Agência da ONU discute combate ao zika em programa do Canal Saúde

A representante-auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, participou na terça-feira (22) do Sala de Convidados, programa do Canal Saúde, com o objetivo de discutir o tema “A sociedade e as soluções para o zika”.

Durante o programa, Fernanda citou a campanha do UNFPA Brasil “Mais direitos menos zika”, que foca na necessidade de discutir os direitos de saúde reprodutiva das mulheres para um combate eficaz do vírus.

Mosquito Aedes aegypti é principal vetor do vírus da dengue, zika e chikungunya. Foto: UNICEF/BRZ/Ueslei Marcelino

Mosquito Aedes aegypti é principal vetor do vírus da dengue, zika e chikungunya. Foto: UNICEF/BRZ/Ueslei Marcelino

A representante-auxiliar do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Fernanda Lopes, participou na terça-feira (22) do Sala de Convidados, programa do Canal Saúde, com o objetivo de discutir o tema “A sociedade e as soluções para o zika”.

O programa também teve a participação do chefe de gabinete da presidência da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Valcler Rangel, e do coordenador da Feira de Soluções para Saúde, Wagner Martins.

Diante dos desafios causados pelo avanço do zika no país, a FIOCRUZ, em parceria com a Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde, criou o projeto “Plataforma de vigilância de longo prazo para o zika e a microcefalia no âmbito do SUS”, que pretende criar espaços de trocas de experiências e sugestões para o enfrentamento de zika, dengue, chikungunya, febre amarela e a seus vetores.

Durante o programa do Canal saúde, os convidados debateram a iniciativa e as próximas ações consideradas necessárias para o projeto. Fernanda citou a campanha do UNFPA Brasil “Mais direitos menos Zika”, que foca na necessidade de discutir os direitos de saúde reprodutiva das mulheres para um combate eficaz do vírus.

“A campanha foi construída como uma resposta para colocar as mulheres no centro da resposta brasileira. Organizações formadas por mulheres, jovens feministas, mulheres negras, num chamado convocado pelas Nações Unidas, participaram de um espaço em que constituíram uma sala de articulação para promoção dos direitos das mulheres e dos direitos de saúde reprodutiva”, disse Fernanda.

Assista ao programa completo: http://bit.ly/2vsQbP0.

 


Comente

comentários