Adolescentes participam de workshop sobre alimentação saudável no Recife

Como comer bem e melhor? Com o desafio de responder essa pergunta, 50 adolescentes e multiplicadores de diferentes comunidades do Recife (PE) participaram na quinta-feira (30) de workshop no Centro Comunitário da Paz (Compaz) Escritor Ariano Suassuna. A atividade fez parte de um projeto desenvolvido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), por meio da Plataforma dos Centros Urbanos.

Cerca de 8% das crianças brasileiras de até 5 anos e 10% das crianças brasileiras de 5 a 9 anos estão acima do peso para a idade. O sobrepeso e a obesidade são frequentemente identificados em todos os grupos de renda, bem como em todas as regiões brasileiras. Em Pernambuco, a taxa chega a 11% e 12%, respectivamente, segundo dados oficias de 2017.

O sobrepeso e a obesidade são frequentemente identificados em todos os grupos de renda, bem como em todas as regiões brasileiras. Foto: EBC

O sobrepeso e a obesidade são frequentemente identificados em todos os grupos de renda, bem como em todas as regiões brasileiras. Foto: EBC

Como comer bem e melhor? Com o desafio de responder essa pergunta, 50 adolescentes e multiplicadores de diferentes comunidades do Recife (PE) participaram na quinta-feira (30) de workshop no Centro Comunitário da Paz (Compaz) Escritor Ariano Suassuna.

A atividade fez parte de um projeto desenvolvido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), por meio da Plataforma dos Centros Urbanos, com parceria estratégica da empresa de assistência médica Amil e parceira técnica do CEDAPS – Centro de Promoção da Saúde. A atividade também teve a parceria das secretarias municipais de Desenvolvimento Social e Direitos Humano, Educação, Saúde, Mulher e Segurança Urbana.

Realizado em três capitais brasileiras, Recife, Rio de Janeiro e Manaus, o projeto “Comer bem e melhor: promovendo alimentação saudável entre crianças e adolescentes” mobiliza adolescentes para que pensem sobre sua alimentação e, a partir daí, construam coletivamente conteúdos e estratégias para mobilizar mais adolescentes, numa perspectiva de educação entre pares.

Durante o workshop, os participantes debateram rotulagem de alimentos, alimentos in natura e ultra-processados, teor de açúcar, além de acessarem informações sobre feiras orgânicas e receitas regionais.

“Precisamos promover a alimentação saudável e assim prevenir o excesso de peso entre crianças e adolescentes”, disse Luciana Phebo, coordenadora nacional da Plataforma dos Centros Urbanos do UNICEF no Brasil.

Cerca de 8% das crianças brasileiras de até 5 anos e 10% das crianças brasileiras de 5 a 9 anos estão acima do peso para a idade. O sobrepeso e a obesidade são frequentemente identificados em todos os grupos de renda, bem como em todas as regiões brasileiras. Em Pernambuco, a taxa chega a 11% e 12%, respectivamente, segundo dados oficias de 2017.

Segundo Luciana, o país enfrenta uma grande mudança de padrão de consumo de alimentos, comprometendo a situação nutricional da infância e adolescência e promovendo o aumento das doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão e diabetes.

Alimentos industrializados – ricos em açúcar, sódio, gordura e pobres em nutrientes – tornaram-se parte da rotina alimentar. Ao mesmo tempo, há uma diminuição na prática de atividade física. “Com o projeto, convidamos os adolescentes para que reflitam como isso acontece no seu dia a dia e multipliquem o direito a uma alimentação saudável”, completa a coordenadora.

Plataforma dos Centros Urbanos

A Plataforma dos Centros Urbanos é uma iniciativa do UNICEF, em cooperação com governos e parceiros, para promover os direitos das crianças e dos adolescentes mais afetados pelas desigualdades existentes dentro de cada cidade. A iniciativa é realizada em dez capitais brasileiras e conta com a parceria estratégica da Amil e da RGE.