Renata Fernandes é moradora da comunidade Jundiaí Figueiras, no município de Orobó (PE). Foto: ANATER

Projeto de fomento produtivo melhora renda de agricultores familiares do Semiárido

Plantar. Colher. Sobreviver. Lutar. Sonhar. Esses verbos sempre fizeram parte da vida de Renata Fernandes, moradora da comunidade Jundiaí Figueiras, no município de Orobó (PE).

Ela é uma das agricultoras familiares beneficiadas pelo Projeto Dom Helder Câmara, ação financiada pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas em apoio ao desenvolvimento rural sustentável na região do Semiárido.

A iniciativa conjunta estimula o desenvolvimento de regiões rurais em 58 municípios do estado. Foto: Governo do Piauí

Novo projeto de desenvolvimento agrícola no Piauí prevê investimentos de R$600 milhões

A primeira missão de supervisão do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), totalmente remota, realizada em parceria com o governo do Piauí, encerrou suas atividades na sexta-feira (12). A expectativa é de renovação da colaboração, com o anúncio de um projeto mais amplo, o Piauí Sustentável e Produtivo.

Além de dar continuidade ao Projeto Viva o Semiárido, com ações na área da agricultura familiar, o programa irá inserir eixos relacionados à infraestrutura hídrica e ações ambientais, com o investimento no valor de aproximadamente 600 milhões de reais.

Projeto Viva o Semiárido fortalece negócios de pequenos agricultores no Piauí. Foto: FIDA/Manoela Cavadas

Fundo agrícola da ONU avalia de forma remota impactos de projeto no Semiárido do Piauí

Uma missão remota será realizada até 12 de junho pelo Fundo Internacional do Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas para avaliar os impactos do Projeto Viva o Semiárido no Piauí.

O projeto atua em 89 municípios estado e beneficia 211 comunidades e cerca de 8  mil famílias com as mais variadas atividades de inclusão produtiva, como avicultura, apicultura, ovinocaprinocultura, cajucultura e piscicultura.

São projetos com assistência técnica, social e ambiental para as famílias, voltados para as mulheres, jovens e quilombolas.

Artesãos do Piauí produzem máscaras faciais para proteção contra o novo coronavírus. Foto: Luiz Carlos Vieira

Artisans supported by IFAD produce protective equipment to fight coronavirus in Piauí, Brazil

In Ipiranga, a rural city of 10,000 habitants in Piauí, an organization of artisans found themselves with less work because of the coronavirus pandemic. Aware of the lack of personal protective equipment (PPE) for health professionals in the region, the Association of Artisans in the City of Ipiranga-Piauí (ASSARIPI) changed their usual work programme to produce face masks and hair caps.

Lídia Ribeiro de Andrade, president of the Association, explained that the idea to help resulted from the high demand for protective equipment. “Initially, we made only a few pieces and donated them to needy, elderly people. After a few days, we were already producing protective equipment for the local health centre and, soon after, for the regional hospital in the neighboring city, Picos”, she said.

Artesãos do Piauí produzem máscaras faciais para proteção contra o novo coronavírus. Foto: Luiz Carlos Vieira

Artesãs apoiadas pelo FIDA produzem equipamentos de proteção para combater o coronavírus no Piauí

Em Ipiranga, uma cidade rural de 10 mil habitantes no Piauí, uma organização de artesãs teve redução na demanda de trabalho em função da pandemia de coronavírus. Sabendo da falta de equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde na região, a Associação de Artesãos do Município de Ipiranga-Piauí (ASSARIPI) interrompeu a produção normal e passou a fazer máscaras e toucas de cabelo.

Lídia Ribeiro de Andrade, presidente da Associação, explica que a ideia de ajudar surgiu a partir da alta demanda dos equipamentos de proteção. “Inicialmente, fizemos apenas algumas peças e as doamos para idosos carentes. Depois de alguns dias, já estávamos produzindo equipamentos de proteção para o centro de saúde local e, logo depois, para o hospital regional no município vizinho, Picos.”

Usina de energia eólica. Foto: Flickr (CC)/Alex Abian

CEPAL apresenta casos de investimentos transformadores para uma economia sustentável

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) das Nações Unidas vem desenvolvendo o Big Push para a Sustentabilidade, uma abordagem renovada para apoiar os países da região na construção de estilos de desenvolvimento mais sustentáveis, baseada na coordenação de políticas para promover investimentos transformadores.

Por meio de chamada aberta, a iniciativa recebeu 131 estudos de casos de investimentos para o desenvolvimento sustentável no país. Houve uma grande diversidade de setores, pluralidade de atores, heterogeneidade de regiões e variedade de iniciativas entre os estudos enviados.

Projeto apoia agricultores familiares durante pandemia da COVID-19 em Sergipe

Em Sergipe, agricultores familiares de 15 municípios com Índice de Desenvolvimento Humano muito baixo ​contam com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para superar as dificuldades econômicas geradas pela pandemia da COVID-19.

Durante as medidas de isolamento social, o projeto “Dom Távora” – financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) – está se adaptando para seguir fornecendo apoio consultivo e de capacitação a pequenos agricultores familiares que não podem interromper suas atividades, uma vez que são essenciais para garantir a segurança alimentar na região.

Agricultor da Aldeia Marcação Kiriri, comunidade alcançada pelo Projeto Pró-Semiárido, financiado pelo FIDA. Foto: Lianne Milton/Panos/FIDA.

FIDA investirá US$554 milhões na recuperação da agricultura familiar de América Latina e Caribe

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), agência das Nações Unidas para o desenvolvimento rural, destinará 554 milhões de dólares para apoiar a agricultura familiar na América Latina e no Caribe durante a crise de COVID-19 e contribuir para sua recuperação e modernização diante dos impactos da pandemia.

O objetivo fundamental das operações do FIDA, tanto em andamento quanto em fase de projeto, será permitir que agricultores e famílias rurais recuperem sua atividade econômica o mais rápido possível.

Foto: Carla Francescutti/FIDA

FIDA defende recuperação, reativação e resiliência para confrontar a COVID-19 na América Latina e no Caribe

Com metade da população global em quarentena, a economia mundial interrompida e o número de casos confirmados passando dos milhões, fica claro que a pandemia do Covid-19 se apresenta como a maior crise dos tempos atuais. A conclusão é do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Como em muitos outros lugares do mundo, as perspectivas América Latina e no Caribe causam preocupação ao órgão. Com 98.202 casos e 4.505 mortes confirmadas na região até o dia 20 de abril, o FMI prevê uma queda regional no PIB de 5,2%.

Essa recessão afetará desproporcionalmente os mais vulneráveis e os pobres, refletindo numa dramática reversão no cenário de conquistas na redução da pobreza. Para evitar o grande sofrimento na região, o FIDA defende que governos, sociedade civil e organizações internacionais unam-se para enfrentar a crise.

Os ministros destacaram a importância da disponibilidade de alimentos a preços convenientes em meio à pandemia de COVID-19. Foto: EBC

Países das Américas coordenaram ações para garantir alimentos na pandemia

Ministros de 34 países das Américas, entre eles do Brasil, destacaram a importância da disponibilidade de alimentos a preços convenientes. Também enfatizaram a necessidade de que produção, distribuição e venda sejam realizadas com o menor risco para a saúde de todos os que participam da cadeia alimentar.

A inédita Reunião Hemisférica de Ministros e Secretários de Agricultura foi organizada pelo Instituto Interamericano de Cooperação em Agricultura (IICA) e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), em resposta a uma solicitação do Ministério da Agricultura do Chile.

Organizações se unem para garantir sistemas alimentares durante pandemia da COVID-19

Onze organizações internacionais concordaram em unir esforços para ajudar os países da América Latina e do Caribe a proteger seus sistemas alimentares e a manter a agricultura e o comércio de alimentos durante a atual pandemia da COVID-19.

Entre as medidas estão: manter vivo o comércio agroalimentar e garantir a segurança alimentar dos mais vulneráveis; reduzir o impacto e monitorar os efeitos da COVID-19 na alimentação e na agricultura; trabalhar em conjunto através de uma plataforma virtual de comunicação e da ampliação de diálogo através de seminários online.

Na Bielorússia, turfas como estas estão sendo revitalizadas e ajudam a reduzir os efeitos de carbono, já que podem absorver e capturar o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera e reduzir sua concentraçnao no ar. Foto: PNUD/Bielorússia

Dia Mundial da Água: recursos hídricos são essenciais para a solução da mudança climática

No Dia Mundial da Água – 22 de março -, as Nações Unidas lançaram um relatório que aponta que tanto os impactos quanto as causas das mudanças climáticas vão exigir mudanças maiores na maneira como usamos e reaproveitamos os recursos limitados de água do planeta terra.

O novo relatório pede, entre outras coisas, esforços concretos para enfrentar o crescente stress hídrico e aumentar a eficiência no uso de água na agricultura e na indústria.

O documento pede ações em três áreas: primeiro, capacitando as pessoas a se adaptar aos impactos da mudança climática; segundo, aumentar a resiliência dos meios de subsistência; e terceiro, reduzindo o que provoca a mudança climática.

Narrado pela voz da ativista humanitária e poeta norte-americana Maya Angelou, o filme utiliza trechos do seu aclamado poema “Ainda assim me levanto” para ilustrar o cotidiano de várias mulheres produtoras de alimentos em todo o mundo.

VÍDEO: Empodere uma mulher. Alimente uma nação. É assim que nos levantamos

Narrado pela voz da ativista humanitária e poeta norte-americana Maya Angelou, o filme utiliza trechos do seu aclamado poema “Ainda assim me levanto” para ilustrar o cotidiano de várias mulheres produtoras de alimentos em todo o mundo.

Mulheres rurais estão encarando de frente os efeitos das mudanças climáticas, porém possuem acesso limitado aos recursos produtivos, serviços, educação e oportunidades de trabalho, ao mesmo tempo que exercem horas excessivas de trabalho e usufruem de pouco poder de decisão.

O vídeo faz parte faz parte da campanha global “Verdadeiras Inovadoras”, do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas (FIDA).

Produtor rural no semiárido. Foto: EBC

Projeto de desenvolvimento rural na Bahia lidera ranking de investimentos do FIDA

O Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia, o Pró-Semiárido, foi considerado o melhor do mundo pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

O fundo das Nações Unidas financia ações de apoio a populações rurais globalmente, entre elas, a iniciativa baiana. O projeto ocupa a primeira posição no ranking de 231 ações financiadas pelo FIDA em 98 países.

Prêmio do FIDA impulsiona projetos inovadores criados por jovens latino-americanos e caribenhos para o desenvolvimento rural. Foto: FIDA

Prêmio do FIDA impulsiona projetos de jovens latino-americanos para o desenvolvimento rural

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas realiza em 30 de janeiro em Bogotá, na Colômbia, evento de lançamento do Prêmio Juventude Rural Inovadora na América Latina e no Caribe.

Para se inscrever, os jovens devem ser nacionais e residentes dos países da América Latina e do Caribe e ter iniciativas já implementadas e validadas, com resultados concretos para a promoção do desenvolvimento rural em uma das oito categorias do concurso. As inscrições vão até 29 de fevereiro.

Ação do projeto do Pró-Semiárido na Bahia.

Caderneta agroecológica contabiliza trabalho de agricultoras na Bahia

O I Encontro das Guardiãs da Agrobiodiversidade do Semiárido Baiano foi realizado até quarta-feira (18) em Senhor do Bonfim (BA) reunindo mais de 300 agricultoras familiares para discutir temas como caderneta agroecológica (contabilização da produção das mulheres), feminismos, empoderamento e autonomia.

O encontro foi uma realização da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vincula à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio do Pró-Semiárido, projeto fruto do acordo de empréstimo feito entre o Governo do Estado da Bahia e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas.

A iniciativa conjunta estimula o desenvolvimento de regiões rurais em 58 municípios do estado. Foto: Governo do Piauí

Fundo da ONU visita Piauí para acompanhar projeto de apoio a pequenos agricultores

Representantes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas reuniram-se na segunda-feira (16) com oficiais do governo do Piauí para abordar a implementação do Projeto Viva o Semiárido, uma iniciativa que visa fortalecer o negócio de pequenos agricultores no estado.

O oficial de projetos do FIDA no Brasil, Hardi Vieira, ressaltou os avanços da iniciativa, que está implementando 211 ações de inclusão produtiva, com recursos aplicados em áreas como ovinocaprinocultura, avicultura, cajucultura, fruticultura, psicultura e mandiocultura.

“Vimos também a importância de investimentos mistos que incluem, por exemplo, reuso de água, quintais produtivos e pequenas criações na implementação e no envolvimento, principalmente de mulheres”, destacou o oficial.

Agricultor da Aldeia Marcação Kiriri, comunidade alcançada pelo Projeto Pró-Semiárido, financiado pelo FIDA. Foto: Lianne Milton/Panos/FIDA.

Fundo agrícola da ONU promove workshop sobre gestão financeira para equipes de projetos no Brasil

Desde a última quarta-feira (11), capital da Bahia sedia o Workshop de Gestão Financeira promovido pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) para equipes dos projetos desenvolvidos no Brasil em parceria com o Governo Federal, estados do nordeste e instituições e organizações parceiras.

Segundo o Oficial Sênior de Finanças do Escritório Regional do FIDA, Dario Rimedio, objetivo é aperfeiçoar a performance e práticas de gestão financeira dos projetos financiados pelo Fundo no país, a fim de garantir o alcance das metas e exponenciar o impacto das iniciativas.

Encontro acontece até sexta-feira (13) e discute temas como avaliação de risco; ações de planejamento; controles internos e auditorias externas. Abertura do workshop contou com a participação via videoconferência da diretora da divisão financeira do FIDA, Ruth Farrant, que se conectou da sede do Fundo, em Roma, Itália.

O Projeto Paulo Freire impulsiona, desde 2013, a produção sustentável e o aumento da renda em territórios do Ceará. Foto: FIDA | Irshad Khan.

Missão do FIDA realiza avaliação do Projeto Paulo Freire desenvolvido no Ceará

De 4 a 8 de novembro, uma Missão de Avaliação e Acompanhamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas (FIDA) se reuniu com técnicos e diretores da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) do Ceará para analisar os resultados obtidos com o Projeto Paulo Freire (PPF).

Executado pela SDA, o PPF é uma iniciativa que conta com recursos de investimento do FIDA a fim de diminuir a pobreza e alavancar o desenvolvimento sustentável nas localidades com os menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) da região.

O Projeto Paulo Freire impulsiona, desde 2013, a produção sustentável e o aumento da renda a partir de atividades agrícolas e não agrícolas desenvolvidas pelos grupos prioritários do projeto: jovens, mulheres e povos tradicionais.

Ação do projeto do Pró-Semiárido na Bahia.

FIDA realiza missão de avaliação do projeto Pró-Semiárido na Bahia

Representantes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) estiveram na Bahia, entre os dias 23 de outubro e 1º de novembro, em missão de supervisão do projeto Pró-Semiárido – iniciativa da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural.

Além de mapear o que está dando certo nas intervenções do projeto junto aos agricultores e agricultoras, a missão também avaliou o que precisa melhorar para qualificar ainda mais o trabalho que vem sendo realizado.

ONU lança concurso de fotografia sobre atuação do jovem no desenvolvimento rural

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) lançou na sexta-feira (25) o concurso de fotografia “Juventude e Desenvolvimento Rural”. Os vencedores terão viagem paga para participar da cerimônia do “Prêmio Juventude Rural Inovadora”, e terão suas fotos exibidas no evento.

O FIDA busca imagens que mostrem jovens engajados em áreas rurais da região, especialmente com foco em práticas e soluções inovadoras. Serão selecionadas fotografias com base em originalidade, criatividade e conexão com o tema. O prazo para inscrição é 16 de dezembro.

Iniciativa busca desenvolver capacidades de trabalhadores rurais para aumentar e qualificar sua produção (agrícola e não agrícola). Foto: Programa Semear

FIDA abre escritório em Brasília com revisão de estratégia para o país

O Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) abriu escritório em Brasília no dia 16 de outubro, lançando uma agenda de discussão sobre sua estratégia para o país com representantes do governo federal, sociedade civil e agências internacionais.

O objetivo é identificar correções necessárias para garantir que o programa nacional do Fundo apoie de maneira eficaz iniciativas públicas para reduzir a pobreza rural, considerando as prioridades do governo federal.

O escritório em Brasília também será responsável pelas operações da agência no Chile e funcionará como Centro de Conhecimento Sul-Sul e Triangular para América Latina e Caribe.

Obesidade no Brasil será discutida em conferência da FAO na Jamaica. Foto: Flickr/Tony Alter (CC)

FAO: temos que abordar a obesidade como uma questão pública, não individual

Comer melhor significa apoiar os pequenos agricultores, redistribuir renda, respeitar a natureza e nutrir o mundo com comida de verdade. A declaração foi feita pelo representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Rafael Zavala, durante o segundo dia das comemorações do Dia Mundial da Alimentação 2019, na terça-feira (17), em Brasília (DF).

“Os números globais de desnutrição crescem e mostram que uma alimentação nutritiva ainda está longe de se tornar um bem comum. Enquanto lutamos contra a fome, a obesidade aumenta de forma ainda mais rápida. Hoje, são 672 milhões de adultos obesos em todo o planeta”, disse o representante. “Temos que abordar a obesidade como uma questão pública, não como um problema individual”, declarou.

Bela Gil participa de Simpósio Internacional sobre o Futuro dos Alimentos, na sede da FAO, em Roma. Foto: FAO/Pier Paolo Cito

Bela Gil defende comida de verdade e proteção ambiental no Dia Mundial da Alimentação

Atualmente, as principais causas de mortes no mundo estão relacionadas às doenças crônicas não transmissíveis ocasionadas pela dieta de má qualidade, e que poderiam ser evitadas com uma alimentação saudável. O alerta foi feito pela chef de cozinha, nutricionista e apresentadora de TV Bela Gil, que participou em Brasília (DF) do início das comemorações do Dia Mundial da Alimentação.

Durante a palestra, que reuniu cerca de 200 pessoas, Bela Gil lembrou os problemas de saúde causados pela má alimentação e complementou: “precisamos mudar a maneira como nos alimentamos por uma questão de sobrevivência”. Ela afirmou que há atualmente uma epidemia de má nutrição, o que inclui a desnutrição e a obesidade.

Em dezembro de 2017, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou resolução criando a Década da ONU para a Agricultura Familiar (2019-2028). Foto: MDA

FIDA: investimento em agricultura familiar é maneira mais eficaz de reduzir pobreza rural

O Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas lança em Brasília (DF) na terça-feira (15) a publicação “Estudo comparativo dos efeitos diretos da agricultura e do agronegócio na redução da pobreza rural”.

O estudo destaca o potencial da agricultura familiar e suas vantagens comparativas no combate à pobreza rural, analisando a geração de renda de dois sistemas produtivos em cadeias como ovinos/caprinos, aves, produção de mandioca e apicultura.

A análise trabalha com dados do semiárido nordestino, considerado o maior bolsão de pobreza da América Latina.

Neste ano, o evento da ONU em celebração ao Dia Mundial da Alimentação traz como convidada a chef de cozinha e ativista da alimentação natural Bela Gil. Foto: Jill Wellington/CC.

Bela Gil participa de evento da ONU na semana do Dia Mundial da Alimentação

Para marcar o Dia Mundial da Alimentação (DMA), lembrado anualmente em 16 de outubro, agências das Nações Unidas que trabalham com o tema promovem em conjunto um evento aberto ao público na segunda-feira (14), no Museu Nacional da Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Neste ano, o evento traz como convidada a chef de cozinha e ativista da alimentação natural Bela Gil, que irá falar sobre a importância de dietas saudáveis e suas consequências para a sociedade e para o futuro do planeta. Após a palestra, o público é convidado a uma aula de yoga a céu aberto com a instrutora Andrea Hughes.

As atividades são gratuitas e, para participar, os interessados devem preencher previamente um formulário de inscrição.

Maria do Carmo Vieira Araujo, 50, Ednalva Maria de Jesus, 31, e Dilma Jesus Panteleon, 40, descascam raízes de mandioca na Cooperativa na Aldeia Marcação Kiriri, perto de Ribeira do Pombal, no Estado da Bahia (12 de abril de 2016). O projeto permitiu mulheres a trabalhar, socializar, processar e vender os seus produtos de modo a sustentar a sua comunidade. O Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia (Projeto Pró-semiárido), cofinanciado pelo FIDA, tem trabalhado com o povo Kiriri para permitir que eles utilizem seu conhecimento tradicional e tradições como fundamento para construir seu sustento. Foto: IFAD/Lianne Milton/Panos

Lideranças debatem na Bahia projetos da ONU para desenvolvimento rural

O acesso a água e a mercados, assim como os resultados dos projetos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) no Brasil e na América Latina, foram tema do primeiro dia do Encontro de Líderes Rurais e Gestores de Projetos FIDA no Mercosul Ampliado. O evento teve início na terça-feira (17), em Juazeiro, no Semiárido baiano, e reuniu 80 pessoas de sete países latino-americanos.

Na Bahia, o FIDA financia o Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). A iniciativa é parte de um conjunto de compromissos do estado para avançar na erradicação da pobreza, levando serviços e investimentos diretamente para a população.

Projeto Viva o Semiárido fortalece negócios de pequenos agricultores no Piauí. Foto: FIDA/Manoela Cavadas

Projeto no semiárido do Piauí eleva em 32% renda das famílias do sertão

Um estudo de resultados econômicos do Programa Viva o Semiárido comprovou que houve um aumento de renda de 32% entre as 100 mil pessoas participantes do projeto no Piauí. As informações foram divulgadas na semana passada, durante visita dos supervisores do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas ao estado, com o objetivo de verificar a aplicação dos recursos do fundo.

O oficial de programas do FIDA no Brasil, Hardi Vieira, contou que o programa, que será encerrado em junho de 2020, foi mais longe do que o programado. A meta era que chegasse a 22 mil famílias beneficiadas, mas hoje ultrapassa 23 mil, representando mais de 100 mil pessoas impactadas em 86 municípios do semiárido piauiense.

O algodão é produzido por cerca de 150 países e é um dos 20 produtos mais exportados do mundo. Foto: Secom-MT/Mayke Toscano

OIT e parceiros apresentam resultados de cooperação técnica no setor algodoeiro

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) participam até quinta-feira (29) do 12º Congresso Brasileiro do Algodão em Goiânia (GO), onde apresentam resultados da cooperação técnica do Brasil com outros países de África e América Latina nesse setor.

“O algodão é um dos principais produtos agrícolas do mundo, responsável pela geração de emprego e de renda, especialmente em países em desenvolvimento. O setor ocupa posição estratégica na política de desenvolvimento econômico e social nos programas nacionais de redução da pobreza de diversos países parceiros do Brasil na África e na América Latina”, disse o embaixador Ruy Carlos Pereira, diretor da ABC.

Os projetos de cooperação são desenvolvidos em parceria com 13 instituições públicas brasileiras, contam com o apoio do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA) e são executados com agências especializadas das Nações Unidas, como OIT, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e Centro de Excelência Contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos (PMA).

Mulheres fazem fila para pegar água no Sudão do Sul - Foto: UNICEF/Hatcher-Moore

ONU pede aumento do investimento em água e saneamento nos países mais pobres

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a ONU Água — um mecanismo interagencial que coordena ações do Sistema das Nações Unidas para alcançar metas relacionadas ao tema — alertaram nesta terça-feira (27) para a urgente necessidade de aumentar os investimentos com o objetivo de fortalecer sistemas de saneamento básico, com destaque para água potável e esgotamento sanitário.

O alerta foi feito no contexto da Semana Mundial da Água (25 a 30 de agosto), durante a qual o setor se reúne em Estocolmo, na Suécia, para sua conferência anual. Na ocasião, a OMS lançou em nome da ONU Água um novo relatório revelando que sistemas governamentais frágeis e falta de recursos financeiros e humanos estão comprometendo a prestação de serviços de água e saneamento nos países mais pobres do mundo – e minando os esforços para garantir saúde para todas as pessoas.

Em dezembro de 2017, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou resolução criando a Década da ONU para a Agricultura Familiar (2019-2028). Foto: MDA

FAO apoia plano de impulso à agricultura familiar na América Latina e Caribe

Declarada pela Assembleia Geral da ONU no fim de 2017, a Década da Agricultura Familiar foi lançada esta semana na América Latina e Caribe, em evento na República Dominicana com o objetivo de ajudar a região a implementar plano global de impulso ao setor.

O Plano Global de Ação da Década na América Latina e no Caribe abrange o período 2019-2028 e tem o apoio de Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA). A iniciativa serve como um guia geral, mas cada região deve adaptá-lo para criar soluções de acordo com desafios e potenciais de sua agricultura familiar.

De acordo com o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês), a agricultura é uma das principais fontes globais de emissões de gases de efeito estufa. Transformar este setor é essencial para enfrentar as mudanças climáticas, e a agricultura familiar pode desempenhar um papel central nesse processo.

Centro da ONU apoia Gâmbia a mobilizar recursos para agricultura familiar

O Centro de Excelência contra a Fome da ONU enviou nesta semana uma equipe para a Gâmbia, onde especialistas vão traçar um plano de mobilização de recursos para a agricultura familiar.

O objetivo da viagem é impulsionar a produção de pequenos agricultores, por meio de estratégias que conectem esses camponeses a mercados. O país africano produz apenas 50% da comida que consome, o que deixa seus cidadãos dependentes das importações.

Os atuais sistemas alimentares oferecem uma abundância de alimentos ultra-processados que são muito mais baratos e fáceis de consumir do que alimentos frescos e nutritivos, segundo a FAO. Foto: WikiCommons/lyzadanger/Diliff

ARTIGO: Já existem mais obesos que famintos

Em artigo publicado no jornal Valor Econômico, o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, comenta os resultados de novo relatório global da ONU sobre fome e outras formas de malnutrição no mundo.

Ele lembra haver fatores que explicam a relação direta entre insegurança alimentar e obesidade. “Por exemplo: quando as pessoas têm menos recursos para obter alimentos, elas optam pelos mais econômicos e acessíveis. Os atuais sistemas alimentares oferecem uma abundância de alimentos ultra-processados que são muito mais baratos e fáceis de consumir do que alimentos frescos e nutritivos”. Leia o artigo completo.

Pandemia levará mais de 34 milhões de pessoas à pobreza extrema em 2020. Foto: Jan Truter (CC, Flickr)

Fome aumenta no mundo e atinge 820 milhões de pessoas, diz relatório da ONU

Cerca de 820 milhões de pessoas em todo o mundo não tiveram acesso suficiente a alimentos em 2018, frente a 811 milhões no ano anterior, no terceiro ano consecutivo de aumento. O dado representa um imenso desafio para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 2, que prevê fome zero até 2030, advertiu nesta segunda-feira (15) a nova edição do relatório anual “O estado da segurança alimentar e da nutrição no mundo”.

“Nossas medidas para abordar essas tendências preocupantes terão que ser mais enérgicas, não apenas em escala, mas também em termos de colaboração multissetorial”, disseram oficiais de Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa Mundial de Alimentos (PMA) e Organização Mundial da Saúde (OMS) no documento.