Agência da ONU detecta novo tipo de gripe aviária no sudeste da Ásia

Conhecido como A(H5N6), o vírus foi detectado em aves na China, no Laos e Vietnã. Até o momento, só há um caso de pessoa infectada pela doença.

Foto: IRIN/David Swanson

Foto: IRIN/David Swanson

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) anunciou uma nova cepa, recém-surgida, do vírus da gripe aviária detectada em aves no sudeste da Ásia. O vírus apresenta uma ameaça à saúde animal e aos meios de vida da região e por isso deve ser monitorado de perto.

Conhecido como A(H5N6), o vírus até o momento foi detectado em aves na China, no Laos e Vietnã. A doença originária do A(H5N6) é altamente contagiosa entre galinhas, gansos e outras aves, que representam uma fonte de subsistência para milhões de famílias.

“O H5N6 é particularmente preocupante porque foi detectado em muitos lugares distantes um do outro e porque é altamente patogênico, o que significa que as aves ficam doentes rapidamente e, em 72 horas, o número de mortes é muito alto”, disse o representante chefe de veterinária da FAO, Juan Lubroth nesta segunda-feira (22).

Apenas um caso de infecção humana, seguida de morte, foi relatado até o momento na China. Conforme a epidemiologista da Organização Mundial da Saúde (OMS), Elizabeth Mumford, o fato de haver só um caso de pessoa infectada sugere que o vírus não é facilmente transmitido de animais para humanos. No entanto, advertiu que a situação deve ser monitorada porque a prevalência do vírus entre aves e, portanto, sua exposição entre humanos, pode aumentar no meses de inverno.

Como forma de prevenção contra o possível contágio, a FAO e a OMS recomendam às pessoas nessa região que sigam as medidas apropriadas de higiene e preparação de alimentos, como lavar as mãos, limpar os utensílios e superfícies durante a preparação de alimentos e comer produtos derivados de aves somente bem cozidos. Além disso, devem evitar manipular aves doentes ou aquelas que morreram por conta da doença.