Agências da ONU somam esforços em nova parceria para erradicar o ebola

As operações conjuntas vão priorizar 60 distritos dos países mais afetados pelo vírus: Guiné, Libéria e Serra Leoa.

O avião de resposta humanitária na Itália partirá para a Serra Leoa com equipamentos do PMA valorados em 300 mil dólares para combater o ebola. Foto: PMA

O avião de resposta humanitária na Itália partirá para a Serra Leoa com equipamentos do PMA valorados em 300 mil dólares para combater o ebola. Foto: PMA


A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Programa Mundial Alimenta r(PMA) anunciaram nesta quarta-feira (11) que vão combinar sua experiência em saúde pública e logística em uma nova parceria para erradicar o vírus ebola na África Ocidental.

“Essa parceria aumenta a habilidade das duas agências para alcançar, monitorar e responder às necessidades de todas pessoas afetadas pelo ebola”, declarou a diretora-geral da OMS, Margareth Chan. “Isso nos ajuda a implementar e manter equipes técnicas com experiência em prevenção e controle de infecções, epidemiologia e rastreio de contatos, permitindo que os trabalhadores de saúde façam seu melhor trabalho.”

“Nos últimos sete meses, parcerias têm sido cruciais na luta contra esse surto devastador,” disse a diretora executiva do PMA, Ertharin Cousin. “O PMA tem trabalhado com seus parceiros para responder às necessidades mais básicas das comunidades – garantindo que os alimentos estejam chegando em todo o lugar que o vírus ebola atingiu.”

De acordo com Cousin, o apoio logístico da PMA à OMS e a ampla comunidade humanitária têm permitido que as pessoas afetadas recebam o sucorro urgente e todo o suporte de que precisam. “A crise do ebola não vai acabar até que tenhámos identificado, alcançado e tratado de forma bem sucedida o último caso,” disse ela. A operação conjunta chegará a mais de 60 distritos prioritários, nos três países mais atingidos -Guiné, Libéria e Serra Leoa – que já detectaram mais de 24 mil casos de contágio e perderam quase 10 mil vidas.