ACNUR: foto de migrantes afogados mostra necessidade de medidas de prevenção

Migrantes a bordo de trem que liga o México aos Estados Unidos (arquivo). Foto: OIM/Keith Dannemiller

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) disse nesta quarta-feira (26) estar profundamente chocada ao ver a devastadora foto dos corpos de Oscar Alberto Martinez Ramirez e de sua filha Valeria, de 23 meses, ambos de El Salvador, afogados nas margens do Rio Grande, na fronteira entre Estados Unidos e México.

Embora os detalhes permaneçam incertos, a agência da ONU afirmou que são inaceitáveis as circunstâncias que levaram à tragédia. “Menos de quatro anos depois de o mundo ter testemunhado o corpo sem vida de uma criança refugiada síria, Alan Kurdi, levado às praias do Mediterrâneo, somos novamente confrontados com uma poderosa evidência visual de pessoas morrendo durante suas perigosas jornadas através de fronteiras”.

“As mortes de Oscar e Valeria representam um fracasso em lidar com a violência e o desespero que levam as pessoas a trilharem jornadas perigosas pela perspectiva de uma vida em segurança e dignidade”, afirmou o alto-comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi. “Isso é agravado pela ausência de caminhos seguros para as pessoas buscarem proteção, deixando-as sem outra opção senão arriscar suas vidas”.

O ACNUR continua a pedir a todos os países da região que tomem medidas imediatas e coordenadas para evitar que novos casos como este ocorram. A agência da ONU também propôs maneiras de melhorar e fortalecer o processamento de casos de solicitação de refúgio nos Estados Unidos, incluindo as condições de detenção.

A agência da ONU se disse pronta para apoiar todos os governos da região a garantir que qualquer pessoa que necessite de proteção internacional a receba prontamente e sem obstruções.