Cerrado. Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

Banco Mundial libera US$ 32 mi para ajudar governo brasileiro a cadastrar propriedades rurais do Cerrado

O Banco Mundial e o Ministério do Meio Ambiente assinaram na segunda-feira (22) um acordo de empréstimo para a implementação do Cadastro Ambiental Rural no Bioma Cerrado. Organismo financeiro disponibilizará 32,48 milhões de dólares para a pasta federal. Com o dinheiro, governo conduzirá ações de registro de propriedades, a fim de promover recuperação de áreas degradadas. Nove estados serão beneficiados.

Estudante na Universidade Católica do Peru. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Banco Mundial: 25% dos universitários da América Latina e Caribe são de média e baixa renda

Número foi estimado pelo Banco Mundial a partir de dados de 2013 e representa um avanço na ampliação do acesso ao ensino superior — em 2000, as pessoas mais pobres representavam apenas 16% dos estudantes de universidades da região. Apesar dos progressos, o organismo internacional alerta que apenas a metade dos universitários da América Latina e Caribe se forma, o que indica a necessidade de bons sistemas de financiamento para os estudantes de baixa renda.

Um dos objetivos principais do memorando de entendimento é fortalecer os meios de subsistência do meio rural e promover práticas agrícolas sustentáveis. Na imagem, uma mulher colhe piri-piri na sua plantação na Reserva Especial de Maputo. Foto: Banco Mundial/Andrea Borgarello

Banco Mundial apoia parceria entre Brasil e Moçambique para promover gestão sustentável de recursos naturais

Para ajudar Moçambique a explorar seus recursos naturais de forma sustentável, o Brasil firmou neste mês uma nova parceria com a nação africana. Cooperação conta com o apoio do Banco Mundial e contempla iniciativas voltadas para a proteção da biodiversidade, para o combate às mudanças climáticas e para a regulamentação de territórios. Moçambique possui 40 milhões de hectares de florestas naturais, mas por ano, 140 mil hectares são perdidos para o desmatamento.

A República do Congo, país centro-africano com mais de 4,7 milhões de pessoas, é altamente dependente dos recursos florestais para os meios de subsistência. Apesar de ser o segundo recurso natural mais valioso depois do petróleo, a contribuição das florestas para a economia nacional é relativamente baixa.

VÍDEO: Na República do Congo, envolver comunidades no manejo florestal sustentável traz benefícios

As taxas de desmatamento e de degradação, embora baixas em relação aos padrões internacionais, têm crescido rapidamente nos últimos anos na República do Congo. Prevê-se que se acelerem ainda mais à medida que o país tenta desenvolver áreas florestais, e à medida que a população cresce cerca de 3% ao ano.

Confira nesse vídeo como a iniciativa REDD+, a Redução de Emissões decorrentes do Desmatamento e da Degradação de Florestas, está ajudando a reverter esse processo.

Posto de atendimento do INSS. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Banco Mundial defende reforma da Previdência e alerta para déficits nos próximos 50 anos

Em nota técnica sobre a reforma da Previdência discutida no Brasil, o Banco Mundial aponta que as mudanças sugeridas pelo governo federal são “necessárias e urgentes” para conter a dívida da seguridade social.

Atualmente, sistemas de pensões — para funcionários do Estado e do setor privado — respondem por cerca de um terço do gasto público. Sem alterações, déficit do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), destinado ao segundo grupo, chegará a 16% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2066.

Alimentação escolar é tema de fórum regional no México. Evento terá participação de representantes do Brasil e da ONU. Foto: PMA/Isadora Ferreira

América Latina, Caribe e ONU discutem alimentação escolar em seminário no México

De 24 a 26 de abril, a Cidade do México sediará o VIII Seminário de Alimentação Escolar para a América Latina e o Caribe. Representantes de 15 países, incluindo do Brasil, e da ONU participarão do evento para compartilhar seus conhecimentos na área. O Programa Mundial de Alimentos (PMA), um dos organizadores, lançará durante o encontro uma nova publicação sobre o fornecimento de refeições em centros de ensino de 16 Estados-membros.

América Latina e Caribe devem retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico em 2017. Foto: Banco Mundial

Brasil deve crescer 0,7% em 2017, revela Banco Mundial em nova previsão

O Banco Mundial anunciou nesta terça-feira (18), em Washington, que a economia da América Latina e do Caribe crescerá 1,5% em 2017 e 2,5% em 2018, após seis anos de desaceleração econômica regional, incluindo dois anos de recessão. Brasil e Argentina, que estão aos poucos saindo de um cenário de contração da economia, têm papel modesto nesse novo momento regional: devem crescer 0,7% e 3%, respectivamente. Em previsões anteriores publicadas em janeiro, o organismo financeiro calculava que o Brasil cresceria menos em 2017 (0,5%).

O cacique Ricardo Benete mostra o apiário da terra guarani. Foto: Banco Mundial/Mariana K. Ceratti

Com apoio do Banco Mundial, guaranis de SC voltam a cultivar os próprios alimentos

Houve um tempo em que os guaranis da terra Tekoa Marangatu, no sul do Brasil, caçavam e coletavam para se alimentar. Hoje, a dieta é completamente diferente. Saíram as frutas, verduras, legumes e carnes; entraram os enlatados, biscoitos e outros produtos industrializados. Para reverter esse cenário, o Banco Mundial apoia os indígenas a retomar o cultivo de produtos naturais, antes plantados e consumidos na própria aldeia.

Infraestrutura pode ser motor do crescimento econômico na América Latina e no Caribe. Foto: Banco Mundial

Banco Mundial discute papel da infraestrutura no crescimento econômico da América Latina e Caribe

Com os preços das matérias-primas em baixa no mercado internacional, investir em infraestrutura pode ajudar a América Latina e o Caribe a retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico. A aposta é do Banco Mundial, que discute o tema em um evento na próxima quinta-feira (20). Encontro de especialistas acontece na sede do organismo, em Washington, mas poderá ser acompanhado pela internet de qualquer parte do mundo.

Foto: PEXELS

Especialista da ONU critica uso indiscriminado de medicamentos para tratar depressão

Em alerta sobre a necessidade de abordagens mais equilibradas para enfrentar a depressão, o relator especial da ONU sobre o direito à saúde, Dainius Pūras, defendeu na semana passada (7) que o tratamento do transtorno mental não deve confiar apenas no uso de medicamentos.

Lidar com a doença, segundo ele, implica combater violência, abusos e desigualdades que frenquentemente estão na origem da patologia. Países deve mudar o foco dos ‘desiquilíbrios químicos’ para os ‘desiquilíbrios de poder’ na sociedade.

Da esquerda, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo; o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim; a diretora-executiva do FMI, Christine Lagarde; e o CEO das Câmaras de Comércio da Alemanha, Martin Wansleben, no lançamento em Berlim do relatório ‘Tornando o comércio um motor de crescimento para todos’ Foto: OMC

ONU: políticas nacionais podem compensar impacto do desemprego causado pela concorrência no mercado

O comércio leva a ganhos de produtividade e benefícios significativos para os consumidores, especialmente os pobres, mas também pode ser responsável por deslocamentos de empregos que devem ser enfrentados através de políticas nacionais sólidas e capazes de ajudar a recuperação dos desempregados.

Foi o que afirmaram economistas da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial nessa semana (10) durante lançamento de relatório.

Existem 100 milhões de pessoas sem acesso a sistemas adequados de saneamento na América Latina e 70 milhões não têm água encanada, segundo dados da ONU. No Brasil, menos da metade da população tem acesso a redes de esgoto. Foto: EBC

América Latina precisa melhorar eficiência de gastos em infraestrutura, diz Banco Mundial

A região da América Latina e Caribe poderia melhorar significativamente sua infraestrutura avaliando melhor as prioridades e melhorando a eficiência dos gastos, de acordo com novo relatório do Banco Mundial.

Melhorar o desempenho em um ambiente fiscal apertado exigirá prioridades bem definidas, de acordo com a instituição. O relatório aponta o saneamento básico e o transporte, áreas em que a América Latina e o Caribe estão atrasados em relação a outras regiões de renda média, como áreas potencialmente prioritárias.

Foto: Flickr/percursodacultura (cc)

Fundação Banco do Brasil e ONU abrem inscrições para prêmio sobre desenvolvimento sustentável

Até 31 de maio, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017 recebe inscrições de iniciativas desenvolvidas para resolver problemas em seis áreas — água e meio ambiente, agroecologia, economia solidária, educação, saúde e bem-estar, cidades sustentáveis e inovação digital — que formam as categorias temáticas do concurso. Premiação tem o apoio de quatro agências da ONU no país.

Trecho do Parque Rachel de Queiroz, em Fortaleza. Foto: Prefeitura de Fortaleza/Kaio Machado

Banco Mundial ajuda Fortaleza a revitalizar áreas degradadas e melhorar mobilidade urbana

Em Fortaleza, o Banco Mundial se uniu à Prefeitura para reabilitar as áreas da Bacia de Vertente Marítima e do Parque Rachel de Queiroz. A iniciativa é parte do esforço do organismo financeiro para enfrentar alguns dos problemas trazidos pela urbanização acelerada e não planejada no Brasil. Projeto foi premiado pelo Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) em janeiro deste ano.

Foto: EBC

Fórum em Recife discute políticas públicas para agricultura familiar no Brasil

O 8º Fórum dos Gestores da Agricultura Familiar do Nordeste do Brasil e de Minas Gerais reuniu na semana passada em Recife (PE) os principais tomadores de decisão nas políticas públicas para o setor no país, além de especialistas e movimentos sociais.

O fórum teve apoio logístico e temático do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas, por meio do Programa Semear, uma iniciativa de gestão do conhecimento em zonas semiáridas. O evento teve ainda a participação do Banco Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Para Banco Mundial, países latino-americanos e caribenhos precisam intensificar a integração regional para retomar o crescimento. Foto: APPA

Banco Mundial: integração é vital para crescimento de América Latina e Caribe

Medidas para aprofundar a integração econômica entre países da América Latina e do Caribe tornariam a região mais competitiva nos mercados internacionais e estimulariam o crescimento no longo prazo, afirmou novo relatório publicado pelo Banco Mundial.

O relatório sustenta que uma renovada estratégia de integração, que aproveite os benefícios das complementariedades entre a integração econômica regional e global, pode contribuir para o crescimento com estabilidade. Isto é especialmente importante para uma região que está se recuperando após dois anos de recessão, afirmou a instituição.

Brasil tem o maior índice de casamentos infantis da América Latina. Foto: EBC

Brasil tem maior número de casamentos infantis da América Latina e o 4º mais alto do mundo

No Brasil, 3 milhões de jovens de 20 a 24 anos tiveram o matrimônio formalizado antes da maioridade. O número — que é o maior da América Latina e o 4º mais alto do mundo em valores absolutos — representa 36% do total de mulheres dessa faixa etária casadas. No mundo, anualmente, 15 milhões de meninas se casam antes de completar 18 anos. Casamento infantil é tema de relatório divulgado na quinta-feira (9) pelo Banco Mundial, UNFPA e ONU Mulheres.

Foto: Pixabay/CCO

Banco Mundial lança relatório mostrando lacunas em legislação sobre violência contra a mulher

O Banco Mundial, em parceria com a ONU Mulheres e o Fundo de População das Nações Unidas, lança nesta quinta-feira (9), em Brasília, o relatório “Fechando a Brecha: Melhorando as Leis de Proteção à Mulher Contra a Violência”. O documento examina onde existem lacunas na legislação sobre violência contra as mulheres em 173 economias em todo o mundo e pretende ser uma ferramenta para identificar oportunidades de reformas legislativas.

Centro de Nairóbi, no Quênia. Foto: ONU-HABITAT

Até 2025, África terá 656 milhões de pessoas vivendo em cidades

O aumento da população urbana virá acompanhado de uma expansão da extensão de terras ocupadas por municípios e metrópoles. A área total que será acrescida à malha urbana da África equivale ao território da Nigéria, segundo novo relatório do Banco Mundial. Organismo financeiro detalha desafios que o continente terá de enfrentar para tornar cidades menos caras para os habitantes e mais atrativas para investidores.

Carros elétricos em funcionamento em Fortaleza. Foto: Prefeitura de Fortaleza/Thiago Gaspar

Fortaleza aposta em carros elétricos e bicicletas para tornar setor de transportes menos poluente

Para reduzir emissões de gases do efeito estufa em 20% no setor de transportes, Fortaleza apostou em medidas como a criação de ciclovia, que já se estendem por 199km de pistas para bicicletas, e de faixas exclusivas para ônibus, que já cobrem 98 km. Capital do Ceará também disponibilizou 20 automóveis elétricos para uso da população. Iniciativas foram apresentadas em evento do Banco Mundial em Washington.

Foto: EBC

Número de pobres no Brasil terá aumento de no mínimo 2,5 milhões em 2017, aponta Banco Mundial

Até o final de 2017, o Brasil deverá testemunhar um aumento de 2,5 milhões até 3,6 milhões no número de pessoas vivendo na miséria. Resultado da prolongada crise econômica, a estimativa foi divulgada neste mês pelo Banco Mundial, que sugeriu um aumento do orçamento do Bolsa Família para atender os “novos pobres”. Em média, esses brasileiros têm menos de 40 anos, moram nas zonas urbanas, concluíram pelo menos o Ensino Médio e estavam empregados em 2015, sobretudo no setor de serviços.

Você sabia que nos primeiros mil dias de vida de uma criança, as células cerebrais podem fazer até mil novas conexões por segundo? Essas conexões lançam as bases para a saúde e a felicidade delas no futuro. A falta de cuidado – que inclui nutrição adequada, estímulo, amor e proteção contra o estresse e a violência – pode impedir o desenvolvimento dessas conexões fundamentais.

Banco Mundial: investir nos primeiros anos de uma criança gera crescimento e produtividade

Você sabia que nos primeiros mil dias de vida de uma criança, as células cerebrais podem fazer até mil novas conexões por segundo? Essas conexões lançam as bases para a saúde e a felicidade delas no futuro. A falta de cuidado – que inclui nutrição adequada, estímulo, amor e proteção contra o estresse e a violência – pode impedir o desenvolvimento dessas conexões fundamentais.

Em 2013, a insatisfação com serviços públicos de baixa qualidade levou milhares de manifestantes às ruas do Brasil. Foto: EBC

Insatisfação com serviços públicos exige de governos mais transparência e menos corrupção

Em relatório sobre como políticas e legislações podem coibir o desrespeito à lei e promover crescimento inclusivo, o Banco Mundial lembra das manifestações de 2013 no Brasil, quando protestos exigiram serviços públicos de qualidade ‘padrão FIFA’. Em situações de insatisfação, organismo financeiro recomenda usar recursos públicos de forma transparente e redobrar esforços contra corrupção.

América Latina e Caribe concentram índices elevados de violência. Foto: Shutterstock/vitoj

Luta contra criminalidade na América Latina exige mais esforços de prevenção, diz Banco Mundial

Em 2012, estimativas indicavam que, a cada 15 minutos, quatro pessoas eram vítimas de homicídio na América Latina e no Caribe. Em 2013, das 50 cidades mais violentas do mundo, 42 estavam localizadas na região. Cenário contraria crença de que crescimento econômico e redução da pobreza são suficientes para acabar com a violência. Banco Mundial propõe que prevenção da criminalidade deve envolver políticas diversas de saúde, atenção à infância e educação.