ACNUR e Globo Livros promovem debate com professora síria para Dia Mundial do Refugiado

O livro “A Memória do Mar”, obra publicada pela Globo Livros e escrita por Khaled Hoseini, autor dos best sellers “O Caçador de Pipas”, “A Cidade do Sol e “O Silêncio das Montanhas”, será o tema da roda de conversa que a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) promove em São Paulo, no dia 17 de junho, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, em parceria com a Globo Livros.

Na mesma data, será inaugurada a exposição fotográfica “Faces do Refúgio”. Composta por 52 imagens feitas por fotógrafos do ACNUR em diferentes partes do mundo, a mostra será instalada dentro da livraria e ficará em cartaz até 28 de junho. O evento faz parte da programação para comemorar o Dia Mundial do Refugiado, celebrado em 20 de junho.

O livro “A Memória do Mar”, obra publicada pela Globo Livros e escrita por Khaled Hoseini, autor dos best sellers “O Caçador de Pipas”, “A Cidade do Sol e “O Silêncio das Montanhas”, será o tema da roda de conversa que a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) promove em São Paulo, no dia 17 de junho, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, em parceria com a Globo Livros.

Na mesma data, será inaugurada a exposição fotográfica “Faces do Refúgio”. Composta por 52 imagens feitas por fotógrafos do ACNUR em diferentes partes do mundo, a mostra será instalada dentro da livraria e ficará em cartaz até 28 de junho. O evento faz parte da programação para comemorar o Dia Mundial do Refugiado, celebrado em 20 de junho.

O debate contará com a participação de Rama Al Omari, professora síria que há pouco mais de dois anos está refugiada no Brasil. Rama foi forçada a deixar a Síria com suas filhas, na época com 3 e 5 anos, depois que sua cidade sofreu um bombardeio.

O representante do ACNUR Brasil, José Egas, também participará da roda de conversa, que terá mediação do jornalista e apresentador de televisão Pedro Bial. Além de ser o tradutor do livro, Bial tem uma afinidade com O tema. O jornalista é filho um casal de refugiados alemães que se conheceram no Brasil depois de deixarem a Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial em 1940.

“Essa é uma oportunidade muito especial. Depoimentos como o da Ramas são importantes para lembrar que a guerra na Síria continua colocando milhões de pessoas na condição de refugiadas e que elas têm o direito de buscar abrigo e proteção em outros países”, diz Jose Egas, representante do ACNUR no Brasil.

O livro “A Memória do Mar” será o fio condutor do debate. A obra é inspirada na história de Alan Kurdi, o menino sírio encontrado morto numa praia da Turquia depois que o barco em que estava com a família e outras centenas de refugiados, naufragou.

O autor do livro, Khaled Hoseini é um dos romancistas mais lidos de todo o mundo e foi nomeado Embaixador da Boa Vontade da Agência da ONU para Refugiados em 2006. O evento tem entrada franca, e o público poderá fazer perguntas ao final das apresentações.

Sobre o Dia Mundial do Refugiado

Desde 2001, o Dia Mundial do Refugiado é celebrado do dia 20 de junho, de acordo com resolução aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Para o ACNUR, a data é uma oportunidade para celebrar a coragem, a resistência e a força de todos os homens, mulheres e crianças forçados a deixar suas casas por causa de guerras, conflitos, perseguições e graves violações dos direitos humanos. Em busca de proteção, estas pessoas deixam tudo para trás – exceto a esperança e o sonho de um futuro mais seguro.

No mês de junho, o ACNUR organiza eventos para celebrar a data em diversas cidades do Brasil e lançará em São Paulo e Boa Vista (Roraima), no próximo dia 19, seu relatório “Tendências Globais” – com os últimos dados sobre o deslocamento forçado no mundo.

Conversa sobre Refúgio

Local: Livraria Cultura do Shopping Bourbon (R. Palestra Italia, 500, Piso 3 – loja 211)
Data: 17/6 (segunda-feira)
Horário: 19h30


Comente

comentários