ACNUR participa de ação para atender venezuelanos em Boa Vista

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Ação coordenada pelo Exército Brasileiro teve apoio do ACNUR, que registrou os abrigados, produziu cartões de acesso aos novos locais e forneceu itens de necessidades emergencial.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Venezuelanos que estavam acampados na praça Simón Bolívar, em Boa Vista, foram realocados neste domingo (6) para dois abrigos temporários na cidade. Em um trabalho coordenado pelo Exército Brasileiro e apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), cerca de 870 pessoas foram encaminhadas aos abrigos Latife Salomão e Santa Tereza.

Todos as pessoas abrigadas foram identificadas, cadastradas e imunizadas. O trabalho também recebeu apoio da prefeitura de Boa Vista.

A retirada das pessoas começou às 5h30 deste domingo, com fornecimento de café da manhã. O ACNUR fez o cadastro dos venezuelanos, confeccionou cartões de acesso aos abrigos e coordenou a divisão dos abrigados nas tendas, levando em consideração necessidades específicas e vulnerabilidades identificadas durante o processo de registro.

A Agência da ONU para Refugiados comprou kits de higiene e limpeza para os abrigadose forneceu bebedouros para os abrigos, além de prestar assistência técnica para o planjeamento dos locais.

A prefeitura de Boa Vista forneceu vacinas e alugou a área do abrigo temporário de Santa Tereza, para onde foi levada parte dos imigrantes.

Todos os abrigados receberão três refeições diárias, preparadas pela Força Aérea Brasileira (FAB) e pelo Exército. Os novos abrigados são formados majoritariamente por homens adultos, seguidos de mulheres adultas. Apenas 17 crianças foram realocadas neste domingo.

O acolhimento de venezuelanos em situação de vulnerabilidade é uma das linhas de atuação do Comitê Federal de Assistência Emergencial do Governo Federal, presidido pela Casa Civil. O governo também trabalha no ordenamento da fronteira e no auxílio ao deslocamento de venezuelanos que querem viver em outros estados brasileiros – o chamado processo de interiorização. Com base em dados do controle migratório, a Polícia Federal estima que cerca de 48 mil venezuelanos encontram-se atualmente em território brasileiro.

Informações colhidas por diferentes agências das Nações Unidas indicam que os venezuelanos estão deixando o país por várias razões, incluindo insegurança, violência, falta de comida, remédios e serviços essenciais e perda de renda devido à situação econômica do país.


Mais notícias de:

Comente

comentários