Adiamento das eleições no Haiti preocupa chefe da ONU, que pede transferência de poder pelas urnas

Partidos da oposição se queixaram dos resultados do primeiro turno. Uma Comissão analisa as preocupações. Enquanto isso, as eleições do segundo turno, marcadas para 27 de dezembro, foram adiadas sem previsão de realização.

Primeiro turno de eleições presidenciais no Haiti Eem 25 de outubro. Foto: MINUSTAH/Igor Rugwiza

Primeiro turno de eleições presidenciais no Haiti Eem 25 de outubro. Foto: MINUSTAH/Igor Rugwiza

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, expressou sua preocupação nesta terça-feira (22) com o crescimento da incerteza política no Haiti. O chefe das Nações Unidas instou os dois candidatos ao segundo turno a colaborarem para que o processo político avance.

Os resultados do primeiro turno foram publicados no dia 25 de outubro, mas, devido a queixas dos partidos de oposição, uma comissão de avaliação eleitoral foi estabelecida em 16 de dezembro para verificar essas preocupações.

Ban, no entanto, mostrou sua preocupação com o incumprimento do calendário eleitoral e com o processo democrático acordado, solicitando “responsabilidade de todos os atores políticos para desencorajar a violência e incentivar o espírito de unidade em todo o país.”

De acordo com a imprensa, o segundo turno aconteceria em 27 de dezembro entre Jovenel Moise, do partido do governo, e o ex-integrante do governo de René Préval, Jude Celestin. No entanto, até o momento, as eleições foram adiadas sem uma nova data para sua realização.

O chefe da ONU pediu “intensificação no diálogo” de forma a garantir que a transferência de poder aconteça nas urnas, dentro do prazo constitucional estabelecido, para manter a estabilidade e preservar os ganhos democráticos. Ele também reiterou o apoio da Missão da ONU para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) e do Sistema ONU ao processo democrático.