UNIDO

Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) é a agência especializada das Nações Unidas que promove o desenvolvimento industrial para a redução da pobreza, a globalização inclusiva, e a sustentabilidade ambiental.

Nos últimos anos a UNIDO assumiu um papel preponderante na agenda global de desenvolvimento ao focar suas atividades na erradicação da pobreza, na globalização inclusiva e na sustentabilidade ambiental.

Os serviços prestados pela a agência baseiam-se em duas funções principais: enquanto fórum global, gera-se e dissemina-se conhecimento relacionado à indústria; enquanto agência de cooperação técnica, proporciona-se apoio técnico e a implementação de projetos.

Atualmente a organização é reconhecida como provedora importante, eficiente e especializada de serviços-chave para cumprir os desafios interligados de redução da pobreza por meio de atividades produtivas, de integração dos países em desenvolvimento no comércio global por meio de capacitação, de promoção da sustentabilidade ambiental na indústria, e de melhora no acesso à energia.

A visão de longo prazo da UNIDO é a aspiração de um mundo onde o desenvolvimento econômico seja sustentável e seu progresso igualitário.

Seu papel é ser uma instituição informada, em sintonia com os objetivos de seus parceiros e capaz de oferecer contribuições efetivas ao desenvolvimento industrial sustentável. A organização foca em três principais áreas temáticas:

1. A redução da pobreza por meio de atividades produtivas

Projetos de desenvolvimento industrial para promover a redução da pobreza. Foto: UNIDOA comunidade internacional se comprometeu a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) até 2015, e, em particular, para reduzir à metade a proporção de pobres do mundo. A redução da pobreza através de atividades produtivas apoia os esforços dos países em desenvolvimento enfrentar este desafio.

Para aumentar o impacto do desenvolvimento do setor privado na redução da pobreza, a UNIDO apoia os esforços dos países emergentes para melhorar o ambiente de negócios e estabelecer uma política e os fundamentos institucionais para um sector privado dinâmico.

A UNIDO, também, promove o empreendedorismo doméstico, e em especial o aperfeiçoamento das habilidades empresariais de grupos desfavorecidos. Além disso, a agência atua para ligar empresas nacionais aos investimentos internacionais e aos fluxos de tecnologia, facilitando o acesso a esses valiosos recursos e serviços que as pequenas e médias empresas necessitam para se tornarem mais competitivas.

2. Desenvolvimento de capacitação comercial

A capacidade dos países em desenvolvimento e países com economias em transição em participar do comércio global é cada vez mais fundamental para o crescimento econômico desses países.

Desenvolvimento econômico igualitário e sustentável. Foto: UNIDOO acesso das empresas desses países ao comércio internacional depende cada vez mais de sua capacidade de entrar nas cadeias de valor globais que são, normalmente, estabelecidas pelas corporações transnacionais. Por um lado, isso requer o trabalho do lado da oferta, permitindo que as empresas fabriquem produtos com alto potencial de exportação, nas quantidades e no nível de qualidade exigido pelos mercados.

Por outro lado, é necessário estar de acordo com as conformidades do mercado, garantindo que seus produtos estejam de acordo com as normas internacionais, em particular as exigências de compradores privados e requisitos técnicos.

Do lado da oferta, a UNIDO apoia as empresas nos seus esforços para oferecer produtos competitivos, seguros, confiáveis e de baixo custo nos mercados mundiais. Isso requer a identificação dos setores e produtos com maior potencial competitivo e os mais adequados para agregação de valor local, bem como analisar e avaliar as tendências no desempenho industrial a nível nacional, regional e global, e formular estratégias e políticas destinadas a melhorar a competitividade industrial para superar as barreiras técnicas de comércio e cumprir com normas sanitárias.

A UNIDO também auxilia países em desenvolvimento e economias em transição a atualizar seus processos de fabricação em setores com alto potencial de exportação para níveis internacionalmente aceitáveis e apoia a criação de consórcios de exportação, uma forma especializada de redes de pequenas e medias empresas, bem como elaboração e implementação de programas nacionais e regionais de capacitação baseado no comercio de commodities, em cooperação com parceiros internacionais como a OMC, ITC, FAO e CFC.

3. Energia e meio ambiente

A UNIDO reconheceu há muito tempo a importância de se abordar as questões ambientais, e que metodologias de produção mais limpa devem ser promovidas de forma sistemática no desenvolvimento industrial. O uso eficiente dos recursos requer uma perspectiva que deve considerar simultaneamente o seu o valor econômico e sustentabilidade ambiental.

Promoção das energias sustentáveis. Foto: UNIDOMelhorar a eficiência dos recursos se aplica também à energia, pois reduz emissões de gases de efeito estufa provenientes da extração e processamento de materiais, no transporte, eliminação de resíduos e no uso e produção da energia em si. Estratégias industriais de energia sustentável, como adoção de fontes de energia renováveis e eficiência energética, são, portanto, fundamental para enfrentar a mudança do clima colocando as economias no caminho de baixo carbono.

Neste contexto, a UNIDO presta assistência nas seguintes áreas:

  • Produção industrial eficiente e de baixo carbono;
  • Acesso à energia limpa para uso produtivo, e;
  • Capacitação para a implementação de acordos ambientais multilaterais.

No Brasil a UNIDO reabriu sua representação em 2010, e tem como principal objetivo usar sua experiência no campo de apoio aos países emergentes para promover a cooperação Sul-Sul. Atenta às mudanças na configuração industrial global, a UNIDO no Brasil se esforça para:

  • Envolver-se na implementação de projetos de cooperação técnica;
  • Ser um facilitador de parcerias Sul-Sul e de diálogos triangulares;
  • Ser um intermediário ou patrocinador de troca de conhecimentos entre países de regiões diferentes.

Acesse também o site www.renenergyobservatory.org