Agência da ONU e fundação do Qatar firmam parceria para educar 450 mil crianças deslocadas

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Fundação Education Above All firmaram neste mês uma parceria para levar ensino formal a mais de 450 mil crianças em situação de refúgio e deslocamento forçado. Cooperação vai beneficiar jovens em 15 países e deve disponibilizar 100 milhões de dólares para garantir que meninos e meninas estejam matriculados em escolas.

Refugiada somali em sala de aula num campo para deslocados na Etiópia. UNESCO trabalha para levar educação para todas as pessoas em todos os lugares. Foto: ACNUR/F. Courbet

Refugiada somali em sala de aula num campo para deslocados na Etiópia. Foto: ACNUR/F. Courbet

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Fundação Education Above All firmaram neste mês uma parceria para levar ensino formal a mais de 450 mil crianças em situação de refúgio e deslocamento forçado. Cooperação vai beneficiar jovens em 15 países e deve disponibilizar 100 milhões de dólares para garantir que meninos e meninas estejam matriculados em escolas.

Em visita a Kuala Lumpur, capital da Malásia, o chefe do ACNUR, Filippo Grandi, e a fundadora e presidente da Education Above All, a sheika Moza bint Nasser, do Qatar, conheceram um dos 131 centros de aprendizagem que as duas organizações já operam na nação asiática.

“É claro, pelo que eu vi aqui na Malásia, que a educação básica de qualidade pode realmente mudar a vida de uma criança”, disse Moza bint Nasser, apoiadora dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

“Equipar os refugiados com conhecimento e habilidades significa que eles poderão ser um ganho para seus países anfitriões e depois (poderão) apoiar a reconstrução de seus países de origem. Tenho orgulho do trabalho que está sendo feito aqui e agradeço à Malásia e ao seu povo por ajudar essas crianças a terem um futuro melhor.”

Em 50 países, a Fundação Education Above All e seus parceiros oferecem educação para mais de 7,5 milhões de crianças que estão fora da escola. Em torno de 2,3 milhões desses jovens são refugiados ou deslocados internos.

Na Malásia, país que acolhe mais de 167 mil refugiados, a organização ajuda mais de 9,4 mil crianças em situação de refúgio a frequentar centros de ensino. Mesmo com a assistência da instituição, mais de 6 mil crianças refugiadas, em idade para frequentar a educação básica, ainda estão fora da escola.

Moza bint Nasser lembrou que, no mundo, existem mais de 4 milhões de crianças refugiadas sem acesso à educação. “Peço que mais parceiros se apresentem. Todos nós precisamos fazer nossa parte para colocar mais crianças em salas de aula – que é o lugar delas.”

Filippo Grandi ressaltou que “a educação não apenas ajuda crianças a se recuperarem (de traumas associados ao refúgio), mas também estabiliza famílias, ajuda na integração local e dá esperança para o futuro”.

A nova parceria entre o ACNUR e a fundação terá apoio do Fundo do Qatar para o Desenvolvimento.


Comente

comentários