VÍDEO: México um mês após os terremotos

Há um mês, no dia 19 de setembro de 2017, um terremoto de de magnitude 7.1 sacudiu o centro do México, 12 dias depois após outro movimento telúrico ter atingido o sudeste do país, especialmente as regiões de Oaxaca e Chiapas – e exatos 32 anos depois do terrível terremoto de 1985.

Os terremotos recentes deixaram um saldo de pelo menos 400 pessoas mortas, danos a mais de 150 mil habitações, 12 escolas e 1,5 mil monumentos históricos. Os tremores foram seguidos de um imenso impulso de solidariedade – por parte da população, da comunidade internacional e das Nações Unidas. Confira nesse vídeo do Centro de Informação da ONU na região.

Desemprego é mais alto entre mulheres do que entre os homens. Foto: Agência Brasil

Afetado pelo Brasil, desemprego urbano na América Latina e no Caribe deve subir para 9,4% em 2017

A taxa de desemprego urbano nos países da América Latina e do Caribe deve subir para 9,4% este ano, influenciada pelo fraco desempenho do mercado de trabalho brasileiro, segundo projeções da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com as agências das Nações Unidas, a fragilidade dos mercados de trabalho da região também se reflete na qualidade do emprego. Em seis de oito países com informação disponível, a criação de emprego por conta própria foi mais dinâmica que a criação de emprego assalariado durante o primeiro semestre de 2017.

Xangai, China. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

China e América Latina devem avançar juntos na revolução digital, diz CEPAL

É necessário trabalhar para que a América Latina e o Caribe avancem junto com a China rumo à revolução digital e à economia verde, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, em evento realizado esta semana no Chile.

Bárcena lembrou que a China se tornou o segundo parceiro comercial da América Latina e do Caribe, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, e é também um importante investidor estrangeiro na região.

O evento discute a divisão sexual do trabalho e como ela se traduz no dia a dia das famílias. Foto: EBC

Seminário em Brasília discute impactos da desigualdade de gênero no uso do tempo

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) promove na quarta-feira (18) em Brasília (DF) seminário com especialistas e estudiosos para discutir a influência da desigualdade de gênero no modo como as pessoas utilizam o tempo.

Com três mesas de discussões, o evento será realizado em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a ONU Mulheres.

“Os estudos de uso do tempo podem ajudar a compreender as relações entre a sobrecarga de trabalho feminina e a reprodução das desigualdades de gênero”, explica publicação do IPEA sobre o tema.

Projeção da CEPAL é de crescimento de 0,7% para o Brasil em 2017. Foto: UNCTAD.

Economia da América Latina e do Caribe deve crescer 1,2% em 2017, diz CEPAL

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) revisou para cima suas expectativas de crescimento regional este ano, e projeta expansão média de 1,2% para a economia dos países latino-americanos e caribenhos em 2017, levemente superior à previsão feita em julho.

O organismo das Nações Unidas espera que o Brasil cresça 0,7% este ano, com uma retomada mais significativa de 2% em 2018.

De acordo com a CEPAL, a capacidade dos países da região de gerar um crescimento econômico mais dinâmico e sustentado depende da adoção de políticas que apoiem o investimento, o que será fundamental para diminuir os efeitos de choques externos.

As micro e pequenas empresas (MPEs) são os principais geradores de emprego na América Latina. Foto: PNUD/Kenia Ribeiro

CEPAL defende políticas de fomento para micro, pequenas e médias empresas

As micro, pequenas e médias empresas geram mais de 60% dos postos de trabalho da América Latina e Caribe, mas respondem por apenas 28% do Produto Interno Bruto (PIB) e têm uma participação pequena (8,4%) nas exportações regionais. O cenário foi tema de encontro de especialistas de governos, de instituições de pesquisa e da Comissão Econômica da ONU para região, a CEPAL. Organismo defendeu políticas para aproveitar potencial das novas tecnologias.

A segregação socioeconômica nas cidades contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência, alertou a CEPAL. Foto: OMS

CEPAL: segregação socioeconômica das cidades latino-americanas aprofunda violência

A segregação residencial e socioeconômica aprofunda as desigualdades e contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência que caracterizam muitas cidades latino-americanas e caribenhas, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena.

Segundo dados da ONU, quase 80% da população da América Latina e do Caribe vivia em áreas urbanas em 2014, percentual que deve chegar a 85% em 2050. Trata-se da região mais urbanizada do mundo, com 68 cidades de mais de 1 milhão de habitantes que apresentam grandes desafios de gestão urbana.

Foto: Flickr/João Guilherme de Carvalho (Creative Commons)

Todo passivo ambiental será um passivo fiscal no futuro, alerta CEPAL

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) defende uma reforma fiscal nos países da região que leve em conta a questão ambiental, disse na quarta-feira (4) Carlos Mussi, representante do órgão das Nações Unidas no Brasil.

Segundo ele, “todo passivo ambiental será um passivo fiscal no futuro”. “Se o Estado ou a sociedade não entrar, não tentar prever e atuar, o passivo ambiental não será pago apenas pelo princípio poluidor pagador, isso será uma conta da sociedade, isso será um passivo fiscal via dívida para as futuras gerações”, disse.

CEPAL: renda per capita é critério inadequado para orientar assistência ao desenvolvimento

Países de renda média precisam ter acesso a financiamento e assistência para o desenvolvimento, defendeu na semana passada (21) a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena. A dirigente pediu uma revisão dos atuais critérios que classificam a riqueza partilhada das nações. Parâmetros vigentes inviabilizam a liberação de recursos para países latino-americanos e caribenhos.

Refugiados e migrantes participam de evento em São Paulo para aprender técnicas de empreendedorismo. Foto: ACNUR.

CEPAL: migrantes dão contribuição econômica, social e cultural aos países em que vivem

Os migrantes dão uma contribuição econômica, social e cultural aos países em que vivem, e cabe às Nações Unidas reunir dados sobre esse aporte de forma a garantir os direitos humanos, o desenvolvimento e a inclusão dessa população.

As declarações foram feitas pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alícia Bárcena, durante reunião das comissões regionais da ONU em Nova Iorque sobre o Pacto Mundial para uma Migração Segura, Ordenada e Regular.

Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL ao lado de Juan Somavía, diretor da Academia Diplomática do Chile. Foto: Academia Diplomática do Chile/Ximena Puccio

Metas da ONU são resposta contra as desigualdades e privilégios, defende CEPAL

Em encontro global de institutos de formação de diplomatas, no Chile, a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, defendeu que países incorporem a Agenda 2030 da ONU em seus planos nacionais de desenvolvimento. Objetivos das Nações Unidas, segundo a dirigente, são uma resposta da comunidade internacional para enfrentar disparidades econômicas, sociais e ambientais.

Nova publicação da CEPAL analisa desenvolvimento urbano na América Latina e no Caribe

Um novo livro da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) analisa o desenvolvimento urbano da região a partir de um olhar integral, considerando aspectos sociais, econômicos, ambientais e de governança.

O material pretende ser uma contribuição para que os tomadores de decisões, acadêmicos e o público em geral possam reconhecer as dinâmicas da urbanização nas cidades latino-americanas e caribenhas.

Laura Thomspon, diretora da OIM - Foto: OIM

OIM e CEPAL realizam primeira consulta regional sobre migração

A Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas e o Organização Internacional para as Migrações (OIM) realizaram, no fim de agosto, a primeira reunião regional preparatória do pacto mundial para uma migração segura, ordenada e regular.

O encontro, realizado durante dois dias em Santiago, no Chile, é o primeiro de cinco Consultas Regionais que fazem parte das discussões preparatórias para o desenvolvimento do Pacto Mundial, negociação intergovernamental que cobre todas as dimensões da migração internacional.

Evento com Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL. Foto: Cepal

CEPAL pede integração regional para garantir inclusão social

A secretária-executiva da Comissão Econômica da ONU para América Latina e Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, afirmou que, para alcançar uma maior coesão e inclusão social, é necessário recuperar a cooperação internacional e o multilateralismo, com um novo e revigorado papel da integração regional.

A alta funcionária das Nações Unidas participou, na semana passada, do seminário internacional “Os novos desafios da coesão social na Ibero-América”, organizado pela Secretaria-Geral Ibero-Americana e o Ministério das Relações Exteriores do Chile.

Migrantes almoçam em abrigo na Guatemala, depois de serem deportados do México. Foto: UNICEF/Daniele Volpe

Países latino-americanos discutem no Chile políticas de migração baseada em direitos

Especialistas latino-americanos inauguraram na quarta-feira (30) em Santiago, no Chile, a primeira reunião regional preparatória do Pacto Mundial para uma Migração Segura, Ordenada e Regular, na sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Na ocasião, a secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, chamou os países latino-americanos e caribenhos a incorporarem a migração em suas agendas de desenvolvimento, dando ênfase aos direitos humanos e à igualdade. “Não se trata de um olhar somente utilitarista, mas de um olhar integral a serviço das pessoas”, afirmou.

Enquanto mais de 1 bilhão de pessoas carecem de moradias adequadas no mundo, o estoque de moradias desocupadas está gradualmente aumentando, lembrou o diretor-executivo do ONU-Habitat. Foto: EBC

CEPAL: planejamento é chave para alcançar desenvolvimento com igualdade e sustentabilidade

Em conversa durante o programa “Horizontes CEPAL”, a diretora do Instituto Latino-Americano e Caribenho de Planejamento Econômico e Social (ILPES), da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Cielo Morales, lembrou os desafios do planejamento para o desenvolvimento na região, tendo em vista o cumprimento da Agenda 2030.

“Tudo o que nos rodeia, a mudança climática, a volatilidade financeira, as grandes desigualdades e disparidades que vivemos, reclamam um exercício mais responsável de construção desse futuro que todos queremos, que é avançar para um desenvolvimento que promova a igualdade e a sustentabilidade ambiental e que não comprometa de nenhuma maneira o bem-estar das futuras gerações”, afirmou.

Representantes de agências da ONU e políticos municipais. Ao centro, de roxo, a secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena. Foto: CEPAL

Constituição da capital do México é pioneira na promoção das metas da ONU, elogia CEPAL

Na Cidade do México, a nova Constituição municipal prevê direitos que aproximam a legislação local dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS). É a avaliação da secretária-executiva da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena. Em seminário de políticos e autoridades do organismo internacional na capital, dirigente elogiou texto por ser pioneiro na apresentação de metas alinhadas à Agenda 2030.

Mulheres representam 20% da mão de obra do setor agrícola na América Latina e Caribe. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

Revista da CEPAL analisa participação da mulher no mercado de trabalho latino-americano e caribenho

A nova edição da revista quadrimestral da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) já está disponível gratuitamente para o público. Lançada nesta segunda-feira (14), publicação aborda progressos regionais na inserção da mulher no mundo do trabalho, em atividades produtivas e empresariais. Documento avalia impacto da presença feminina no mercado sobre o crescimento econômico dos países.

Os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) para a América Latina e o Caribe diminuíram 7,9% em 2016, em comparação com 2015. Foto: EBC

CEPAL prevê queda de 5% para investimento estrangeiro direto na América Latina e Caribe em 2017

Em seu relatório anual, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) projeta queda de 5% do investimento estrangeiro direto (IED) em 2017 na região, e sugere que os países latino-americanos e caribenhos gerem políticas para atrair fluxos que apoiem os processos nacionais de desenvolvimento sustentável.

Apesar da recessão, o Brasil aumentou em 5,7% suas entradas de IED em 2016 e se manteve como principal receptor na região (78,9 bilhões de dólares, equivalentes a 47% do total). No México, que recebeu 32,1 bilhões de dólares e foi o segundo país receptor (19% do total), o IED caiu 7,9%, mas ainda se manteve em níveis históricos elevados.

As economias em desenvolvimento, lideradas pela China e pela Índia, responderam por quase 90% das 750 milhões de pessoas que ficaram online pela primeira vez entre 2012 e 2015, de acordo com dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT). Foto: EBC

Países latino-americanos reúnem-se no Chile para discutir políticas públicas digitais

Representantes de países de América Latina e Caribe reuniram-se esta semana em Santiago, no Chile, para discutir a nova agenda digital regional, denominada eLAC2020, com a convicção de que a revolução tecnológica em curso exige uma atualização permanente das políticas públicas digitais, em linha com os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Em um cenário de baixo crescimento regional e de aumento do protecionismo no mundo, “é necessário implementar políticas de mudança estrutural na América Latina e no Caribe, priorizando a adoção das tecnologias digitais como catalizadoras da produtividade, do crescimento, da inclusão e da sustentabilidade ambiental”, disse Alicia Bárcena, secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Brasil deve crescer 0,7% em 2017, segundo projeções do Banco Mundial. Foto: Agência Brasil

CEPAL apresenta estatísticas atualizadas de investimento estrangeiro direto na América Latina e Caribe

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) divulgará seu relatório anual “O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2017” na quinta-feira (10), às 11h (12h de Brasília) na sede do organismo regional das Nações Unidas em Santiago, no Chile.

A secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, apresentará as principais conclusões do estudo que examina a evolução mundial e regional dos fluxos de investimento estrangeiro direto (IED). A coletiva de imprensa será transmitida ao vivo pelo site da instituição.

Acordo latino-americano sobre justiça ambiental deve ser vinculante, defende relator da ONU

Em encontro da Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em Buenos Aires, 24 países discutiram como avançar na elaboração de um acordo regional sobre acesso à informação, participação e justiça ambientais. Para o relator independente das Nações Unidas, John Knox, esse seria um dos mais importantes tratados sobre direitos humanos e meio ambiente dos últimos 20 anos. Mas documento precisa ser legalmente vinculante, ou corre o risco de representar um retrocesso, alertou o especialista.

Os países da América Latina e do Caribe crescerão em média 1,1% em 2017 após dois anos consecutivos de contração. Foto: EBC

CEPAL vê crescimento de 1,1% para América Latina e Caribe em 2017; PIB brasileiro deve subir 0,4%

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) manteve sua projeção de crescimento médio regional em 1,1% este ano — frente a uma queda de 1% em 2016 — e destacou a importância das políticas macroeconômicas anticíclicas para recuperar o dinamismo econômico.

O relatório indicou que, no âmbito do emprego, as condições do mercado de trabalho continuaram se deteriorando devido a uma nova queda da taxa de ocupação urbana. Para a região em seu conjunto, espera-se que a taxa de desemprego urbano aumente de 8,9% em 2016 para 9,4% em 2017.

Relator especial da ONU sobre meio ambiente e direitos humanos, John Knox, em pronunciamento no Senado. Foto: Agência Senado/Pedro França

Países da América Latina e Caribe reúnem-se com relator da ONU para discutir acesso à justiça ambiental

Reunião em Buenos Aires marca a sétima rodada de negociações para a definição de uma estratégia regional que permita aos países executar, de forma plena, o princípio nº 10 da Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Diretiva determina que nações deverão garantir aos seus cidadãos acesso eficaz a procedimentos judiciais e administrativos envolvendo questões ambientais, incluindo a mecanismos de ressarcimento de danos e recursos.

Sede da CEPAL, em Santiago do Chile. Foto: Carlos Vera/CEPAL

CEPAL divulga estimativas de crescimento da América Latina e Caribe para 2017

CEPAL divulga no início de agosto (3) seu relatório anual com estimativas de crescimento para 2017 na América Latina e no Caribe. O levantamento apresenta uma análise do desempenho econômico da região durante o primeiro semestre do ano e mostra as perspectivas para os próximos meses. Nessa edição, os capítulos temáticos da publicação examinarão os desafios para dinamizar o investimento e o crescimento.

Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL. Foto: CEPAL

CEPAL elogia compromisso da América Latina e Caribe com objetivos da ONU, mas cobra mudanças tributárias

Dezenove dos 33 países da América Latina e Caribe possuem instituições intersetoriais de alto nível para coordenar o cumprimento da Agenda 2030 das Nações Unidas. Também na região, 14 Estados já apresentaram informes nacionais voluntários sobre progressos obtidos no biênio 2016-2017. Mas para avançar, nações precisam aumentar carga tributária para mobilizar recursos, defendeu a CEPAL em Nova Iorque, durante o Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável (HLPF).

Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Tomaz Silva

Cidades latino-americanas lideram taxas de homicídios no mundo

Desigualdade social, urbanização não planejada, políticas antidrogas falhas, impunidade, disponibilidade de armas e cultura machista. Esses são alguns dos fatores que contribuem para que cidades latino-americanas liderem ranking mundial de homicídios, segundo especialistas.

A América Latina e o Caribe concentram apenas 8% da população global, mas respondem por mais de 33% dos homicídios do mundo, de acordo com o Observatório de Homicídios, do Instituto Igarapé. Quatorze dos 20 países com as maiores taxas de assassinato globalmente estão localizados na região. Leia a reportagem completa.

Mulheres representam 20% da mão de obra do setor agrícola na América Latina e Caribe. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

Especialistas defendem inclusão financeira para maior autonomia das mulheres latino-americanas

A inclusão financeira e a igualdade de gênero são ferramentas fundamentais para alcançar a autonomia econômica das mulheres e avançar para o desenvolvimento sustentável, afirmaram na segunda-feira (10) autoridades e especialistas reunidos na sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) em Santiago, no Chile, para apresentação do relatório “Gênero no Sistema Financeiro”.

Segundo dados da CEPAL, uma em cada três mulheres na América Latina e no Caribe não tem renda própria, enquanto uma em cada quatro possui renda inferior a um salário mínimo. Além disso, oito em cada dez estão empregadas majoritariamente em setores de baixa produtividade e, apesar de seus níveis de escolaridade mais elevados, continua persistindo uma desigualdade salarial importante.

O presidente da FNP e prefeito de Campinas, Jonas Donizzete, e o coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, firmaram acordo de parceria em Brasília. Foto: PNUD/Vivian Doherty

ONU Brasil e Frente Nacional dos Prefeitos reforçam parceria pelo desenvolvimento sustentável

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, e o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, firmaram na terça-feira (4) um memorando de entendimento com o objetivo de criar um marco de cooperação, além de facilitar e fortalecer a colaboração para promoção e alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Encontro no Chile abordou desafios de saúde das mulheres, crianças e adolescentes. Foto: UNFPA

Políticas públicas devem ter perspectiva de gênero para garantir direitos das mulheres, diz CEPAL

Em evento no Chile para discutir desafios de saúde do público feminino e infanto-juvenil, a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, alertou que na região “a pobreza tem o rosto de mulher”.

Segundo a dirigente, mulheres representam uma parcela desproporcionalmente maior dos segmentos de menor renda. Miséria também afeta o bem-estar das crianças e adolescentes.

A feira também foi uma oportunidade de promover interação entre refugiados, migrantes e brasileiros. Foto: ACNUR/Diogo Félix.

Migrantes são grupo prioritário da agenda de desenvolvimento sustentável, diz CEPAL

Os migrantes sofrem simultaneamente diversas carências e discriminações, sendo um grupo prioritário da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, disse a diretora da divisão de desenvolvimento social da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Laís Abramo.

A diretora chamou a atenção para os fatores estruturais que estão na origem dos diferentes fluxos migratórios na América Latina, como a pobreza e as múltiplas dimensões da desigualdade, assim como a precariedade dos mercados de trabalho e os déficits de trabalho decente.

Os países da América Latina e do Caribe reafirmaram seu compromisso de promover, proteger e respeitar os direitos humanos, a dignidade e as liberdades fundamentais dos idosos. Foto: Allan Rostron/CC

Países latino-americanos e caribenhos reafirmam compromisso com direitos dos idosos

Os países da América Latina e do Caribe reafirmaram seu compromisso de promover, proteger e respeitar os direitos humanos, a dignidade e as liberdades fundamentais dos idosos, durante o encerramento da quarta conferência regional sobre envelhecimento, ocorrida em Assunção, no Paraguai.

No final do evento, os países adotaram uma declaração que reconhece a persistência de obstáculos que prejudicam a participação dos idosos na vida política, social, econômica e cultural da região. O documento exorta os governos a incorporar o tema do envelhecimento em suas políticas, planos e programas de forma transversal, adotando políticas específicas para idosos.

Menino em favela no Rio de Janeiro. Foto: EBC

CEPAL vê com preocupação congelamento do gasto público brasileiro

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) vê com preocupação a iniciativa do governo brasileiro de congelar seus gastos públicos para os próximos 20 anos, e sugere, pelo contrário, mais investimentos públicos e proteção do gasto social no país, de forma a evitar aumento da pobreza e das desigualdades.

As declarações foram feitas pela diretora da divisão de desenvolvimento social da CEPAL, Laís Abramo, durante evento de lançamento do relatório “Panorama Social da América Latina” 2016, realizado no BRICS Policy Center, no Rio de Janeiro, na última segunda-feira (26). O documento indicou desaceleração da queda da desigualdade na região, especialmente a partir de 2012.

O encontro promoveu um debate sobre o acesso ao diagnóstico, prevenção, tratamento e cuidado em HIV/Aids. Foto: Imprensa MG/Adair Gomes

UNAIDS apoia cooperação entre jovens da África e da América Latina que vivem com HIV

Com apoio do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), a iniciativa 10 Questions Project (Projeto 10 Perguntas, em tradução livre para o português) vai conectar jovens soropositivos da América Latina, Caribe e África para fortalecer a cooperação global entre pessoas vivendo com HIV. Participantes avaliarão atuação de redes que lutam para levar mais serviços de saúde aos afetados pela epidemia.

Mulheres representam 20% da mão de obra do setor agrícola na América Latina e Caribe. Foto: Banco Mundial/Romel Simon

CEPAL chama mulheres a se emancipar política, física e economicamente

As mulheres devem buscar a emancipação e a autonomia política, física e econômica, afirmou na terça-feira (20) a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), durante uma apresentação no Fórum Forbes Mulheres Poderosas 2017, realizado na Cidade do México.

Em seu discurso, Alicia Bárcena afirmou que as mulheres da região têm de alcançar a igualdade, mas com titularidade de direitos, “não por ter mais dinheiro ou menos, nem por ter mais ou menos meios, nem apenas por vontade individual”.