Agência da ONU trabalha para conter surto de cólera que já afetou 248 pessoas no Níger

ACNUR, está fazendo esforços para conter o surto de cólera no Níger. Medidas como divulgação de mensagens sobre a saúde pública e o aumento da água potável nos campos estão sendo tomadas.

Campo para refugiados de Mangaize abriga 3 mil dos 40 mil refugiados do Mali no Níger. Foto: ACNUR/H.Caux

Campo para refugiados de Mangaize abriga 3 mil dos 40 mil refugiados do Mali no Níger. Foto: ACNUR/H.Caux

A agência das Nações Unidas para refugiados disse nesta terça-feira (21), que está trabalhando para conter a epidemia de cólera no Níger, que já deixou sete vítimas, incluindo dois refugiados do Mali, em um pouco mais de uma semana.

Ambas as vítimas estavam refugiadas no campo de Mangaize, que abriga 15 mil na região de Tillaberi. De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), 248 casos foram registrados na região de Tillaberi, 31 entre os refugiados nos campos de Mangaize e Tabareybarey.

“Estamos respondendo ao surto nos campos através da implementação de medidas emergenciais de saúde e saneamento. Junto com nossos parceiros, também estamos fornecendo soluções orais para a reidratação, sabão e comprimidos para purificação da água. No entanto, remédios são urgentemente necessários nos centros para o tratamento de possíveis novos casos”, disse a porta-voz do ACNUR, Melissa Fleming, a jornalistas em Genebra.

O ACNUR também está trabalhando na divulgação de mensagens sobre a saúde pública nos campos através de campanhas de sensibilização. As mesmas medidas estão sendo postas em prática para a comunidade local nos arredores dos campos.

“No momento, estamos reforçando nossa equipe com um coordenador regional de saúde, que chegou na segunda-feira (20), e vai trabalhar com as autoridades e parceiros em medidas adicionais para conter a epidemia na região”, disse Fleming.

O ACNUR notou que os surtos de cólera são recorrentes no Níger, um dos países mais pobres do mundo. O Níger hospeda atualmente cerca de 50 mil refugiados do Mali que fugiram dos conflitos.

No ano passado, uma epidemia de cólera afetou 5.287 pessoas e matou 110 em todo o Níger. A região de Tillaberi foi a mais afetada, com 4.792 casos e 87 mortes. Nenhum refugiado foi morto.