Agências da ONU fortalecem capacidade de visitadores familiares em meio à pandemia

Para apoiar o Programa Criança Feliz no contexto da pandemia, agências do Sistema ONU estão desenvolvendo uma série de conteúdos para fortalecer o trabalho dos visitadores familiares do programa.

Toda semana, esses profissionais recebem vídeos, podcasts e conteúdos informativos com foco em temas como saúde emocional familiar e os cuidados parentais; ansiedade infantil; entre outros.

O Criança Feliz, que teve início em 2016, é uma política pública com foco no desenvolvimento adequado na primeira infância e articula um trabalho entre os setores de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. Leia o relato do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Visita de atendimento do programa Criança Feliz - Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

Visita de atendimento do programa Criança Feliz – Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

Não deixar ninguém para trás e acelerar o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) com foco nas populações mais vulneráveis e difíceis de ser alcançadas. É em torno dessa meta que o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está liderando um conjunto de agências da ONU no Brasil para fortalecer os serviços públicos direcionados à primeira infância.

Esse trabalho conjunto ocorre no contexto do Programa Conjunto Fundo ODS (Joint Programme SDG Fund), que tem como objetivo incentivar os países a acelerar o alcance dos 17 ODS de uma maneira integrada, com o apoio do Sistema ONU.

No Brasil, cerca de 1 milhão de famílias e cuidadores/as de crianças de até 6 anos têm sido beneficiadas pela ação.

O Programa Conjunto Fundo ODS tem trabalhado com o Ministério da Cidadania para fortalecer o Programa Criança Feliz, que faz o acompanhamento de milhares de gestantes e crianças de até 6 anos em quase 3 mil municípios brasileiros.

“A primeira infância é uma janela de oportunidade única para que a criança possa desenvolver todo o seu potencial. Nessa etapa da vida, tão importante quanto cuidar da saúde da criança, é fundamental estimular o desenvolvimento cognitivo. O Programa Criança Feliz possibilita que crianças de famílias mais vulneráveis tenham seu direito a crescer e se desenvolver garantidos”, explica Cristina Albuquerque, chefe de Saúde e Desenvolvimento Infantil do UNICEF no Brasil.

Para apoiar o Programa Criança Feliz no contexto da pandemia, as agências parceiras do Programa Conjunto Fundo ODS – Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e ONU Mulheres – estão desenvolvendo uma série de conteúdos para fortalecer o trabalho dos visitadores familiares do programa.

“Neste momento, o trabalho das equipes de visitadores se encontra especialmente complexa. A pandemia traz novos desafios e questões sobre os quais os visitadores precisam orientar as famílias”, explica Cristina.

Toda semana, esses profissionais recebem vídeos, podcasts e conteúdos informativos com foco nos seguintes temas: saúde emocional familiar e os cuidados parentais; ansiedade infantil; depressão materna; jogos e brincadeiras no ambiente familiar; violência doméstica; garantia e direitos sociais às crianças e gestantes; acidentes domésticos envolvendo crianças.

No Brasil, o Programa Conjunto Fundo SDG tem como meta aumentar a participação e retenção dos municípios elegíveis ao Programa Criança Feliz, aumentando o número de beneficiários do programa (1000 novos municípios e 1 milhão de beneficiários em 2 anos); além de fortalecer as capacidades dos profissionais do PCF e a qualidade das intervenções multissetoriais, apoiando o Ministério da Cidadania a fortalecer as intervenções e ações voltadas às crianças e gestantes.

O Criança Feliz, que teve início em 2016, é uma política pública com foco no desenvolvimento adequado na primeira infância e articula um trabalho entre os setores de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos.

O programa já foi implementado em 2.787 municípios brasileiros, computando o atendimento de mais de 850 mil crianças e gestantes.