Agências da ONU elogiam preparação do governo das Filipinas para lidar com tufão Koppu

Mais de 55 mil pessoas e 12 mil famílias foram evacuadas de regiões vulneráveis. Alertas emitidos com antecedência contribuíram para redução da mortalidade da população afetada pelo ciclone tropical.

Um jovem cruza uma rua inundada após a passagem do tufão Koppu. Foto: UNICEF Filipinas

Um jovem cruza uma rua inundada após a passagem do tufão Koppu. Foto: UNICEF Filipinas

Em pronunciamento nesta segunda-feira (19), agências da ONU elogiaram a preparação do governo das Filipinas para lidar com o Tufão Koppu, que atingiu o país no domingo. De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), mais de 55 mil pessoas e 12 mil famílias foram evacuadas de regiões vulneráveis. O Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR) destacou os esforços das autoridades, que conseguiram reduzir a mortalidade entre a população afetada pelo fenômeno climático.

“A comunicação de alertas prévios nas Filipinas melhorou significativamente desde que o Tufão Haiyan provocou a perda de mais de 6 mil vidas em novembro de 2013. Em dezembro do ano passado, um grande número de mortes também foi evitado por evacuações em larga escala, tendo em vista o Tufão Hagupit”, afirmou a diretora do UNISDR, Margareta Wahlström.

Apesar dos avanços nos programas de prevenção, a representante do UNICEF, Lotta Sylwander, chamou atenção para a vulnerabilidade das crianças em situações de desastre natural. “Depois de um tufão, crianças enfrentam os riscos de fontes de água contaminadas, falta de comida, epidemias de cólera, hipotermia, diarreia e pneumonia”, explicou. A agência da ONU precisa 2,8 milhões para reabastecer suas provisões de assistência à população.

O Tufão Koppu é o décimo segundo ciclone tropical que atinge as Filipinas nesse ano. Em média, o país enfrenta 20 fenômenos do tipo por ano. ”As Filipinas são o país mais exposto a tempestades no mundo”, destacou Wahlström. Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), em 2015, os tufões têm apresentado uma intensidade maior por conta de outra manifestação climática, o El Niño.