Agência discute metas de desenvolvimento da ONU com jovens de 16 estados brasileiros

Em Brazlândia, no Distrito Federal, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) conversou com 80 estudantes de 16 estados do Brasil sobre o papel dos jovens no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável — as metas da ONU para combater a pobreza e as desigualdades sociais, promover saúde, educação e igualdade de gênero e preservar o meio ambiente.

O oficial de Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira (em laranja), conversou com os jovens sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Foto: Marista

O oficial de Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira (em laranja), conversou com os jovens sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Foto: Marista

Em Brazlândia, no Distrito Federal, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) conversou com 80 estudantes de 16 estados do Brasil sobre o papel dos jovens no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável — as metas da ONU para combater a pobreza e as desigualdades sociais, promover saúde, educação e igualdade de gênero e preservar o meio ambiente.

Durante o evento, que reuniu meninos e meninas do Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, o oficial de Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira, propôs um diálogo sobre empoderamento, participação política, solidariedade e protagonismo.

“Para que o jovem compreenda seu papel na sociedade, é preciso que ele tenha informações sobre direitos, (que eles) conheçam os instrumentos garantidores desses direitos e participem ativamente das decisões de seu entorno. Dessa forma, eles e elas poderão se enxergar como cidadãos e cidadãs e poderão incidir no desenvolvimento da sociedade”, afirmou o especialista.

Oliveira explicou como a ONU funciona e explicou que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável constituem um acordo global firmado em 2015 pelos países-membros das Nações Unidas. Esse acordo tem 169 metes que devem ser cumpridas até 2030 e que abordam temas como educação, miséria, fome, trabalho decente, direitos humanos, empoderamento das mulheres e meninas, mudanças climáticas e conservação da natureza.

Por meio de projetos e também do fortalecimento dos espaços de participação, o UNFPA contribui para o protagonismo e a liderança dos jovens em instâncias de deliberação e formulação de políticas para a juventude.

“Nossos esforços permitem que jovens desenvolvam habilidades e conhecimentos necessários para a participação política, tomada de decisão consciente em suas vidas sobre saúde, educação e ensino técnico profissionalizante, por exemplo. O jovem empoderado tem a capacidade de contribuir em suas comunidades e ajudar outros jovens que estejam em situação de vulnerabilidade”, ressaltou o oficial do fundo das Nações Unidas.

O incentivo à participação está entre as dez ações elencadas pelo UNFPA como essenciais para o investimento na juventude da América Latina e Caribe. A lista de medidas prioritárias é parte de um novo relatório sobre os 165 milhões de cidadãos entre dez e 24 anos de idade que vivem na região. Saiba mais sobre a publicação na matéria abaixo:

Fundo de População da ONU pede mais investimentos nos 165 milhões de jovens da América Latina e Caribe