Agência da ONU alerta que faltam recursos para programas de alimentação na Coreia do Norte

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, chegou nesta terça-feira (8) à Coreia do Norte, onde visitará escolas e creches que recebem doações de comida da agência da ONU. Por mês, o organismo internacional quer dar assistência nutricional para 650 mil mulheres e crianças no país asiático, mas projetos estão sem recursos.

Crianças de escola primária na Coreia do Norte comem alimentos fornecidos pelo PMA. Imagem de 2012. Foto: PMA/Rein Skullerud

Crianças de escola primária na Coreia do Norte comem alimentos fornecidos pelo PMA. Imagem de 2012. Foto: PMA/Rein Skullerud

O diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos (PMA), David Beasley, chegou nesta terça-feira (8) à Coreia do Norte, onde visitará escolas e creches que recebem doações de comida da agência da ONU. Por mês, o organismo internacional quer dar assistência nutricional para 650 mil mulheres e crianças no país asiático, mas projetos estão sem recursos.

“O PMA tem trabalhado na Coreia do Norte por mais de duas décadas, ajudando a fortalecer a segurança alimentar no país e a fornecer comida nutritiva para mulheres e crianças. Nesta semana, visitarei colégios e creches e conhecerei algumas das mães e dos jovens que o PMA está apoiando, além de entender as necessidades da operação que, a essa altura, está subfinanciada”, afirmou Beasley às vésperas da viagem oficial.

O chefe da agência da ONU também irá à capital Pyongyang, onde se reunirá com oficiais do alto escalão do governo norte-coreano.

Atualmente, o programa das Nações Unidas fornece cereais e biscoitos fortificados e altamente nutritivos, a fim de suprir as necessidades alimentares da população norte-coreana atendida por suas iniciativas. Lacunas orçamentárias levam a reduções nas porções de alimentos disponibilizadas. Em alguns casos, a ajuda é cortada integralmente.

A missão de Beasley à Coreia do Norte faz parte de uma série de visitas a países do Sudeste Asiático. Ao longo de maio, o diretor-executivo passará pela China, Japão e Coreia do Sul.

O PMA atua em mais de 80 países em todo o mundo, levando comida para cerca de 90 milhões de pessoas que enfrentam situações de conflito, desastres naturais e emergências humanitárias.


Mais notícias de:

Comente

comentários