Em artigo, economista do Banco Mundial afirma que os países desejam aprender com as experiências práticas de outros que atravessaram ou estão passando por desafios semelhantes. Foto: PMA/Isadora Ferreira

ARTIGO: Cooperação Sul-Sul é turismo de desenvolvimento ou traz resultados reais?

Em artigo, o economista do Banco Mundial e coordenador do programa Intercâmbio de Conhecimentos Sul-Sul, Igor Carneiro, fala da importância da troca de conhecimentos e experiências entre países que passaram ou estão passando por desafios semelhantes.

Segundo ele, inovações e soluções desenvolvidas no Sul podem ser adaptadas em outros países em desenvolvimento de forma muito mais fácil e apropriada do que as projetadas no Norte e para o Norte.

Foto: Banco Mundial

Quando entregas feitas por cidadãos comuns tornam cidades sustentáveis

Com o crescimento do comércio eletrônico, aumenta a necessidade de sistemas de entrega no mesmo dia, e o crowdshipping pode complementar as entregas por caminhão com veículos mais leves e fáceis de manobrar, já que cada vez mais cidades têm leis restringindo a circulação de caminhões.

“Da mesma forma como estimulamos projetos que permitam maior uso de transporte público e não motorizado, precisamos que os produtos cheguem às cidades. Portanto, a logística urbana é uma parte vital das cidades sustentáveis”, explica a especialista em Transportes Bianca Alves, do Banco Mundial.

Projeto multissetorial do Banco Mundial promoveu a infraestrutura rodoviária e iniciativas de igualdade de gênero. Foto: EBC

Projeto do Banco Mundial combate violência de gênero em rodovia do Tocantins

No Tocantins, um projeto multissetorial do Banco Mundial visa a aumentar a eficiência do transporte rodoviário do estado. A iniciativa também tem um componente educacional que visa a reduzir o risco de violência de gênero ao longo de uma rodovia.

Para o organismo internacional, a violência de gênero é um tema complexo que demanda a colaboração entre setores distintos — desde o transporte até a educação — de forma a agregar novas ferramentas para seu enfrentamento.

Relatório do Banco Mundial examina lacunas existentes na legislação de 173 economias relacionadas à violência contra as mulheres. Foto: George Campos/USP Imagens

Agência da ONU participa de audiência pública sobre leis de proteção à mulher

Uma audiência pública realizada na quarta-feira (16) em Brasília debateu a necessidade de mudanças na legislação brasileira para que efetivamente protejam meninas e mulheres contra a violência. A audiência foi requerida pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, por meio das deputadas Erika Kokay (PT-DF) e Dâmina Pereira (PSL-MG). A representante auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, foi convidada para a sessão.

Premiação uniu-se à ONU para promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Imagem: Fundação BB

Fundação Banco do Brasil anuncia finalistas de premiação em parceria com a ONU

O Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social divulgou na terça-feira (15) as 18 iniciativas finalistas das categorias nacionais e três internacionais. Nove das selecionadas para a última fase da competição são do estado de São Paulo. Três são da Bahia, duas do Ceará, duas do Distrito Federal, uma da Paraíba e uma do Rio de Janeiro. Já na categoria internacional, duas tecnologias são da Argentina e uma de El Salvador. Premiação desse ano fez parceria com a ONU para promover o desenvolvimento sustentável.

Programas de alimentação escolar podem fortalecer agricultura local e garantir que crianças frequentam o colégio. Foto: PMA / Vinícius Limongi

Escolas sustentáveis de El Salvador são certificadas em concurso da Fundação Banco do Brasil

A iniciativa de alimentação escolar Escolas Sustentáveis, desenvolvida pela prefeitura de Atiquizaya, no Departamento de Ahuachapán, em El Salvador, foi selecionada entre 12 boas práticas internacionais para ser certificada pelo Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil 2017.

A edição 2017 do concurso conta com a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) no Brasil e o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Para o Banco Mundial, a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) em substituição à Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) pode ter impacto significativo sobre o desempenho econômico do Brasil. Foto: EBC

ARTIGO: Entendendo os efeitos da reforma da Taxa de Longo Prazo (TLP) no Brasil

Em nota, analista e economista do Banco Mundial defendem mudanças na Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) adotada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Segundo os especialistas, a proposta em trâmite no Congresso de alinhar a TJLP aos juros de mercado seria uma etapa significativa para o “aperfeiçoamento da alocação de capital no Brasil, que deve aumentar a produtividade e o crescimento econômico”.

Fundação Banco do Brasil reconhece projetos sociais. Imagem: Fundação BB

Fundação Banco do Brasil divulga projetos sociais reconhecidos por premiação em parceria com a ONU

A Fundação Banco do Brasil divulgou nesta terça-feira (25) o resultado da primeira fase do seu Prêmio de Tecnologia Social. Das 735 iniciativas inscritas neste ano, 173 foram consideradas aptas para receber a certificação oferecida pela instituição. Em 2017, a premiação conta com a parceria da UNESCO, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Banco Mundial e do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD).

A OMC prevê crescimento de 2,4% para o comércio global em 2017, caso a economia mundial se recupere como esperado. Foto: UNCTAD.

Organizações econômicas pedem ao G20 impulso ao comércio internacional e apoio a trabalhadores

Organização Mundial do Comércio (OMC), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial pediram aos dirigentes do G20 um impulso ao comércio internacional com a redução das barreiras alfandegárias e dos subsídios, enquanto simultaneamente busquem melhores políticas para apoiar trabalhadores que perderam seus empregos.

Em declaração divulgada antes do início da cúpula do G20, as organizações enfatizaram que o bem-estar econômico de bilhões de pessoas depende do comércio internacional e que uma profunda integração comercial acompanhada de políticas domésticas de apoio aos trabalhadores podem ajudar a impulsionar a renda e acelerar o crescimento global.

Porto no Sri Lanka. Foto: Banco Mundial/Dominic Sansoni

Banco Mundial vê alta de 2,7% do PIB mundial em 2017; Brasil deve crescer 0,3%

Graças a uma retomada da manufatura e do comércio, a economia global está se recuperando, mas a fraqueza da produtividade e do investimento ameaçam as perspectivas de longo prazo nas economias em desenvolvimento, informou o Banco Mundial no início de junho (5).

Em seu mais novo relatório de expectativas, o Banco Mundial prevê crescimento global de 2,7%, conforme relatado em janeiro. Para o Brasil, a previsão é de avanço de apenas 0,3% em 2017 e de 1,8% em 2018.

Na região das Américas há mais de 127 milhões de fumantes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Tributação sobre cigarros não cobre prejuízos públicos do tabagismo, diz Banco Mundial

Quanto custa um maço de cigarros no comércio mais próximo da sua casa? Se você está na América Latina, é bem possível que o valor não seja alto a ponto de fazer você desistir da compra. Atualmente, apenas 33 países em todo o mundo — dos quais somente um latino-americano, o Chile — impõem impostos que representem mais de 75% do preço de um maço no varejo, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para desestimular o consumo.

Foto: Flickr/percursodacultura (cc)

Prêmio de soluções sociais apoiado pela ONU tem inscrições prorrogadas para 19/6

As inscrições para o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017, que premiará experiências de sucesso para solucionar desafios sociais, foram prorrogadas para 19 de junho.

Realizado a cada dois anos, o prêmio tem a cooperação da UNESCO no Brasil e o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do Banco Mundial, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Cerrado. Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

Banco Mundial libera US$ 32 mi para ajudar governo brasileiro a cadastrar propriedades rurais do Cerrado

O Banco Mundial e o Ministério do Meio Ambiente assinaram na segunda-feira (22) um acordo de empréstimo para a implementação do Cadastro Ambiental Rural no Bioma Cerrado. Organismo financeiro disponibilizará 32,48 milhões de dólares para a pasta federal. Com o dinheiro, governo conduzirá ações de registro de propriedades, a fim de promover recuperação de áreas degradadas. Nove estados serão beneficiados.

Estudante na Universidade Católica do Peru. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Banco Mundial: 25% dos universitários da América Latina e Caribe são de média e baixa renda

Número foi estimado pelo Banco Mundial a partir de dados de 2013 e representa um avanço na ampliação do acesso ao ensino superior — em 2000, as pessoas mais pobres representavam apenas 16% dos estudantes de universidades da região. Apesar dos progressos, o organismo internacional alerta que apenas a metade dos universitários da América Latina e Caribe se forma, o que indica a necessidade de bons sistemas de financiamento para os estudantes de baixa renda.

Um dos objetivos principais do memorando de entendimento é fortalecer os meios de subsistência do meio rural e promover práticas agrícolas sustentáveis. Na imagem, uma mulher colhe piri-piri na sua plantação na Reserva Especial de Maputo. Foto: Banco Mundial/Andrea Borgarello

Banco Mundial apoia parceria entre Brasil e Moçambique para promover gestão sustentável de recursos naturais

Para ajudar Moçambique a explorar seus recursos naturais de forma sustentável, o Brasil firmou neste mês uma nova parceria com a nação africana. Cooperação conta com o apoio do Banco Mundial e contempla iniciativas voltadas para a proteção da biodiversidade, para o combate às mudanças climáticas e para a regulamentação de territórios. Moçambique possui 40 milhões de hectares de florestas naturais, mas por ano, 140 mil hectares são perdidos para o desmatamento.

A República do Congo, país centro-africano com mais de 4,7 milhões de pessoas, é altamente dependente dos recursos florestais para os meios de subsistência. Apesar de ser o segundo recurso natural mais valioso depois do petróleo, a contribuição das florestas para a economia nacional é relativamente baixa.

VÍDEO: Na República do Congo, envolver comunidades no manejo florestal sustentável traz benefícios

As taxas de desmatamento e de degradação, embora baixas em relação aos padrões internacionais, têm crescido rapidamente nos últimos anos na República do Congo. Prevê-se que se acelerem ainda mais à medida que o país tenta desenvolver áreas florestais, e à medida que a população cresce cerca de 3% ao ano.

Confira nesse vídeo como a iniciativa REDD+, a Redução de Emissões decorrentes do Desmatamento e da Degradação de Florestas, está ajudando a reverter esse processo.

Posto de atendimento do INSS. Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Banco Mundial defende reforma da Previdência e alerta para déficits nos próximos 50 anos

Em nota técnica sobre a reforma da Previdência discutida no Brasil, o Banco Mundial aponta que as mudanças sugeridas pelo governo federal são “necessárias e urgentes” para conter a dívida da seguridade social.

Atualmente, sistemas de pensões — para funcionários do Estado e do setor privado — respondem por cerca de um terço do gasto público. Sem alterações, déficit do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), destinado ao segundo grupo, chegará a 16% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2066.

Em artigo, economista do Banco Mundial afirma que os países desejam aprender com as experiências práticas de outros que atravessaram ou estão passando por desafios semelhantes. Foto: PMA/Isadora Ferreira

América Latina, Caribe e ONU discutem alimentação escolar em seminário no México

De 24 a 26 de abril, a Cidade do México sediará o VIII Seminário de Alimentação Escolar para a América Latina e o Caribe. Representantes de 15 países, incluindo do Brasil, e da ONU participarão do evento para compartilhar seus conhecimentos na área. O Programa Mundial de Alimentos (PMA), um dos organizadores, lançará durante o encontro uma nova publicação sobre o fornecimento de refeições em centros de ensino de 16 Estados-membros.

América Latina e Caribe devem retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico em 2017. Foto: Banco Mundial

Brasil deve crescer 0,7% em 2017, revela Banco Mundial em nova previsão

O Banco Mundial anunciou nesta terça-feira (18), em Washington, que a economia da América Latina e do Caribe crescerá 1,5% em 2017 e 2,5% em 2018, após seis anos de desaceleração econômica regional, incluindo dois anos de recessão. Brasil e Argentina, que estão aos poucos saindo de um cenário de contração da economia, têm papel modesto nesse novo momento regional: devem crescer 0,7% e 3%, respectivamente. Em previsões anteriores publicadas em janeiro, o organismo financeiro calculava que o Brasil cresceria menos em 2017 (0,5%).

O cacique Ricardo Benete mostra o apiário da terra guarani. Foto: Banco Mundial/Mariana K. Ceratti

Com apoio do Banco Mundial, guaranis de SC voltam a cultivar os próprios alimentos

Houve um tempo em que os guaranis da terra Tekoa Marangatu, no sul do Brasil, caçavam e coletavam para se alimentar. Hoje, a dieta é completamente diferente. Saíram as frutas, verduras, legumes e carnes; entraram os enlatados, biscoitos e outros produtos industrializados. Para reverter esse cenário, o Banco Mundial apoia os indígenas a retomar o cultivo de produtos naturais, antes plantados e consumidos na própria aldeia.

Infraestrutura pode ser motor do crescimento econômico na América Latina e no Caribe. Foto: Banco Mundial

Banco Mundial discute papel da infraestrutura no crescimento econômico da América Latina e Caribe

Com os preços das matérias-primas em baixa no mercado internacional, investir em infraestrutura pode ajudar a América Latina e o Caribe a retomar taxas mais expressivas de crescimento econômico. A aposta é do Banco Mundial, que discute o tema em um evento na próxima quinta-feira (20). Encontro de especialistas acontece na sede do organismo, em Washington, mas poderá ser acompanhado pela internet de qualquer parte do mundo.

Foto: PEXELS

Especialista da ONU critica uso indiscriminado de medicamentos para tratar depressão

Em alerta sobre a necessidade de abordagens mais equilibradas para enfrentar a depressão, o relator especial da ONU sobre o direito à saúde, Dainius Pūras, defendeu na semana passada (7) que o tratamento do transtorno mental não deve confiar apenas no uso de medicamentos.

Lidar com a doença, segundo ele, implica combater violência, abusos e desigualdades que frenquentemente estão na origem da patologia. Países deve mudar o foco dos ‘desiquilíbrios químicos’ para os ‘desiquilíbrios de poder’ na sociedade.

Da esquerda, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo; o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim; a diretora-executiva do FMI, Christine Lagarde; e o CEO das Câmaras de Comércio da Alemanha, Martin Wansleben, no lançamento em Berlim do relatório ‘Tornando o comércio um motor de crescimento para todos’ Foto: OMC

ONU: políticas nacionais podem compensar impacto do desemprego causado pela concorrência no mercado

O comércio leva a ganhos de produtividade e benefícios significativos para os consumidores, especialmente os pobres, mas também pode ser responsável por deslocamentos de empregos que devem ser enfrentados através de políticas nacionais sólidas e capazes de ajudar a recuperação dos desempregados.

Foi o que afirmaram economistas da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial nessa semana (10) durante lançamento de relatório.

Existem 100 milhões de pessoas sem acesso a sistemas adequados de saneamento na América Latina e 70 milhões não têm água encanada, segundo dados da ONU. No Brasil, menos da metade da população tem acesso a redes de esgoto. Foto: EBC

América Latina precisa melhorar eficiência de gastos em infraestrutura, diz Banco Mundial

A região da América Latina e Caribe poderia melhorar significativamente sua infraestrutura avaliando melhor as prioridades e melhorando a eficiência dos gastos, de acordo com novo relatório do Banco Mundial.

Melhorar o desempenho em um ambiente fiscal apertado exigirá prioridades bem definidas, de acordo com a instituição. O relatório aponta o saneamento básico e o transporte, áreas em que a América Latina e o Caribe estão atrasados em relação a outras regiões de renda média, como áreas potencialmente prioritárias.

Foto: Flickr/percursodacultura (cc)

Fundação Banco do Brasil e ONU abrem inscrições para prêmio sobre desenvolvimento sustentável

Até 31 de maio, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017 recebe inscrições de iniciativas desenvolvidas para resolver problemas em seis áreas — água e meio ambiente, agroecologia, economia solidária, educação, saúde e bem-estar, cidades sustentáveis e inovação digital — que formam as categorias temáticas do concurso. Premiação tem o apoio de quatro agências da ONU no país.