Agência da ONU condena Sudão por deportação de mais de 300 eritreus

Refugiados e requerentes de asilo eritreus foram expulsos do Sudão na segunda-feira (17/10). ONU alega que o país desrespeitou acordo prévio.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) condenou o Sudão nesta terça-feira (18/10) pela deportação de mais de 300 refugiados e requerentes de asilo eritreus. As Nações Unidas alegam que o país desrespeitou um acordo que previa direitos aos refugiados.

“A deportação acontece apesar do acordo firmado entre o ACNUR e o Comissário sudanês para Refugiados. Os eritreus seriam transferidos para Cartum (capital do Sudão), onde seriam identificadas as pessoas com status de refugiado. Os outros teriam a oportunidade de apresentar pedido de asilo”, defendeu o porta-voz do Alto Comissário para Refugiados, Adrian Edwards.

Ele lembrou ainda que as deportações violam a Convenção das Nações Unidas de 1951 para Refugiados e o Ato de Asilo Sudanês de 1974.

Logo na chegada, os refugiados foram acusados de entrada e movimento ilegais no Sudão. Antes de serem deportados na última segunda-feira (17/10), eles foram detidos por semanas em Dongola, norte do país.