Agência da ONU e Prefeitura de Manaus promovem maratona solidária #ComOsRefugiados

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Para estender a recepção e a solidariedade amazonense à população venezuelana e promover uma maior interação dos manauaras com refugiados e migrantes vindos do país vizinho, a Prefeitura de Manaus e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) promovem no próximo domingo (9) a primeira Corrida e Caminhada Manaus #ComOsRefugiados. Inscrições começam nesta quarta-feira (5).

Com a ajuda de sua mãe, a pequena Dorca, aluna Warao, prepara-se para ir ao Centro Municipal de Educação Infantil, em Manaus. Foto: ACNUR/João Paulo Machado

Com a ajuda de sua mãe, a pequena Dorca, aluna Warao, prepara-se para ir ao Centro Municipal de Educação Infantil, em Manaus. Foto: ACNUR/João Paulo Machado

Para estender a recepção e a solidariedade amazonense à população venezuelana e promover uma maior interação dos manauaras com refugiados e migrantes vindos do país vizinho, a Prefeitura de Manaus e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) promovem no próximo domingo (9) a primeira Corrida e Caminhada Manaus #ComOsRefugiados.

Além dos brasileiros, o evento contará com a participação de mulheres, homens e crianças venezuelanas que, após enfrentarem difíceis trajetórias de sua terra natal até a capital amazonense, estão estabelecidos na cidade e reconstruindo suas vidas com segurança e dignidade.

A partir das 7h da manhã, os participantes farão o tradicional percurso de 5 km do Parque Ponta Negra, um dos pontos turísticos mais conhecidos da capital amazonense. A concentração e a largada serão nas proximidades do anfiteatro.

As inscrições serão abertas nesta quarta-feira (5), a partir das 14h, no site da Secretaria Municipal da Juventude, Esporte e Lazer (Semjel) — acesse www.semjel.am.gov.br. Serão 1,5 mil vagas, sendo 200 destinadas para servidores da Prefeitura de Manaus e cem para pessoas com deficiência.

O kit do participante, contendo camisa e número de peito, será entregue no Centro Social Urbano (CSU) do Parque 10, zona Centro-Sul, na sexta-feira (7), das 9h às 16h. Os participantes que completarem o percurso ganharão medalhas personalizadas.

A caminhada e corrida #ComOsRefugiados também vai coletar alimentos para os venezuelanos acolhidos nos abrigos da Prefeitura e da Cáritas Arquidiocesana. Esses centros de residência têm o apoio do ACNUR e seus parceiros. O kit dos participantes será entregue mediante a doação de uma cesta básica composta por 1 kg de arroz, 1 kg de feijão, um pacote de 500g de macarrão, um pacote de 400 g de leite e um pacote 400 g de café.

No local do evento, serão montadas tendas para a venda de artesanato venezuelano, confeccionado por indígenas Warao e também por não indígenas – todos residentes em Manaus. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMMAS) também fará distribuição de mudas de árvores frutíferas e ornamentais.

A corrida e caminhada #ComOsRefugiados em Manaus tem o apoio da União Europeia. Por meio do seu Instrumento de Contribuição para a Estabilidade e a Paz (IcSP, da sigla em inglês), o bloco europeu tem promovido diferentes ações do ACNUR e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na resposta ao fluxo de venezuelanos para o Brasil, especialmente nos estados de Roraima e Amazonas. Entre as iniciativas, estão atividades que promovem uma convivência harmoniosa entre a população venezuelana e as comunidades de acolhida.

Participam também da organização do evento o Fundo Manaus Solidária (FMS) e as secretarias municipais da Mulher, Assistência Social e Cidadania (SEMASC), de Educação (SEMED), da Saúde (SEMSA), do Trabalho, Emprego e Desenvolvimento (SEMTRAD), de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (SEMAAC), de Limpeza Urbana (SEMULSP), de Comunicação (SEMCOM), Semjel, Semmas, institutos municipais de Planejamento Urbano (IMPLURB), de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans), Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Casa Militar, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Acolhimento em Manaus — Com a crescente chegada de venezuelanos à capital do Amazonas, tem aumentado a atuação da Prefeitura de Manaus e de organizações internacionais, como o ACNUR, União Europeia, UNFPA e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), na proteção das famílias que buscam a cidade como refúgio. Atualmente, o Executivo municipal mantém três casas de acolhimento localizadas nos bairros Coroado, Alfredo Nascimento e Centro, com aproximadamente 600 pessoas.

Estima-se que 3 milhões de venezuelanos já tenham saído de seu país de origem desde 2015. No Brasil, as autoridades relatam a entrada de mais de 176 mil venezuelanos em 2017 e 2018. Aproximadamente 90 mil saíram do território brasileiro, o que indica que cerca de 85 mil permanecem no país. De acordo com a Polícia Federal, em torno de 65 mil venezuelanos já solicitaram o reconhecimento da condição de refugiado no Brasil. Desses pedidos, 8 mil foram registrados em Manaus.

Em setembro de 2018, a Prefeitura de Manaus recebeu mais 180 venezuelanos não indígenas pelo Plano de Interiorização do Governo Federal. Por meio do acolhimento, os refugiados recebem alimentação, produtos de higiene e de limpeza, atendimento de equipe técnica (assistente social, psicólogo, sociólogo, saúde, educação).

Foi apresentado pelo município o Plano de Ação Humanitária para Atendimento do Fluxo Migratório Venezuelano que contempla o atendimento com a aquisição de alimentos, produtos de higiene, limpeza, manutenção do espaço, contratação de pessoal e aluguel de dois veículos. O Governo Federal sinalizou positivamente com o repasse de R$ 20 mil reais/mês para cada grupo de 50 pessoas.

Campo de refugiados em realidade virtual — Durante a caminhada e corrida #ComOsRefugiados, o ACNUR terá uma tenda para que o público conheça melhor a vida em campos de refugiados. Por meio de um óculos de realidade virtual (tecnologia conhecida pela sigla em inlgês VR), o público poderá explorar este ambiente e entender como as pessoas, especialmente as crianças, lidam com situações de extrema vulnerabilidade.

Histórico — Os primeiros registros de venezuelanos em Manaus foram feitos em dezembro de 2016, com a chegada de indígenas Warao à cidade. Iniciativas de assistência tiveram início em janeiro de 2017, com a identificação da população Warao pelos Centros de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), da pasta municipal dos direitos humanos.

Com o expressivo número de mulheres e crianças em situação de rua no Terminal Rodoviário da Cidade, intensificaram-se as reuniões interinstitucionais, em acordo com as recomendações do Ministério Público Federal (MPF). Ao longo do processo, o ACNUR forneceu apoio técnico à Prefeitura e ao governo do estado, financiando reformas de abrigos para melhorar a qualidade de vida da população venezuelana.

Em maio de 2017, foi assinado o Decreto 3.689, que declara situação emergencial social no município de Manaus, devido ao intenso processo de migração dos indígenas da etnia Warao, acampados em área pública e submetidos a circunstâncias de risco pessoal e social. A medida agilizou a liberação de recursos para o atendimento às famílias.

No final de 2017, todas as ações relativas a venezuelanos foram integralmente assumidas pela Prefeitura. Assim que os migrantes chegam a Manaus, passam por uma triagem e são encaminhados para uma das casas de acolhimento.

Cofinanciamento — Após viagem à Brasília (DF), em maio de 2017, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, garantiu recursos junto ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) para responder à situação de emergência dos indígenas Warao.

Um montante de 720 mil reais foi liberado pelo governo federal em 14 de julho, transferido do Fundo Nacional para o Fundo Municipal de Assistência Social. A injeção de recursos foi viabilizada por meio do Plano de Ação para Atendimento aos Indígenas Warao e Suas Famílias.

Reconhecimento internacional — No ano passado, Virgílio Neto recebeu do ACNUR um reconhecimento pelas ações municipais de acolhimento e apoio aos indígenas venezuelanos. O documento foi entregue pela então representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marques.

Contatos de imprensa:
Unidade de Informação Pública do ACNUR, brabrpi@unhcr.org, (61) 3044-5722 / (61) 98416-3044


Mais notícias de:

Comente

comentários