Agência da ONU apoia evento no IBGE sobre censo demográfico de 2020

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) promoveu na semana passada (2 a 4) no Rio de Janeiro (RJ) um encontro para discutir formas de melhorar a qualidade das informações coletadas para a realização do próximo censo demográfico no país, em 2020.

O evento, realizado em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE), reuniu instituições censitárias de vários países.

Representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, participou de atividade no IBGE, durante a qual ressaltou importância de estabelecer novas parcerias em prol da modernização dos sistemas estatísticos. Foto: UNFPA Brasil/Vinicius Monteiro

Representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, participou de atividade no IBGE, durante a qual ressaltou importância de estabelecer novas parcerias em prol da modernização dos sistemas estatísticos. Foto: UNFPA Brasil/Vinicius Monteiro

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) promoveu na semana passada (2 a 4) no Rio de Janeiro (RJ) um encontro para discutir formas de melhorar a qualidade das informações coletadas para a realização do próximo censo demográfico no país, em 2020.

O evento, realizado em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE), reuniu instituições censitárias de vários países.

Segundo o assessor de população e desenvolvimento do UNFPA, Vinicius Monteiro, a atividade visou estabelecer um intercâmbio de boas práticas e experiências com outros institutos nacionais de estatística de países em desenvolvimento.

“É uma excelente oportunidade de trocas com os técnicos de outros países, que têm a oportunidade de acompanhar a segunda etapa da prova-piloto e contribuir a partir desta observação e, ao mesmo tempo, estar em contato com conhecimentos e técnicas, desenvolvidas pelo IBGE, que é referência internacional na área”, disse.

A partir do caso prático da Segunda Prova Piloto do Censo 2020 do Brasil, o evento abordou diferentes aspectos de uma operação censitária e o aperfeiçoamento da metodologia de formação dos agentes recenseadores e da coleta dos dados.

Esta etapa de preparação para o censo destina-se a avaliar a compreensão dos quesitos pelos informantes, o tempo de aplicação do questionário, possíveis inconsistência de fluxo ou regra de crítica para atestar a funcionalidade do aplicativo de coleta.

O evento considerou a agenda de diálogo e as recomendações internacionais sobre a rodada 2020, bem como recomendações para um acompanhamento mais preciso da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável.

O representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, disse ser de fundamental importância consolidar as experiências e as redes já existentes.

“O exercício de compartilhar experiências, como o que foi realizado nestes três dias, contribui para o avanço em soluções inovadoras para desafios comuns enfrentados pelos países”, declarou.

“É de fundamental importância também estabelecer novas parcerias que busquem a consolidação dos avanços alcançados em prol da modernização dos sistemas estatísticos e melhoria contínua da qualidade”, completou.

Esta cooperação se enquadra como uma das atividades do Programa de Trabalho do Grupo sobre Censos da Conferência Estatística das Américas para o Biênio 2018/2019, bem como do Programa de Cooperação Sul-Sul Trilateral entre UNFPA e Go Brasil.

A atividade contou com a participação de representantes dos institutos de estatística de Argentina, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Costa Rica, Equador, México, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai, além de representantes de UNFPA, ABC e Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

Projeto de Cooperação Sul-Sul

No âmbito da parceria de Cooperação Sul-Sul trilateral Brasil-UNFPA, foi assinado, em dezembro de 2016, o projeto “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados na África”.

A iniciativa tem o objetivo de capacitar os institutos nacionais de estatística de Senegal e Cabo Verde na utilização de tecnologias de coleta eletrônica de dados, baseada na experiência brasileira.


Comente

comentários