Acordo nuclear do Irã é ‘conquista da diplomacia multilateral’ e deve resistir a transições, diz chefe da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Para marcar os dois anos de assinatura do acordo nuclear do Irã, firmado em 14 de julho de 2015, o secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou no último sábado (15) os esforços do país para implementar os compromissos assumidos no âmbito do tratado. O dirigente máximo das Nações Unidas defendeu que os Estados-membros que integram a negociação devem continuar dando apoio ao mecanismo.

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Violaine Martin

Secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: ONU/Violaine Martin

Para marcar os dois anos do acordo nuclear do Irã, firmado em 14 de julho de 2015, o secretário-geral da ONU, António Guterres, elogiou no último sábado (15) os esforços do país para implementar os compromissos assumidos no âmbito do tratado. O dirigente máximo das Nações Unidas defendeu que os Estados-membros que integram a negociação devem continuar dando apoio ao mecanismo.

Em 2015, Irã, China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos chegaram a um consenso quanto às medidas necessárias para garantir que o programa nuclear do país do Golfo fosse exclusivamente de uso pacífico. O resultado foi o estabelecimento do Plano Abrangente de Ação Conjunta (JCPOA, na sigla em inglês), endossado pelo Conselho de Segurança da ONU.

“É do interesse da comunidade internacional que essa conquista da diplomacia multilateral resista a transições e a desafios de implementação, consolidando nosso compromisso coletivo com a diplomacia e o diálogo”, afirmou Guterres.

O secretário-geral acrescentou que o acordo “dá a todos nós esperança de que as questões mais complexas nesse domínio podem ser resolvidas através do entendimento e da cooperação”.

O chefe da ONU elogiou a renovação das garantias das partes em abril último para que o Plano seja implementado de forma eficaz. “Seu comprometimento duradouro é essencial para a viabilidade a longo prazo e para o sucesso do acordo”, disse Guterres.


Comente

comentários