Agência da ONU celebra parceria com Fiocruz

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em sessão da Câmara dos Deputados para homenagear o centenário da morte do médico Oswaldo Cruz, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) celebrou na quarta-feira (9) a parceria com a fundação que leva o nome do sanitarista. Atualmente, a FIOCRUZ, a agência regional da ONU e também a Organização Mundial da Saúde (OMS) cooperam em diferentes setores para promover o bem-estar da população do Brasil e de outros países.

Maria Dolores Perez-Rosales, da OPAS, em cerimônia na Câmara dos Deputados que lembrou o centenário da morte de Oswaldo Cruz, marcado em 9 de agosto de 2017. Foto: OPAS

Maria Dolores Perez-Rosales, da OPAS, em cerimônia na Câmara dos Deputados que lembrou o centenário da morte de Oswaldo Cruz, marcado em 9 de agosto de 2017. Foto: OPAS

Em sessão da Câmara dos Deputados para homenagear o centenário da morte do médico Oswaldo Cruz, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) celebrou na quarta-feira (9) a parceria com a fundação que leva o nome do sanitarista.

Atualmente, a FIOCRUZ, a agência regional da ONU e também a Organização Mundial da Saúde (OMS) cooperam em diferentes setores para promover o bem-estar da população do Brasil e de outros países

“A OPAS/OMS se sente honrada em ter a fundação que leva o nome de Oswaldo Cruz como um Centro Colaborador para Políticas Farmacêuticas, para Educação de Técnicos de Saúde, para Saúde Pública e Ambiental, para Leptospirose e para Saúde Global e Cooperação Sul-Sul. Nossas instituições são parceiras há vários anos. Essa colaboração nos permite desenvolver ações que beneficiam milhões ou até mesmo bilhões de pessoas”, afirmou a representante adjunta da OPAS, Maria Dolores Perez-Rosales.

A OPAS/OMS apoia a FIOCRUZ na vigilância ambiental do vírus da pólio e no fornecimento de imunobiológicos para outros países, como é o caso da vacina contra a febre amarela.

Os laboratórios da instituição de pesquisa brasileira também determinam a cepa do vírus da influenza que circula no Brasil. Isso permite que a OMS tome as medidas necessárias para garantir a produção de vacinas eficazes em todo o mundo.

Além disso, o organismo internacional e a FIOCRUZ fazem parte do Microcephaly Epidemic Research Group (MERG), grupo de especialistas que está desenvolvendo um estudo caso-controle sobre aspectos da Síndrome Congênita do Vírus Zika. Os resultados preliminares dessa pesquisa já mostraram que há uma forte associação entre a microcefalia e a confirmação laboratorial de infecção pelo vírus zika.

“As nossas instituições também estão trabalhando juntas para o desenvolvimento de novas tecnologias de combate aos mosquitos causadores da dengue, zika, chikungunya e febre amarela, como o uso da bactéria Wolbachia, para torná-los incapazes de transmitir o vírus e a expansão de uma estratégia de disseminação de inseticidas por mosquitos”, lembrou Maria Dolores.

A representante destacou ainda que a OPAS/OMS e a FIOCRUZ treinam, juntas, profissionais de saúde dentro e fora do Brasil, por meio da ativação de redes de ensino. “Esses são apenas alguns exemplos dos frutos que nossa parceria tem rendido. Esperamos que os resultados de todo esse trabalho continuem a ser referência no mundo e que o Brasil continue a produzir mentes tão brilhantes como a de Oswaldo Cruz”, acrescentou a especialista.


Mais notícias de:

Comente

comentários