Afeganistão: representante da ONU pede vigilância para garantir eleições seguras

A um mês das eleições parlamentares no Afeganistão, o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU no Afeganistão, Staffan de Mistura, declarou que a segurança será o maior desafio e pediu por vigilância extrema para garantir votações seguras.

Representante Especial do Secretário-Geral da ONU no Afeganistão, Staffan de Mistura. Foto: ONU.A um mês das eleições parlamentares no Afeganistão, o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU no Afeganistão, Staffan de Mistura, declarou que a segurança será o maior desafio e pediu por vigilância extrema para garantir votações seguras.

“Todos sabemos que os desafios de segurança serão um obstáculo significante e devemos assegurar que a fraca segurança em partes do país não seja usada para manipular os votos da população”, afirmou Mistura em um comunicado.

Os preparativos para as eleições de 18 de setembro estão em andamento. Mistura disse que está particularmente encorajado pelas campanhas de candidatura de mulheres, mas expressou preocupação com a “intimidação generalizada” às candidatas, os assassinatos de três candidatas e violências direcionadas a mulheres.

A ONU está fornecendo apoio técnico e logístico às eleições para evitar novas fraudes, que ocorreram no ano passado, segundo Mistura. “Operacionalmente e administrativamente a CEI (Comissão Eleitoral Independente) está no caminho certo. O apoio das Nações Unidas para as eleições foi como prometido”. Mistura, que chefia a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA), observou que é vital para as razões operacionais e para a credibilidade das eleições a publicação da lista de votos nesta quarta-feira (18). “Fazer esta lista pública um mês antes das eleições é essencial para a transparência do processo eleitoral”.

Ele estimulou os eleitores afegãos a acompanhar seus candidatos e suas mensagens para garantir que eles possam ter uma opinião formada e votar de modo consciente. “Essas eleições são as suas eleições. Seu voto é a decisão final nesse importante processo de determinar o futuro do país”, concluiu Mistura.