Foto: Gregoire Gauthier e Satoshi Ogita

Banco Mundial financia transporte rodoviário e serviços públicos no Tocantins

O Banco Mundial financia o Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS) no Tocantins, cujo objetivo é promover uma maior eficácia do transporte rodoviário e uma maior eficiência dos serviços públicos no estado.

Segundo o organismo internacional, o aumento da eficácia dos serviços de transporte rural melhorará a acessibilidade das populações remotas do estado e, ao mesmo tempo, promoverá a integração econômica regional.

O estudo fornece uma visão geral do progresso da América Latina na redução da desigualdade salarial durante um período de alto crescimento econômico na primeira década dos anos 2000. Foto: EBC

Banco Mundial promove debate online sobre desigualdade salarial na América Latina

O centro de estudos Wilson Center e o escritório do economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe convidam para uma discussão sobre o novo relatório da instituição — “Desigualdade Salarial na América Latina — Compreender o Passado para se Preparar para o Futuro”.

O debate poderá ser acompanhado na próxima terça-feira (14), das 12h às 14h, pelos canais do Banco Mundial no Facebook.

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, cobrou uma resposta da sociedade e do poder público à dura realidade enfrentada pela juventude afrodescendente. Foto: UNFPA/Agnes Sofia Guimarães

‘O racismo mata e não podemos ser indiferentes’, diz ONU Brasil em lançamento da campanha #VidasNegras

A ONU Brasil lançou na terça-feira (7) a campanha #VidasNegras, iniciativa de conscientização nacional pelo fim da violência contra a juventude afrodescendente. Em cerimônia que reuniu em Brasília cerca de cem autoridades públicas e representantes da sociedade civil e do corpo diplomático, dirigentes das Nações Unidas alertaram que cinco jovens negros morrem a cada duas horas no país. Por ano, o número chega a 23 mil.

O organismo internacional fez um apelo à sociedade brasileira e ao poder público por repostas ao racismo e à discriminação. Um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no Brasil.

Jovens brasileiros acessam a Internet usando smartphones. Foto: TV Brasil.

ARTIGO: Os trabalhadores brasileiros estão preparados para o sucesso no mundo digital?

Em artigo, Rita Almeida, economista sênior do Banco Mundial, afirma que em uma economia com níveis cada vez mais elevados de adoção tecnológica e com o aumento da automação, leis trabalhistas restritivas podem acabar prejudicando os pobres (pouco qualificados) mais do que os ricos (muito qualificados).

“Com a entrada em vigor da nova lei trabalhista — que flexibiliza o procedimento de contratação e reduz os custos e incertezas das ações trabalhistas — há bastante espaço para mitigar esses impactos regressivos”, segundo a economista. Leia artigo completo.

Foto: EBC

ARTIGO: ambiente de negócios no Brasil — um copo meio cheio

Em artigo, o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, disse que, segundo indicadores do relatório Doing Business 2018, o país melhorou levemente seu ambiente de negócios em comparação com o ano passado, aproximando-se das melhores práticas regulatórias mundiais.

Segundo ele, o Brasil começou a resolver algumas das maiores restrições a se fazer negócios no país. Alguns desses esforços terão reflexos em avaliações futuras, outros estão fora do escopo dos indicadores do Banco Mundial. Leia o artigo completo.

Agricultores semeando alface crespa. Foto: Flickr/ Orgânicos do Pivas (Creative Commons)

Banco Mundial financia projeto de apoio a agricultores familiares na Paraíba

Mais de 44 mil agricultores familiares em áreas rurais se beneficiarão de um empréstimo de 50 milhões de dólares aprovado na semana passada (20) pelo Banco Mundial para o projeto Desenvolvimento Rural Sustentável da Paraíba. A operação ajudará a melhorar o acesso à água, reduzir a vulnerabilidade agroclimática e aumentar o acesso da população rural aos mercados.

“Esse projeto representa o próximo passo na agenda de inclusão produtiva”, explicou Martin Raiser, diretor do Banco Mundial para o Brasil. “Nosso financiamento vai apoiar atividades para melhorar diretamente o acesso à água, além de gerar resiliência ao fortalecer o vínculo entre agricultores e mercados, possibilitando rendimentos mais elevados”.

Foto: EBC

Relatório do Banco Mundial mostra disparidades entre estudantes ricos e pobres globalmente

As sensações de fracasso e impotência, entre outras, acompanham milhões de estudantes de países em desenvolvimento que não sabem ler, escrever ou fazer uma operação de aritmética, mesmo após vários anos de escolarização. Além de nascerem em desvantagem devido à pobreza, ao gênero ou a uma deficiência, eles chegam à idade adulta sem as aptidões mais básicas para a vida.

Alguns dados do mais recente Relatório de Desenvolvimento Global (WDR 2018, na sigla em inglês), do Banco Mundial, revelam as disparidades que existem entre os estudantes ricos e pobres de um mesmo país e entre esses mesmos alunos e os de uma economia desenvolvida. 

Guias e turistas na Cachoeira da Formiga. Foto: Banco Mundial/Juliana BragaGuias e turistas na Cachoeira da Formiga. Foto: Banco Mundial/Juliana Braga

Banco Mundial ajuda Tocantins a explorar turismo sustentável

Em parceria com o Banco Mundial, o governo do Tocantins implementará o projeto Desenvolvimento Regional Sustentável Integrado. Voltada para os setores de transporte, agricultura, pecuária, educação e, sobretudo, turismo, a iniciativa deverá beneficiar mais de 300 mil pessoas, incluindo 13 mil indígenas e 7,5 mil quilombolas. Programa incluirá a criação de um Observatório do Turismo, responsável por contabilizar visitantes do estado e monitorar serviços para viajantes.

Em Bangladesh, um voluntário do ACNUR recolhe informações de Mohammad Busho, um refugiado de 80 anos vindo de Mianmar. A coleta de dados é feita com um aplicativo de smartphone que contribui para agilizar o fornecimento de assistência. Foto: ACNUR/Roger Arnold

Banco Mundial e ACNUR criarão novo centro de dados sobre refúgio

O Banco Mundial e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) criarão um novo centro estatístico sobre pessoas em situação de deslocamento forçado e sobre as comunidades que as acolhem. Plataforma começará a operar em meados de 2018. Objetivo é coletar dados com qualidade e periodicidade a fim de orientar países na implementação de políticas de longo prazo.

Segundo os dois organismos da ONU, mais de 90% dos refugiados vivem em países em desenvolvimento e mais da metade é considerada deslocada por um período de mais de quatro anos. O cenário, avaliam as instituições, exige que as intervenções pontuais sejam combinadas a estratégias duradouras.

Bebê de nove dias na cidade de Bambaya, no distrito de Kono, em Serra Leoa. Foto: UNICEF/Phelps

ONU: 7 mil recém-nascidos morrem por dia no mundo

A cada dia de 2016, 15 mil crianças morreram antes do seu quinto aniversário. Quase metade delas – ou 7 mil bebês – faleceu nos primeiros 28 dias de vida, segundo relatório divulgado nesta semana (19) pela ONU. Documento aponta queda na mortalidade geral de crianças com menos de cinco anos, mas identifica alta na proporção de bebês que morrem durante o período neonatal.

Levantamento de agências das Nações Unidas aponta que, na África Subsaariana, uma a cada 36 crianças morre no primeiro mês de vida. Em países desenvolvidos, a taxa é de uma a cada 333.

Menina em sala de aula na Guatemala. Na América Latina e no Caribe, mais de 78% das mulheres com emprego ocupam postos de setores da economia considerados de baixa produtividade. Foto: Banco Mundial/Maria FleischmannMenina em sala de aula na Guatemala. Na América Latina e no Caribe, mais de 78% das mulheres com emprego ocupam postos de setores da economia considerados de baixa produtividade. Foto: Banco Mundial/Maria Fleischmann

Banco Mundial: América Latina ampliou educação, mas população pobre ainda tem menos oportunidades

Na América Latina e Caribe, apenas 50% das crianças de três anos de idade oriundas dos 20% mais pobres está na escola. No caso dos meninos e meninas que fazem parte dos 20% mais ricos, a taxa sobe para 90%. Em faixas etárias mais avançadas, disparidades também podem ser observadas. Em média, apenas 20% dos adultos de 21 anos de idade estão na escola. Todavia, entre os 20% mais ricos, o índice chega a 60%. Dados são de uma nova análise do Banco Mundial sobre acesso a educação.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, durante Fórum de Davos em 2013 Foto: Fórum Econômico Mundial/Michael Wuertenberg

FMI e Banco Mundial realizam cúpula em Washington sobre questões socioeconômicas globais

A cúpula anual dos conselhos de diretores do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) ocorre até domingo (15) em Washington, nos Estados Unidos, para discutir o trabalho das instituições e questões globais como perspectivas econômicas, erradicação da pobreza e impulso ao desenvolvimento.

“Após anos de desempenho medíocre, a economia global deve ter crescimento mais forte este ano, de 3,6%, e esperamos que esse impulso positivo continue em 2018”, disse a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, durante o evento.

“Isso nos dá uma grande oportunidade de garantir a recuperação e expandi-la para aqueles que ainda não estão se beneficiando dela, e incluir aqueles que estão excluídos ou estão sob o risco de serem excluídos”, salientou.

Brasil deve crescer 0,7% em 2017, segundo projeções do Banco Mundial. Foto: Agência Brasil

Banco Mundial: 28 dos 32 países da América Latina e do Caribe terão déficit fiscal em 2017

Relatório publicado pelo Banco Mundial nesta quarta-feira (11) indicou que 28 dos 32 países da América Latina e do Caribe terão déficit fiscal em 2017, após seis anos de desaceleração econômica na região.

O organismo internacional salienta que “a frágil situação fiscal” resultou em um nível de dívida pública médio para a região de 58,7% do PIB, com seis países superando 80% do PIB — Dominica, Venezuela, Antígua e Barbuda, Belize, Barbados e Jamaica.

Se o Paraná, no sul do Brasil, fosse um país, já teria cumprido a meta global das Nações Unidas para 2030 de reduzir a taxa de mortalidade materna para menos de 70 por 100 mil nascidos vivos (NV). Foto: EBC

Dar à luz com saúde, um desafio que persiste no mundo em desenvolvimento

Se o Paraná, no sul do Brasil, fosse um país, já teria cumprido a meta global das Nações Unidas para 2030 de reduzir a taxa de mortalidade materna para menos de 70 por 100 mil nascidos vivos (NV).

Nos últimos seis anos, o estado do Paraná conseguiu reduzir em 30% a mortalidade materna e 14% da mortalidade infantil. Esses são os principais resultados de um investimento de 630 milhões de reais, feito em parceria com o Banco Mundial. Os recursos foram aplicados na atenção primária, ambulatórios e hospitais, bem como na capacitação de 47 mil profissionais de saúde.

Amazônia. Foto: Paulo Santos/2001/Amazônia Sob Pressão (via Agência Brasil)

Iniciativa apoiada pelo Banco Mundial prevê recuperar 30 mil hectares da Amazônia até 2023

Uma iniciativa para a recuperação de áreas degradadas na Amazônia brasileira prevê a recuperação, nos próximos seis anos, de uma área de quase 30 mil hectares, o que corresponde a um número estimado de 73 milhões de árvores.

A ação é resultado de parceria entre Ministério do Meio Ambiente (MMA), Fundo Global do Meio Ambiente (GEF – Global Environment Facility), Banco Mundial, Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Conservação Internacional (CI-Brasil), Instituto Socioambiental (ISA) e Amazonia Live, iniciativa socioambiental do festival Rock in Rio.

Em artigo, economista do Banco Mundial afirma que os países desejam aprender com as experiências práticas de outros que atravessaram ou estão passando por desafios semelhantes. Foto: PMA/Isadora Ferreira

ARTIGO: Cooperação Sul-Sul é turismo de desenvolvimento ou traz resultados reais?

Em artigo, o economista do Banco Mundial e coordenador do programa Intercâmbio de Conhecimentos Sul-Sul, Igor Carneiro, fala da importância da troca de conhecimentos e experiências entre países que passaram ou estão passando por desafios semelhantes.

Segundo ele, inovações e soluções desenvolvidas no Sul podem ser adaptadas em outros países em desenvolvimento de forma muito mais fácil e apropriada do que as projetadas no Norte e para o Norte.

Foto: Banco Mundial

Quando entregas feitas por cidadãos comuns tornam cidades sustentáveis

Com o crescimento do comércio eletrônico, aumenta a necessidade de sistemas de entrega no mesmo dia, e o crowdshipping pode complementar as entregas por caminhão com veículos mais leves e fáceis de manobrar, já que cada vez mais cidades têm leis restringindo a circulação de caminhões.

“Da mesma forma como estimulamos projetos que permitam maior uso de transporte público e não motorizado, precisamos que os produtos cheguem às cidades. Portanto, a logística urbana é uma parte vital das cidades sustentáveis”, explica a especialista em Transportes Bianca Alves, do Banco Mundial.

Projeto multissetorial do Banco Mundial promoveu a infraestrutura rodoviária e iniciativas de igualdade de gênero. Foto: EBC

Projeto do Banco Mundial combate violência de gênero em rodovia do Tocantins

No Tocantins, um projeto multissetorial do Banco Mundial visa a aumentar a eficiência do transporte rodoviário do estado. A iniciativa também tem um componente educacional que visa a reduzir o risco de violência de gênero ao longo de uma rodovia.

Para o organismo internacional, a violência de gênero é um tema complexo que demanda a colaboração entre setores distintos — desde o transporte até a educação — de forma a agregar novas ferramentas para seu enfrentamento.

A violência contra as mulheres – particularmente a violência por parte de parceiros e a violência sexual – é um grande problema de saúde pública e de violação dos direitos humanos das mulheres. Foto: George Campos/USP Imagens

Agência da ONU participa de audiência pública sobre leis de proteção à mulher

Uma audiência pública realizada na quarta-feira (16) em Brasília debateu a necessidade de mudanças na legislação brasileira para que efetivamente protejam meninas e mulheres contra a violência. A audiência foi requerida pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, por meio das deputadas Erika Kokay (PT-DF) e Dâmina Pereira (PSL-MG). A representante auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, foi convidada para a sessão.

Premiação uniu-se à ONU para promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Imagem: Fundação BB

Fundação Banco do Brasil anuncia finalistas de premiação em parceria com a ONU

O Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social divulgou na terça-feira (15) as 18 iniciativas finalistas das categorias nacionais e três internacionais. Nove das selecionadas para a última fase da competição são do estado de São Paulo. Três são da Bahia, duas do Ceará, duas do Distrito Federal, uma da Paraíba e uma do Rio de Janeiro. Já na categoria internacional, duas tecnologias são da Argentina e uma de El Salvador. Premiação desse ano fez parceria com a ONU para promover o desenvolvimento sustentável.

Programas de alimentação escolar podem fortalecer agricultura local e garantir que crianças frequentam o colégio. Foto: PMA / Vinícius Limongi

Escolas sustentáveis de El Salvador são certificadas em concurso da Fundação Banco do Brasil

A iniciativa de alimentação escolar Escolas Sustentáveis, desenvolvida pela prefeitura de Atiquizaya, no Departamento de Ahuachapán, em El Salvador, foi selecionada entre 12 boas práticas internacionais para ser certificada pelo Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil 2017.

A edição 2017 do concurso conta com a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil e o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Para o Banco Mundial, a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) em substituição à Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) pode ter impacto significativo sobre o desempenho econômico do Brasil. Foto: EBC

ARTIGO: Entendendo os efeitos da reforma da Taxa de Longo Prazo (TLP) no Brasil

Em nota, analista e economista do Banco Mundial defendem mudanças na Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) adotada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Segundo os especialistas, a proposta em trâmite no Congresso de alinhar a TJLP aos juros de mercado seria uma etapa significativa para o “aperfeiçoamento da alocação de capital no Brasil, que deve aumentar a produtividade e o crescimento econômico”.

Fundação Banco do Brasil reconhece projetos sociais. Imagem: Fundação BB

Fundação Banco do Brasil divulga projetos sociais reconhecidos por premiação em parceria com a ONU

A Fundação Banco do Brasil divulgou nesta terça-feira (25) o resultado da primeira fase do seu Prêmio de Tecnologia Social. Das 735 iniciativas inscritas neste ano, 173 foram consideradas aptas para receber a certificação oferecida pela instituição. Em 2017, a premiação conta com a parceria da UNESCO, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Banco Mundial e do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD).

Projeção da CEPAL é de crescimento de 0,7% para o Brasil em 2017. Foto: UNCTAD.

Organizações econômicas pedem ao G20 impulso ao comércio internacional e apoio a trabalhadores

Organização Mundial do Comércio (OMC), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial pediram aos dirigentes do G20 um impulso ao comércio internacional com a redução das barreiras alfandegárias e dos subsídios, enquanto simultaneamente busquem melhores políticas para apoiar trabalhadores que perderam seus empregos.

Em declaração divulgada antes do início da cúpula do G20, as organizações enfatizaram que o bem-estar econômico de bilhões de pessoas depende do comércio internacional e que uma profunda integração comercial acompanhada de políticas domésticas de apoio aos trabalhadores podem ajudar a impulsionar a renda e acelerar o crescimento global.

Porto no Sri Lanka. Foto: Banco Mundial/Dominic Sansoni

Banco Mundial vê alta de 2,7% do PIB mundial em 2017; Brasil deve crescer 0,3%

Graças a uma retomada da manufatura e do comércio, a economia global está se recuperando, mas a fraqueza da produtividade e do investimento ameaçam as perspectivas de longo prazo nas economias em desenvolvimento, informou o Banco Mundial no início de junho (5).

Em seu mais novo relatório de expectativas, o Banco Mundial prevê crescimento global de 2,7%, conforme relatado em janeiro. Para o Brasil, a previsão é de avanço de apenas 0,3% em 2017 e de 1,8% em 2018.

Na região das Américas há mais de 127 milhões de fumantes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Tributação sobre cigarros não cobre prejuízos públicos do tabagismo, diz Banco Mundial

Quanto custa um maço de cigarros no comércio mais próximo da sua casa? Se você está na América Latina, é bem possível que o valor não seja alto a ponto de fazer você desistir da compra. Atualmente, apenas 33 países em todo o mundo — dos quais somente um latino-americano, o Chile — impõem impostos que representem mais de 75% do preço de um maço no varejo, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para desestimular o consumo.

Foto: Flickr/percursodacultura (cc)

Prêmio de soluções sociais apoiado pela ONU tem inscrições prorrogadas para 19/6

As inscrições para o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017, que premiará experiências de sucesso para solucionar desafios sociais, foram prorrogadas para 19 de junho.

Realizado a cada dois anos, o prêmio tem a cooperação da UNESCO no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Cerrado. Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

Banco Mundial libera US$ 32 mi para ajudar governo brasileiro a cadastrar propriedades rurais do Cerrado

O Banco Mundial e o Ministério do Meio Ambiente assinaram na segunda-feira (22) um acordo de empréstimo para a implementação do Cadastro Ambiental Rural no Bioma Cerrado. Organismo financeiro disponibilizará 32,48 milhões de dólares para a pasta federal. Com o dinheiro, governo conduzirá ações de registro de propriedades, a fim de promover recuperação de áreas degradadas. Nove estados serão beneficiados.