FIDA

Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) investe na população rural, empoderando-a para reduzir a pobreza, aumentar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e fortalecer a resiliência.

Desde 1978, fornecemos mais de US$ 18 bilhões em doações e empréstimos a juros baixos para projetos que beneficiaram cerca de 462 milhões de pessoas. O FIDA é uma instituição financeira internacional e uma agência especializada das Nações Unidas com sede em Roma – o centro mundial de alimentação e agricultura da ONU.

Operações em andamento no Brasil

As operações financiadas pelo FIDA no Brasil incluem seis projetos que beneficiam mais de 250.000 famílias e constituem um investimento superior a US$ 460 milhões sendo que seis projetos se encontram em execução e dois novos projetos estão em fase de desenho e expandirão as atividades do FIDA ao Maranhão e Pernambuco, gerando um investimento adicional de cerca de US$ 100 milhões e beneficiando outras 50.000 famílias rurais.

Com isso, o FIDA terá operações em todos os estados do nordeste. Dos projetos em execução, cinco são com os governos estaduais (Bahia, Ceará, Paraíba, Piauí e Sergipe) e um com o Governo Federal (segunda fase do Projeto Dom Hélder Câmara), incluindo sete estados do nordeste.

O Escritório do FIDA no Brasil está localizado em Salvador, na Bahia, na região foco de sua atuação, e portanto perto das operações no país.

Estratégia do FIDA no Brasil

Desde que começou a colaborar com o governo federal e os governos estaduais do Brasil nos anos 1980, o FIDA tem investido em atividades de desenvolvimento rural na região semiárida do Nordeste, conhecida como sertão.

Agora, está expandindo suas operações mediante dois novos projetos na área de transição entre a Amazônia e o Maranhão e no agreste e mata atlântica de Pernambuco. Isso levará o FIDA a atuar em todos os 9 estados do nordeste.

Maria do Carmo Vieira Araujo, 50, Ednalva Maria de Jesus, 31, e Dilma Jesus Panteleon, 40, descascam raízes de mandioca na Cooperativa na Aldeia Marcação Kiriri, perto de Ribeira do Pombal, no Estado da Bahia (12 de abril de 2016). O projeto permitiu mulheres a trabalhar, socializar, processar e vender os seus produtos de modo a sustentar a sua comunidade. O Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia (Projeto Pró-semiárido), cofinanciado pelo FIDA, tem trabalhado com o povo Kiriri para permitir que eles utilizem seu conhecimento tradicional e tradições como fundamento para construir seu sustento. Foto: IFAD/Lianne Milton/Panos

Maria do Carmo Vieira Araujo, 50, Ednalva Maria de Jesus, 31, e Dilma Jesus Panteleon, 40, descascam raízes de mandioca na Cooperativa na Aldeia Marcação Kiriri, perto de Ribeira do Pombal, no Estado da Bahia (12 de abril de 2016). O projeto permitiu mulheres a trabalhar, socializar, processar e vender os seus produtos de modo a sustentar a sua comunidade. O Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável da Região Semiárida da Bahia (Projeto Pró-semiárido), cofinanciado pelo FIDA, tem trabalhado com o povo Kiriri para permitir que eles utilizem seu conhecimento tradicional e tradições como fundamento para construir seu sustento. Foto: IFAD/Lianne Milton/Panos

Todos os projetos financiados pelo FIDA no país se concentram em apoiar e promover a agricultura familiar. O objetivo é aumentar a produção e a renda dos agricultores familiares facilitando seu acesso a serviços essenciais – capacitação, crédito rural e assistência técnica, com atenção especial às tecnologias adaptadas ao clima –, fortalecendo suas organizações e conectando-os aos mercados.

O FIDA trabalha para assegurar que os grupos mais marginalizados, como as comunidades indígenas e quilombolas, assentados da reforma agrária, mulheres e jovens, se beneficiem de seus projetos.

Um dos principais aspectos das operações apoiadas pelo FIDA no Brasil tem sido
a busca de inovações técnicas e boas práticas agrícolas que forneçam ferramentas apropriadas aos agricultores familiares para se desenvolver no ambiente desafiador do semiárido do Nordeste.

Os exemplos incluem: métodos orgânicos e agroecológicos de produção; coleta de água e tecnologias de conservação e metodologias de planejamento participativo para aproveitar as inovações e o conhecimento tradicional.

Ao longo dos anos, as lições aprendidas com operações financiadas pelo FIDA no Brasil foram compartilhadas com funcionários do governo, sociedade civil, setor privado e agricultores familiares mediante fóruns de diálogo sobre políticas e o Programa SEMEAR de gestão do conhecimento.

A formação de redes para ampliar as atividades é um aspecto importante do programa do FIDA no Brasil, que agora está expandindo sua rede de parceiros estratégicos entre agências de cooperação internacional, a ONU e instituições financeiras.

Confira mais detalhes clicando aqui.