Agência da ONU e CGU discutem alternativas para combate à corrupção

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

A educação como ferramenta para o enfrentamento da corrupção no Brasil foi um dos assuntos discutidos durante reunião na quarta-feira (14) entre o representante regional do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Rafael Franzini, e o ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, em Brasília (DF).

Rosário e Franzini debateram a importância do fomento de uma mudança de cultura ética e do papel transformador da educação como fator estratégico nesse processo. O ministro mencionou os esforços que estão sendo empreendidos pela CGU no sentido de produzir material didático-pedagógico para ser compartilhado com alunos da rede pública do ensino fundamental e médio do Brasil.

Edifício da Controladoria Geral da União em Brasília (DF). Foto: pixabay/janio_df (CC)

Edifício da Controladoria Geral da União em Brasília (DF). Foto: pixabay/janio_df (CC)

A educação como ferramenta para o enfrentamento da corrupção no Brasil foi um dos assuntos discutidos durante reunião na quarta-feira (14) entre o representante regional do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Rafael Franzini, e o ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, em Brasília (DF).

Rosário e Franzini discutiram a importância do fomento de uma mudança de cultura ética e do papel transformador da educação como fator estratégico nesse processo. O ministro mencionou os esforços que estão sendo empreendidos pela CGU no sentido de produzir material didático-pedagógico para ser compartilhado com alunos da rede pública do ensino fundamental e médio do Brasil.

UNODC e CGU pretendem criar projeto na área de educação com o objetivo de desenvolver pesquisas aplicadas no campo de compliance (cumprimento às normas legais), integridade corporativa e enfrentamento às práticas de corrupção.

Também participaram do encontro o analista de programa do UNODC, Eduardo Pazinato, e o auditor federal de finanças e controle da CGU, José Ilo Rogerio de Holanda.


Mais notícias de:

Comente

comentários