ACNUR: Mesmo em meio a conflito, Iêmen já recebeu 70 mil deslocados em 2015

Por outro lado, a agência da ONU para refugiados alertou que o país apresentou um recorde de deslocados internos, chegando a 2,3 milhões de pessoas – quase um em cada dez iemenitas.

Iemenitas fogem da capital Sanaa com suas famílias e alguns bens. Foto: Almigdad Mojalli/IRIN

Iemenitas fogem da capital Sanaa com suas famílias e alguns bens. Foto: Almigdad Mojalli/IRIN

O intenso conflito em curso no Iêmen não foi suficiente para impedir a ida de cerca de 70 mil deslocados para o país, disse nesta semana o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Adrian Edwards. Segundo agência da ONU, 264.615 refugiados estão no país, saindo principalmente da Somália e Etiópia.

O porta-voz da agência da ONU enfatizou que viajar para o Iêmen, especialmente via rotas marítimas, é arriscado. Foram registradas 88 mortes neste ano entre o Chifre de África e o Iêmen.

Por conta dos conflitos do país, mais de 121 mil pessoas deixaram o Iêmen rumo a países vizinhos desde março. O ACNUR e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) estimam que o número de deslocados internos do Iêmen chegou ao seu recorde – pouco mais de 2,3 milhões de pessoas, ou um em cada dez iemenitas.

O ACNUR forneceu itens de emergência para 147.386 pessoas desde março, mas a dificuldade de acesso aos afetados pelo conflito tem sido um problema para alcançar mais famílias. A agência da ONU pediu às partes envolvidas no conflito para proteger os direitos dos civis, incluindo refugiados e deslocados internos.