Investimentos chineses na América Latina e no Caribe estão concentrados nos setores de mineração e hidrocarbonetos. Foto: Flickr/Cassandra Sarmanho (CC)

CEPAL vê alta do investimento chinês na América Latina e no Caribe em 2017

Em 2017, o estoque de investimentos diretos chineses nos países latino-americanos e caribenhos alcançou cerca de 115 bilhões de dólares, avanço de 46% frente ao ano anterior, de acordo com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Entre 2005 e 2017, o investimento estrangeiro direto proveniente da China mostrou forte concentração, tanto em termos de setores (com mineração e hidrocarbonetos representando cerca de 80%), como de países de destino (Brasil, Peru e Argentina receberam 81% do total).

Sede da CEPAL, em Santiago do Chile. Foto: Carlos Vera/CEPAL

ONU recebe inscrições para curso gratuito no Chile sobre economias latino-americanas

Estão abertas até 16 de abril as inscrições para a Escola de Verão sobre Economias Latino-americanas 2018, programa de formação oferecido pela Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Curso gratuito é voltado para jovens pesquisadores, graduados ou pós-graduados. Aulas acontecem entre 18 de julho e 28 de setembro, na sede do organismo regional, em Santiago, no Chile. Participantes devem arcar com custos de deslocamento e estadia.

Favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: Agência Brasil/Tomaz Silva

CEPAL reafirma seu compromisso de trabalhar por um desenvolvimento igualitário

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) celebrou nesta quarta-feira (10) seu 70º aniversário com um seminário de alto nível em sua sede de Santiago do Chile no qual reafirmou seu compromisso em trabalhar por um desenvolvimento com igualdade, sustentabilidade ambiental, dignidade e bem-estar para todos os habitantes da região.

“Chegou a hora de crescer para igualar e igualar para crescer. Devemos romper com a cultura dos privilégios, que se manifesta na evasão e elisão fiscal, assim como nos fluxos ilícitos de capitais. A igualdade fortalece a democracia e ajuda a provisão de bens públicos”, disse a máxima autoridade da instituição, Alícia Bárcena.

Sede da CEPAL em Santiago do Chile. Foto: CEPAL

CEPAL inicia comemorações de seu 70⁰ aniversário com seminário no Chile

Em 2018, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) completa 70 anos de serviço à região. Para lembrar o aniversário, o organismo regional das Nações Unidas realizará diversas atividades durante o ano.

A primeira delas será um seminário de alto nível em sua sede central de Santiago do Chile, que incluirá uma mesa redonda sobre a história e as contribuições da instituição ao pensamento latino-americano e caribenho. O evento ocorrerá em 10 de janeiro às 9h locais (10h de Brasília), com transmissão ao vivo pela Internet.

“Não deixar ninguém para trás significa considerar toda a população na sua diversidade – e entre ela, sem dúvida, a população negra, no Brasil, na América Latina e no mundo”, é o que diz Laís Abramo, diretora da Divisão de Desenvolvimento Social da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), uma das 26 agências da ONU que promovem a campanha #VidasNegras, pelo fim da violência contra a juventude negra.

#VidasNegras: ‘Não deixar ninguém para trás significa considerar toda a população na sua diversidade’

“Não deixar ninguém para trás significa considerar toda a população na sua diversidade – e entre ela, sem dúvida, a população negra, no Brasil, na América Latina e no mundo”, é o que diz Laís Abramo, diretora da Divisão de Desenvolvimento Social da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), uma das 26 agências da ONU que promovem a campanha #VidasNegras, pelo fim da violência contra a juventude negra.

Agricultores semeando alface crespa. Foto: Flickr/ Orgânicos do Pivas (Creative Commons)

CEPAL: inclusão financeira de agricultores familiares é chave para desenvolvimento rural com igualdade

A mudança estrutural progressiva das zonas rurais latino-americanas e caribenhas requer estratégias inovadoras, assim como uma maior capacidade de articulação entre os múltiplos atores e um papel estratégico do setor público como catalizador, segundo nova publicação da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) divulgada na semana passada (22).

O livro “Inclusão financeira de pequenos produtores rurais”, editado pela sede sub-regional da CEPAL no México, busca fortalecer a análise e a formulação de políticas públicas para fomentar o acesso dos agricultores familiares da América Latina e do Caribe a uma ampla gama de serviços financeiros.

Erradicação da pobreza é o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 1. Foto: EBC

Entre 22 países, Brasil lidera concentração de riqueza nas mãos do 1% mais rico

Entre 22 países desenvolvidos e emergentes analisados, o Brasil lidera a concentração de riqueza nas mãos do 1% mais rico da população, segundo relatório “Panorama Social da América Latina 2017”, divulgado na quarta-feira (20) pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

No Brasil, o 1% mais rico fica com 27% da renda nacional. A CEPAL citou dados da rede internacional de pesquisadores World Wealth and Income Database, que reúne informações tributárias para estimar a desigualdade de renda nos países.

Os níveis de pobreza e de extrema pobreza aumentaram na América Latina como média regional em 2015 e 2016. Foto: Wikimedia Commons / chensiyuan (CC)

CEPAL: pobreza aumenta na América Latina e alcança 30,7% da população

Os níveis de pobreza e de extrema pobreza aumentaram na América Latina entre 2015 e 2016, após mais de uma década de redução na maioria dos países. Para 2017, a expectativa é de que se mantenham estáveis, informou nesta quarta-feira (20) a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Segundo o organismo internacional, 8 milhões de pessoas passaram para a pobreza entre 2015 e 2016 na região. A CEPAL pede que os países fortaleçam suas políticas de mercado de trabalho e de proteção social, mais ainda em períodos de baixo crescimento econômico.

Projetos de energia renovável e de eficiência energética nos países em desenvolvimento pode apoiar o Acordo de Paris, segundo relatório da ONU Meio Ambiente. Foto: EBC

Países de América Latina e Caribe fortalecerão base regional de dados sobre eficiência energética

Representantes de 15 países da América Latina e Caribe e de 13 organismos multilaterais concordaram em impulsionar a implementação de políticas sobre eficiência energética. Reunidas em Buenos Aires no início de dezembro (6), delegações definiram uma série de recomendações sobre o tema para a Comissão Econômica da ONU para a região, a CEPAL. Nações planejam aprimorar produção de dados sobre gasto de energia.

Três de cada quatro migrantes na América Latina e no Caribe tinham cidades como origem e destino. Foto: WikiCommons / Flickr (CC)/Alicia Nijdam

CEPAL destaca esgotamento da migração rural-urbana na América Latina e no Caribe

Três em cada quatro migrantes na América Latina e no Caribe tinham as cidades como origem e destino, segundo dados dos censos de 2010, proporção maior do que a registrada nos censos de 2000. Além disso, a média regional mostra que, apesar de ainda existirem alguns países onde a migração rural-urbana mantém predomínio e protagonismo, esta é menor e segue em retrocesso inexorável, segundo pesquisa publicada na edição de dezembro da Revista CEPAL.

O resultado regional em 2018 pode ser em parte explicado pelo maior dinamismo da economia brasileira, que deve crescer 2% em 2018, segundo a CEPAL. Foto: EBC

Economias da América Latina e do Caribe terão recuperação moderada em 2018, diz CEPAL

As economias da América Latina e do Caribe terão uma recuperação moderada em 2018, com crescimento de 2,2%, após expansão de 1,3% em 2017, indicou nesta quinta-feira (14) a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

O resultado regional do ano que vem será em parte explicado pelo maior dinamismo do crescimento brasileiro (2%, comparado a 0,9% em 2017).

“Deve-se priorizar um gasto com maior impacto sobre o crescimento e a desigualdade, e evitar fortes ajustes no investimento público para proteger o crescimento no médio prazo”, disse a secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena.

CEPAL divulga na quinta-feira (14) seu último relatório econômico do ano sobre os países da América Latina e do Caribe. Foto: EBC

CEPAL divulga na quinta (14) último relatório do ano sobre economia latino-americana e caribenha

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) divulga na quinta-feira (14) o Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2017, publicação em que atualizará as estimativas de crescimento para os países da região neste ano e em 2018.

O relatório será apresentado em coletiva de imprensa pela secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, na sede da comissão em Santiago, no Chile. A coletiva será transmitida ao vivo pelo site da instituição.

Vigília na sede da OEA, em Washington, nos Estados Unidos, pela ativista ambiental e líder indígena hondurenha Berta Cáceres, assassinada em 2016. Foto: CIDH/Daniel Cima

Tratado latino-americano sobre meio ambiente abordará proteção de defensores dos direitos humanos

Representantes dos países latino-americanos e caribenhos reunidos na sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) em Santiago, no Chile, concordaram na semana passada em contemplar a proteção das pessoas que lutam pela defesa dos direitos humanos em temas ambientais no futuro acordo regional sobre acesso à informação, à participação pública e à Justiça em assuntos ambientais. O tratado é conhecido como Princípio 10 da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.

Contraste entre as desigualdades no município do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 10

CEPAL pede mudança no modelo de desenvolvimento em vigor na América Latina e no Caribe

Em discurso de encerramento em colóquio internacional no México, a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, pediu que os países da região mudem o estilo de desenvolvimento em vigor e transitem para um desenvolvimento sustentável com foco na igualdade.

“Temos que mudar profundamente o estilo de desenvolvimento, o capitalismo não funciona. Precisamos rumar para um futuro que efetivamente reconheça o mercado, mas um mercado que esteja a serviço da sociedade e não uma sociedade a serviço do mercado”, disse a secretária-executiva da CEPAL.

Alicia Bárcena e Noam Chomsky. Foto: CEPAL

CEPAL cita necessidade de novo modelo de desenvolvimento em fórum com Noam Chomsky

A América Latina e o Caribe precisam avançar rumo a um novo paradigma de desenvolvimento baseado na igualdade e na sustentabilidade ambiental como motor do crescimento. O atual modelo, o capitalismo, não funciona.

As declarações foram feitas na quarta-feira (15) pela secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alícia Bárcena, durante fórum realizado na Cidade do México ao lado de personalidades como o linguista e filósofo Noam Chomsky.

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, cobrou uma resposta da sociedade e do poder público à dura realidade enfrentada pela juventude afrodescendente. Foto: UNFPA/Agnes Sofia Guimarães

‘O racismo mata e não podemos ser indiferentes’, diz ONU Brasil em lançamento da campanha #VidasNegras

A ONU Brasil lançou na terça-feira (7) a campanha #VidasNegras, iniciativa de conscientização nacional pelo fim da violência contra a juventude afrodescendente. Em cerimônia que reuniu em Brasília cerca de cem autoridades públicas e representantes da sociedade civil e do corpo diplomático, dirigentes das Nações Unidas alertaram que cinco jovens negros morrem a cada duas horas no país. Por ano, o número chega a 23 mil.

O organismo internacional fez um apelo à sociedade brasileira e ao poder público por repostas ao racismo e à discriminação. Um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no Brasil.

O processo de urbanização na América Latina e no Caribe melhorou os indicadores de desenvolvimento, no entanto, as cidades ainda são espaços de desigualdades, segundo a CEPAL. Foto: ONU-Habitat/Lucille Kanzawa

CEPAL: cidades ainda são marcadas por acesso desigual a serviços públicos

O processo de urbanização na América Latina e no Caribe melhorou os indicadores de desenvolvimento, no entanto, as cidades ainda são espaços de desigualdades, com um acesso díspar a serviços públicos de qualidade e altos níveis de segregação residencial socioeconômica, afirma nova publicação da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

“A segregação socioeconômica — a expressão da desigualdade — aprofunda e reproduz essa desigualdade e contribui para a fragmentação social e os altos níveis de violência que existem em muitas cidades na América Latina”, afirma Alicia Bárcena, secretária-executiva da CEPAL, no prólogo do documento.

Colheita de milho em Sertão Santana (RS). Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini/CC

ONU: agricultura latino-americana e caribenha precisa ampliar produtividade de forma inclusiva

O principal desafio para o futuro da agricultura e da vida rural na região da América Latina e do Caribe é melhorar a produtividade agrícola de maneira sustentável. Além disso, é preciso assegurar que os benefícios econômicos sejam distribuídos de maneira equitativa entre os habitantes dos territórios rurais.

Essa é a conclusão do livro “Perspectivas da Agricultura e do Desenvolvimento Rural nas Américas”, lançado por Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Porto do Rio de Janeiro. Foto: EBC

CEPAL: comércio exterior de América Latina e Caribe dá sinais de recuperação

A região da América Latina e do Caribe deixará para trás este ano meia década de queda dos preços de sua cesta de exportação e de baixo aumento do volume exportado, e terá um crescimento de 10% no valor de suas vendas de bens ao exterior, segundo estimativas da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) em Santiago, Chile.

Segundo o organismo internacional, a recuperação das exportações regionais será liderada em 2017 pelas vendas para a China e para o restante da Ásia (aumento de 23% e 17%, respectivamente), enquanto as vendas destinadas aos Estados Unidos e a países da própria região terão uma expansão próxima à média (9% e 10%, respectivamente).

Evento na Casa da ONU em Brasília discutiu impactos das mudanças do clima para o desenvolvimento dos países. Foto: FAO/L. Dematteis

Mudança do clima afeta diretamente o desenvolvimento dos países, diz ONU no Brasil

A mudança do clima afeta diretamente a capacidade de desenvolvimento dos países, alertou na quinta-feira (26) o coordenador-residente interino da ONU no Brasil, Didier Trebucq, durante seminário em Brasília (DF) sobre o tema.

“Desastres naturais levam 24 milhões de pessoas por ano à pobreza e estão diretamente ligados à mudança do clima”, disse Trebucq, durante o evento realizado pelo Sistema ONU no Brasil com apoio de Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), ONU Meio Ambiente, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Erradicação da pobreza é o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 1. Foto: EBC

CEPAL: acesso a serviços básicos e trabalho decente ainda é desafio na América Latina

Ao examinar pesquisas domiciliares de 17 países da América Latina no período 2002-2015, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) concluiu que “menos de três em cada 10 lares latino-americanos estão em situação de níveis mínimos de dupla inclusão, ou seja, satisfazem os níveis mínimos de inclusão social e laboral simultaneamente”.

O conceito de dupla inclusão — social e laboral — remete, por um lado, ao acesso universal à educação, à saúde e à proteção social, assim como à infraestrutura básica (energia, água potável e saneamento), e, por outro, ao trabalho decente, ou seja, a empregos de qualidade, remunerados em condições dignas, com acesso a direitos e à proteção social.

CEPAL divulga na quinta-feira (14) seu último relatório econômico do ano sobre os países da América Latina e do Caribe. Foto: EBC

CEPAL apresenta na segunda-feira (30) relatório sobre comércio exterior na América Latina

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) divulgará uma nova edição de seu relatório anual sobre comércio exterior da região na próxima segunda-feira (30) às 11h locais (9h de Brasília), em sua sede em Santiago, no Chile. O evento terá transmissão pela Internet.

Nesta edição, o relatório analisa o desempenho do comércio mundial e regional no último ano e dá perspectivas para os próximos meses. Segundo o estudo, o comércio exterior da América Latina e do Caribe mostra sinais de recuperação, deixando para trás o desempenho negativo do período 2012-2016.

Seminário abordará os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Imagem: PNUD

Seminário discute mudança do clima, erradicação da pobreza e desenvolvimento humano

A mudança do clima, caso não seja controlada, reverterá os ganhos de desenvolvimento alcançados nas últimas décadas e tornará impossível a obtenção de ganhos adicionais. Esta será a base de discussão do Seminário “Diálogo Estratégico sobre Mudança do Clima, Erradicação da Pobreza e Desenvolvimento Humano”, na Casa da ONU, em Brasília, que ocorre nesta quinta-feira (26), das 14h às 18h. O evento será transmitido ao vivo pela Internet.

O seminário é uma iniciativa do Sistema ONU no Brasil, organizado pela Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), ONU Meio Ambiente e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

VÍDEO: México um mês após os terremotos

Há um mês, no dia 19 de setembro de 2017, um terremoto de de magnitude 7.1 sacudiu o centro do México, 12 dias depois após outro movimento telúrico ter atingido o sudeste do país, especialmente as regiões de Oaxaca e Chiapas – e exatos 32 anos depois do terrível terremoto de 1985.

Os terremotos recentes deixaram um saldo de pelo menos 400 pessoas mortas, danos a mais de 150 mil habitações, 12 escolas e 1,5 mil monumentos históricos. Os tremores foram seguidos de um imenso impulso de solidariedade – por parte da população, da comunidade internacional e das Nações Unidas. Confira nesse vídeo do Centro de Informação da ONU na região.

Desemprego é mais alto entre mulheres do que entre os homens. Foto: Agência Brasil

Afetado pelo Brasil, desemprego urbano na América Latina e no Caribe deve subir para 9,4% em 2017

A taxa de desemprego urbano nos países da América Latina e do Caribe deve subir para 9,4% este ano, influenciada pelo fraco desempenho do mercado de trabalho brasileiro, segundo projeções da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com as agências das Nações Unidas, a fragilidade dos mercados de trabalho da região também se reflete na qualidade do emprego. Em seis de oito países com informação disponível, a criação de emprego por conta própria foi mais dinâmica que a criação de emprego assalariado durante o primeiro semestre de 2017.

Xangai, China. Foto: ONU-Habitat/Julius Mwelu

China e América Latina devem avançar juntos na revolução digital, diz CEPAL

É necessário trabalhar para que a América Latina e o Caribe avancem junto com a China rumo à revolução digital e à economia verde, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, em evento realizado esta semana no Chile.

Bárcena lembrou que a China se tornou o segundo parceiro comercial da América Latina e do Caribe, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, e é também um importante investidor estrangeiro na região.

A estimativa é de que existam cerca de 7 milhões de trabalhadoras e trabalhadores domésticos no Brasil. Foto: EBC

Seminário em Brasília discute impactos da desigualdade de gênero no uso do tempo

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) promove na quarta-feira (18) em Brasília (DF) seminário com especialistas e estudiosos para discutir a influência da desigualdade de gênero no modo como as pessoas utilizam o tempo.

Com três mesas de discussões, o evento será realizado em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a ONU Mulheres.

“Os estudos de uso do tempo podem ajudar a compreender as relações entre a sobrecarga de trabalho feminina e a reprodução das desigualdades de gênero”, explica publicação do IPEA sobre o tema.

Projeção da CEPAL é de crescimento de 0,7% para o Brasil em 2017. Foto: UNCTAD.

Economia da América Latina e do Caribe deve crescer 1,2% em 2017, diz CEPAL

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) revisou para cima suas expectativas de crescimento regional este ano, e projeta expansão média de 1,2% para a economia dos países latino-americanos e caribenhos em 2017, levemente superior à previsão feita em julho.

O organismo das Nações Unidas espera que o Brasil cresça 0,7% este ano, com uma retomada mais significativa de 2% em 2018.

De acordo com a CEPAL, a capacidade dos países da região de gerar um crescimento econômico mais dinâmico e sustentado depende da adoção de políticas que apoiem o investimento, o que será fundamental para diminuir os efeitos de choques externos.

As micro e pequenas empresas (MPEs) são os principais geradores de emprego na América Latina. Foto: PNUD/Kenia Ribeiro

CEPAL defende políticas de fomento para micro, pequenas e médias empresas

As micro, pequenas e médias empresas geram mais de 60% dos postos de trabalho da América Latina e Caribe, mas respondem por apenas 28% do Produto Interno Bruto (PIB) e têm uma participação pequena (8,4%) nas exportações regionais. O cenário foi tema de encontro de especialistas de governos, de instituições de pesquisa e da Comissão Econômica da ONU para região, a CEPAL. Organismo defendeu políticas para aproveitar potencial das novas tecnologias.

A segregação socioeconômica nas cidades contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência, alertou a CEPAL. Foto: OMS

CEPAL: segregação socioeconômica das cidades latino-americanas aprofunda violência

A segregação residencial e socioeconômica aprofunda as desigualdades e contribui para a fragmentação social e para os altos níveis de violência que caracterizam muitas cidades latino-americanas e caribenhas, disse a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena.

Segundo dados da ONU, quase 80% da população da América Latina e do Caribe vivia em áreas urbanas em 2014, percentual que deve chegar a 85% em 2050. Trata-se da região mais urbanizada do mundo, com 68 cidades de mais de 1 milhão de habitantes que apresentam grandes desafios de gestão urbana.

Foto: Flickr/João Guilherme de Carvalho (Creative Commons)

Todo passivo ambiental será um passivo fiscal no futuro, alerta CEPAL

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) defende uma reforma fiscal nos países da região que leve em conta a questão ambiental, disse na quarta-feira (4) Carlos Mussi, representante do órgão das Nações Unidas no Brasil.

Segundo ele, “todo passivo ambiental será um passivo fiscal no futuro”. “Se o Estado ou a sociedade não entrar, não tentar prever e atuar, o passivo ambiental não será pago apenas pelo princípio poluidor pagador, isso será uma conta da sociedade, isso será um passivo fiscal via dívida para as futuras gerações”, disse.

Secretária-executiva da CEPAL, Alicia Bárcena. Foto: CEPAL/Carlos Vera

CEPAL: renda per capita é critério inadequado para orientar assistência ao desenvolvimento

Países de renda média precisam ter acesso a financiamento e assistência para o desenvolvimento, defendeu na semana passada (21) a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena. A dirigente pediu uma revisão dos atuais critérios que classificam a riqueza partilhada das nações. Parâmetros vigentes inviabilizam a liberação de recursos para países latino-americanos e caribenhos.