga no mercado de trabalho aconteceu em tempo recorde para 81 do total de 287 venezuelanos que viajaram de Boa Vista a São Paulo por meio do processo de interiorização do governo federal, iniciado em abril deste ano.

A conquista de um trabalho é resultado do esforço pessoal dos próprios venezuelanos, de serviços oferecidos pelo poder público e pela sociedade civil, assim como da sensibilização do setor privado, como parte das iniciativas de integração do crescente número de pessoas venezuelanas que chegam ao Brasil. O relato é da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Fred, venezuelano da etnia Warao, apresenta projeto de ensino desenvolvido em parceria da Secretaria Municipal de Educação de Belém com os indígenas. Foto: Evento reuniu imprensa, sociedade civil e poder público para debater acolhimento de venezuelanos no Pará. Foto: ESPMU/Amanda Aguiar

Agências da ONU debatem acolhimento de venezuelanos indígenas no Pará

A Rede de Capacitação a Refugiados e Migrantes, formada por ONGs e agências da ONU, promoveu na semana passada, em Belém, uma série de debates e oficinas sobre deslocamento forçado. Atividades mobilizaram funcionários públicos, jornalistas e instituições da sociedade civil para discutir os desafios de receber venezuelanos indígenas da etnia Warao, recém-chegados ao Pará. Autoridades locais estimam que 236 indígenas da Venezuela vivem na capital paraense.

Em abril, venezuelanos desembarcaram em São Paulo no primeiro processo de interiorização apoiado por agências da ONU - Foto: Reynesson Damasceno/ACNUR

Venezuelanos serão transferidos de Boa Vista para quatro capitais nesta terça-feira (24)

Em nova etapa do processo de interiorização, venezuelanos serão transferidos nesta terça-feira (24) de Boa Vista (RR) para outras quatro capitais. Foram abertas 131 vagas em abrigos de Cuiabá (24), Brasília (50), São Paulo (21) e Rio de Janeiro (36).

A interiorização é uma iniciativa criada para ajudar venezuelanos em situação de extrema vulnerabilidade a encontrar melhores condições de vida em outros estados brasileiros.

O processo tem o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Família aguarda distribuição de suprimentos do UNICEF na cidade de Hodeida, no Iêmen. Foto: UNICEF

ONU alerta para condições ‘críticas’ em cidade portuária do Iêmen

Funcionários da Organização Internacional para as Migrações (OIM) no Iêmen disseram nesta sexta-feira (20) que a cidade portuária de Hodeida continua “um ambiente difícil” para a entrega de ajuda humanitária a milhares de pessoas deslocadas por intensos confrontos nesta semana.

Hodeida — a principal porta de entrada de alimentos e ajuda humanitária para uma população à beira da inanição — tem sido palco de confrontos entre os rebeldes Houthi, que controlam o porto, e as forças governamentais apoiadas por uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita.

Embarcação da organização Sea Watch resgata migrantes e refugiados no Mar Mediterrâneo. Imagem de 2016. Foto: ACNUR//Hereward Holland

Espanha supera Itália e Grécia e se torna principal entrada de migrantes pelo Mediterrâneo

Quase 51 mil migrantes e refugiados entraram na Europa pelo mar até 15 de julho, uma forte queda frente os quase 110 mil do mesmo período do ano passado, informou na segunda-feira (16) a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Na mesma etapa de 2016, esse número estava em quase 242 mil.

A Espanha tornou-se o principal ponto de entrada para migrantes que atravessam o Mediterrâneo, ultrapassando Itália e Grécia.

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Com apoio da ONU Brasil, centro governamental em Pacaraima recebe venezuelanos

Um centro de recepção e documentação inaugurado pelo governo federal com apoio do Sistema ONU Brasil na cidade de Pacaraima está há um mês identificando e emitindo documentos para pessoas vindas da Venezuela. Localizado a poucos metros da fronteira, o local começou a operar no dia 18 de junho. O centro também oferece informações, serviços sociais e de saúde para aqueles que escolheram permanecer no Brasil.

Louise Arbour (esquerda), representante especial do secretário-geral da ONU para a migração internacional; a vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed (centro), e o presidente da 72ª sessão da Assembleia Geral da ONU, Miroslav Lajčák, (direita), participam de evento especial para aprovação do texto do pacto global para a migração. Foto: ONU/Mark Garten

Estados-membros da ONU aprovam primeiro pacto global sobre migração

Pela primeira vez, os Estados-membros das Nações Unidas concordaram com um Pacto Global abrangente para gerenciar melhor a migração internacional, enfrentar seus desafios, fortalecer os direitos dos migrantes e contribuir para o desenvolvimento sustentável.

Depois de mais de um ano de discussões e consultas entre Estados-membros, autoridades locais, sociedade civil e migrantes, o texto do Pacto Global por uma Migração Ordenada, Regular e Segura foi finalizado nesta sexta-feira (13).

A venezuelana Yelitza Paredes chegou há quase seis meses no Brasil. Foto: UNIC Rio/Luise Martins

Venezuelanos deixam histórias de fome e pobreza para recomeçar a vida no Rio

“Todos viemos com uma mala cheia de roupa. Mas trazemos uma outra mala ou mochila, cheia de sonhos e esperança”. No Brasil há quase seis meses, a venezuelana Yelitza Paredes tira o otimismo e o sorriso no rosto da vontade de buscar um futuro melhor para a família. Mãe de cinco filhos, a professora de Biologia chegou ao Rio de Janeiro na terça-feira (3), com outros 49 venezuelanos vindos de Roraima.

A viagem foi a quarta etapa do processo de interiorização de venezuelanos, uma estratégia do governo federal para realocar do Norte do Brasil estrangeiros em situação de vulnerabilidade. O Sistema das Nações Unidas apoia as autoridades no encaminhamento de venezuelanos para outras partes do país.

Menina segura brinquedo ao buscar abrigo com outros refugiados afegãos em centro de recepção de Tabanovce, na Macedônia, após terem entrada negada na Sérvia. Foto: UNICEF/Tomislav Georgiev

Agências da ONU elogiam acordo da União Europeia sobre migração

As agências humanitárias da ONU elogiaram na sexta-feira (29) um acordo recém-assinado por líderes da União Europeia, que pede maior responsabilidade dos Estados-membros na proteção de migrantes e refugiados, em meio a um endurecimento das políticas de algumas nações europeias desde 2015.

Em uma declaração conjunta, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) disseram que, embora os detalhes mais precisos do acordo ainda devam ser examinados, elas “estão prontas para apoiar uma abordagem comum”.

Interiorização de venezuelanos no Brasil. Foto: Casa Civil/governo federal

Em busca de oportunidades, venezuelanos são transferidos para PB, PE e RJ

O governo federal, com apoio do Sistema ONU no Brasil, realiza nesta terça-feira (3) nova etapa do processo de interiorização de venezuelanos. Está previsto o embarque de 164 solicitantes de refúgio e migrantes em Boa Vista (RR), que serão transferidos para as cidades de Igarassu (PE), Conde (PB) e Rio de Janeiro (RJ).

A interiorização é uma iniciativa criada para ajudar venezuelanos em situação de extrema vulnerabilidade a encontrar melhores condições de vida em outros Estados brasileiros.

Venezuelanos chegam ao Brasil pela cidade de Pacaraima, em Roraima. Foto: EBC

OIM e parceiro recebem até 11/7 inscrições para curso virtual para jornalistas sobre migração e direitos humanos

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos do Mercosul recebem até 11 de julho inscrições para curso virtual para jornalistas sobre migração com enfoque em direitos humanos.

As atividades terão duração de cinco semanas — de 31 de julho a 3 de setembro. O público-alvo é formado por jornalistas credenciados que trabalhem para veículos de rádio, imprensa escrita e digital ou TV, e que tenham nacionalidade e/ou residência permanente em Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

António Vitorino é o novo diretor-geral da OIM. Foto: OIM

Ex-ministro português é eleito chefe da agência da ONU para migrações

O advogado e ex-ministro da Defesa de Portugal, António Vitorino, foi eleito nesta sexta-feira (29) para o cargo de diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM). Em coletiva de imprensa, o novo chefe da agência da ONU afirmou que o mundo vive um momento “particularmente crítico” para discutir políticas migratórias. Dirigente afirmou que trabalhará para garantir os direitos fundamentais de quem atravessa fronteiras.

Visita do presidente Michel Temer ao abrigo Nova Canaã em Boa Vista (RR). À extrema esquerda da foto, o coordenador-residente da ONU Brasil, Niky Fabiancic, e à sua direita, a representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marquez. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

ONU participa de visita do presidente brasileiro a venezuelanos em Roraima

O coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic, acompanhou a visita do presidente Michel Temer ao abrigo Nova Canaã, em Boa Vista, que acolhe 403 venezuelanos. Na visita, realizada no dia 21, foi sancionada a lei que dispõe sobre medidas de assistência emergencial aos imigrantes em situação de vulnerabilidade.

Atualmente, nove abrigos em Roraima acolhem cerca de 4 mil venezuelanos, oferecendo atendimento médico e cerca de 7,6 mil refeições diárias. Agências das Nações Unidas apoiam governo, sociedade civil e setor privado para garantir a integração dos venezuelanos no novo país.

Com a ajuda de sua mãe, a pequena Dorca, aluna Warao, prepara-se para ir ao Centro Municipal de Educação Infantil, em Manaus. Foto: ACNUR/João Paulo Machado

OIM apresenta estudo sobre políticas públicas para migrantes indígenas em Manaus

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) lançou na quinta-feira (21) estudo com diagnóstico da migração de indígenas da Venezuela para a cidade de Manaus, no Amazonas, avaliando alcances e limites das políticas públicas existentes e explorando possíveis alternativas de médio e longo prazo para seu aprimoramento.

A pesquisa, financiada pela OIM, foi realizada pelo Grupo de Estudos Migratórios da Amazônia, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), sob a liderança do antropólogo Sidney Antônio da Silva, e contou com o apoio do Observatório das Migrações Internacionais (Obmigra), que é uma parceria entre o Ministério do Trabalho e a Universidade de Brasília.

O retorno voluntário assistido e a reintegração é um componente indispensável da abordagem integrada à gestão da migração. O objetivo é promover o retorno e a reintegração de migrantes que não podem ou não querem permanecer em seus países de acolhimento – de modo ordenado e humano – e desejam regressar voluntariamente aos seus países de origem. A implementação bem-sucedida desses programas requer a cooperação e a participação de uma ampla gama de interlocutores – incluindo migrantes, sociedade civil e governos, tanto nos países anfitriões quanto nos países de origem. As parcerias entre a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e várias partes interessadas nacionais e internacionais são essenciais para a implementação efetiva desses programas, desde a fase de pré-retorno até a etapa de reintegração.

Agência da ONU promove retorno voluntário e reintegração de migrantes; vídeo

O retorno voluntário assistido e a reintegração é um componente indispensável da abordagem integrada à gestão da migração. O objetivo é promover o retorno e a reintegração de migrantes que não podem ou não querem permanecer em seus países de acolhimento – de modo ordenado e humano – e desejam regressar voluntariamente aos seus países de origem.

A implementação bem-sucedida desses programas requer a cooperação e a participação de uma ampla gama de interlocutores – incluindo migrantes, sociedade civil e governos, tanto nos países anfitriões quanto nos países de origem.

As parcerias entre a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e várias partes interessadas nacionais e internacionais são essenciais para a implementação efetiva desses programas, desde a fase de pré-retorno até a etapa de reintegração. Confira nesse vídeo.

Resgate de migrantes náufragos provenientes da Nigéria, Paquistão, Síria, Sudão, Etiópia e Malásia na costa da Itália. Foto: ACNUR/D’Amato

UNODC: contrabando de migrantes afetou 2,5 milhões de pessoas no mundo em 2016

Ao menos 2,5 milhões de migrantes foram alvo de contrabando em 2016, de acordo com o primeiro estudo global sobre o tema, lançado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) nesta quarta-feira (13).

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), há milhares de mortes provocadas por atividades de contrabando de migrantes a cada ano. Muitos morrem afogados, enquanto outros morrem devido a acidentes ou condições extremas. Segundo os registros, o Mediterrâneo parece ser a rota mais mortal, com cerca de 50% do total de mortes.

Migrantes e refugiados resgatados no Mediterrâneo, perto da costa da Sicília, na Itália. Foto: OIM/Francesco Malavolta

ONU elogia decisão da Espanha de acolher embarcação com mais de 600 migrantes

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) elogiou nesta terça-feira (12) a decisão da Espanha de oferecer porto seguro a mais de 600 migrantes — incluindo crianças e mulheres grávidas — que estavam aguardando resgate a bordo de uma embarcação desde domingo (10). A decisão ocorreu depois de a Itália ter recusado a entrada do barco no país.

“Estou contente com o fato de a Espanha ter se apresentado para desarmar esta crise, mas temo uma grande tragédia se os Estados começarem a recusar migrantes resgatados”, disse o diretor-geral da OIM, William Lacy Swing.

Passaportes de diferentes países. Foto: Flickr (CC)/Baigal Byamba

Agências da ONU divulgam estratégia de identificação de passageiros para voos internacionais

No Brasil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) promoveram nesta semana dois eventos para divulgar boas práticas de controle de fronteiras e identificação de viajantes. Em atividades no Itamaraty, em Brasília, agências da ONU abordaram estratégias para garantir que todos os países das Américas tenham capacidade de saber quem chega aos seus territórios.

Por meio de jogos e exercícios, os indígenas Waraos e Eñepas aprenderam como usar o equipamento de vídeo e escolheram temas e histórias que gostariam de registrar em seus filmes. Foto: OIM

OIM promove festival em Roraima para apresentar vídeos feitos por indígenas venezuelanos

Mais de 300 indígenas venezuelanos dos grupos étnicos Warao e Eñepas, autoridades locais e representantes de organizações não governamentais reuniram-se no fim de maio (31) no abrigo de Pintolândia em Boa Vista, Roraima, para uma edição especial do Festival Global de Cinema sobre Migração.

O evento foi realizado pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), parceiros locais e autoridades para apresentar dois vídeos feitos por 20 migrantes indígenas após curso de quatro dias promovido pela OIM e pelo festival.

Representantes dos Ministérios do Trabalho, Justiça, Relações Exteriores, Polícia Federal, Comitê Nacional para os Refugiados e Defensoria Pública da União discutem os desafios de implementação da nova lei de migração. Foto: ASCOM/DPU

Agência da ONU e governo capacitam defensores públicos do Brasil em direito migratório

Em Brasília, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Defensoria Pública da União (DPU) realizaram nesta semana um treinamento para 30 defensores de dez estados distintos. Formação, que começou na quarta-feira (6) e se encerra nesta sexta (8), discutiu os desafios do Brasil na implementação da sua nova Lei de Migração.

Aulas e debates também abordaram fluxos de deslocamento na América do Sul e os direitos de migrantes vulneráveis, como pessoas LGBTI, indígenas e sem moradia.

Vítimas de tráfico humano. Foto: ONU/Martine Perret

No Brasil, especialistas veem fragilização de serviços para mulheres vítimas de tráfico de pessoas

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) participou no início do mês de encontro para debater a assistência dada pelo Brasil a vítimas de tráfico internacional. Evento em Brasília reuniu representantes do Judiciário e do Executivo para discutir marcos sul-americanos que podem melhorar políticas públicas do país. Especialistas alertaram para momento de fragilização das instituições que prestam serviços para quem sofreu esse tipo de violação.

Venezuelanos desembarcam em Cuiabá - Foto: Silvia Sander/ACNUR

ONU Brasil apoia nova interiorização de cidadãos venezuelanos para Cuiabá

O governo federal levou mais 29 venezuelanas e venezuelanos de Boa Vista (RR) para Cuiabá (MT). O processo de interiorização de solicitantes de refúgio e migrantes vindos da Venezuela é uma das linhas de ações da Força Tarefa Humanitária em Roraima, apoiada pelo Sistema ONU no Brasil.

Com o voo desta terça-feira (15), já são 527 pessoas que foram levadas para as cidades de São Paulo, Manaus e Cuiabá.

O processo conta com o apoio técnico da Agência da ONU para Refugiados, da Organização Internacional para as Migrações e do Fundo de População das Nações Unidas.

Venezuelanos em atividade de registro administrativo promovido pelo governo da Colômbia e agências da ONU. Foto: ACNUR/Johanna Reina

Parceria entre Colômbia e ONU já incluiu quase 204 mil migrantes venezuelanos em cadastro nacional

Com pouco mais de um mês, programa de cadastramento mapeou tendências entre a população vinda da Venezuela. Dos migrantes já registrados, 23% são crianças e apenas 49% dos meninos e meninas em idade escolar estão estudando. A quase totalidade (98%) dos venezuelanos registrados não é afiliada ao sistema de saúde.

Cerca de nove em cada dez expressaram sua intenção de permanecer na Colômbia. Iniciativa tem apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

OIM ajuda grupo de etíopes a retornar para casa. Migrantes decidiram deixar o Iêmen após chegar ao país. Foto: OIM

Migrantes no Iêmen vivem situação ‘terrível e desumana’, diz agência da ONU

Após visita ao Iêmen, o diretor de Operações e Emergências da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Mohammed Abdiker, alertou nesta semana (8) que estrangeiros que chegam ao país vivem uma “situação desumana e terrível”. Em 2017, quase 100 mil indivíduos chegaram ao território iemenita, palco da “pior crise humanitária do mundo”, lembrou o especialista da agência da ONU.

Jogador português Cristiano Ronaldo. Foto: Flickr (CC)/RCuerda29

ARTIGO: Quando pensamos em migrantes, por que não incluir Einstein e Cristiano Ronaldo?

Em artigo publicado na imprensa britânica, o pesquisador da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Jasper Dag Tjaden, lembra que estrelas do futebol, gênios da ciência e astros de Hollywood estão entre os 258 milhões de migrantes espalhados pelo mundo. Mas personalidades famosas não são vistas da mesma maneira que outros indivíduos e trabalhadores que cruzam fronteiras, o que mostra como as percepções sobre os fenômenos migratórios estão distorcidas.

Equipes do ACNUR identificam pessoas interessadas, enquanto OIM e UNFPA prestam informações prévias ao embarque, garantindo que as pessoas tomem decisões conscientes sobre a mudança para outras partes do país. Foto: ACNUR/João Paulo Machado

Venezuelanos chegam a Manaus e São Paulo com apoio da ONU

Com o apoio do Sistema ONU no Brasil, o governo federal concluiu nesta sexta-feira (4) uma nova etapa da estratégia de interiorização de solicitantes de refúgio e migrantes venezuelanos que estão em Roraima. No início da manhã, um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) decolou de Boa Vista levando 233 homens, mulheres e crianças para as cidades de Manaus (AM) e São Paulo (SP).

Ao chegar às novas cidades de residência, todos foram acomodados em abrigos administrados por instituições da sociedade civil e, no caso de São Paulo, também pelo poder público municipal, onde foram registrados e alocados em dormitórios. A estratégia, que tem caráter voluntário, busca criar melhores condições de integração para os venezuelanos que estão vivendo no Brasil.

Em abril, venezuelanos desembarcaram em São Paulo no primeiro processo de interiorização apoiado por agências da ONU - Foto: Reynesson Damasceno/ACNUR

Com apoio do Sistema ONU no Brasil, segunda fase de interiorização leva venezuelanos para Manaus e São Paulo

O governo federal, com apoio do Sistema ONU no Brasil, realiza nesta sexta-feira (4) o segundo deslocamento de venezuelanos de Roraima para outros estados. As cidades de destino desta nova fase do processo de interiorização são Manaus (AM) e São Paulo (SP).

A iniciativa busca ajudar venezuelanos a procurar novas oportunidades em outras localidades do Brasil.

O trabalho tem apoio de três agências da ONU: a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Mulheres e crianças aguardam ajuda em Cox's Bazar, Bangladesh, onde vivem 1 milhão de refugiados rohingya. Foto: OIM/Olivia Headon

Relatora da ONU alerta para escalada de violência em Mianmar

Alertando para uma forte escalada das hostilidades na província de Kachin, em Mianmar, uma especialista em direitos humanos da ONU pediu na terça-feira (1) que todas as partes garantam maior proteção aos civis.

Segundo a imprensa internacional, o conflito em Kachin envolve insurgentes que fazem parte da minoria que batiza o estado. Há anos o país enfrenta confrontos entre o governo central, dominado pela maioria budista, e diferentes grupos étnicos e religiosos.

Nesta semana, o Conselho de Segurança da ONU concluiu missão em Bangladesh e Mianmar, verificando de perto o sofrimento de centenas de milhares de refugiados rohingya que atravessaram a fronteira entre os dois países para escapar da violência.

Venezuelanos caminham pela estrada de Pacaraima até Boa Vista, capital de Roraima. Aqueles que não podem pagar o transporte público fazem a viagem de mais de 200 quilômetros a pé. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Mais da metade dos migrantes venezuelanos não quer ficar no Brasil, diz OIM

A maioria dos venezuelanos que cruzam a fronteira com o Brasil é homem e tem entre 25 e 49 anos. Mais da metade diz que espera seguir para o sul do continente, especialmente para Argentina e Chile. Cerca de dois terços citam razões econômicas ou laborais como principais razões para a viagem; cerca de um quinto afirma que sua motivação foi a falta de alimentos e de serviços médicos.

Essas são algumas das conclusões de estudo divulgado nesta sexta-feira (27) pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) com informações sobre o fluxo de venezuelanos a Roraima. A pesquisa mostrou também que 28% dos venezuelanos entrevistados sofreram violência verbal, física ou sexual no Brasil.

Profissionais da OIM estão divulgando informações para migrantes no Chile entenderem processo de regularização. Foto: OIM

Agência da ONU ajuda Chile a regularizar situação de 300 mil migrantes

O Chile deu início nesta semana (23) a um plano para regularizar a situação de migrantes vivendo em insegurança jurídica no país. Projeto tem o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM), que espera ajudar 300 mil estrangeiros a normalizar seu status. Em 2017, a nação sul-americana tinha quase 1 milhão de migrantes em seu território, número que equivale a 5,5% de toda a população.