Agência da ONU pede ação de países europeus em meio a mortes de imigrantes no Mar Mediterrâneo

Mais de 260 pessoas morreram ou desapareceram em julho ao tentarem cruzar o Mar Mediterrâneo a caminho da Europa. Confira na matéria da TV ONU.

Mais de 260 pessoas morreram ou desapareceram em julho ao tentarem cruzar o Mar Mediterrâneo a caminho da Europa. Confira na matéria da TV ONU.

Foto: ACNUR

Foto: ACNUR

Em uma coletiva de imprensa nas Nações Unidas em Genebra, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) afirmou que os imigrantes africanos que chegaram na Sicília no mês passado, depois de uma dura viagem a partir da Líbia, têm falado sobre o “pesadelo” vivido no trajeto.

Até 180 pessoas foram mortas e os demais sofreram diversos tipos de maus-tratos promovidos por contrabandistas. Em um dos barcos havia inicialmente 750 pessoas, mas quando chegaram na Itália havia apenas 569.

A organização, que é parceira das Nações Unidas, diz que os contrabandistas ameaçavam os imigrantes, às vezes sob ameaça armada, para que ficassem no porão do navio, perto do motor. Eles não possuíam sequer coletes salva-vidas e muitos podem ter sido jogados no mar.

Na semana passada, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) pediu aos países da Europa uma atitude urgente reduzir o número de mortes de migrantes e refugiados, após mais de 260 pessoas terem morrido ou desaparecido, no mês de julho, ao tentarem cruzar o Mar Mediterrâneo a caminho do continente.

Confira nesta reportagem da TV ONU e saiba mais em http://bit.ly/WXgZ9p