ACNUR: Curitiba e Porto Alegre celebram Dia Mundial do Refugiado com oficinas e atividades culturais

Em Curitiba, oficina discutiu papel da imprensa na cobertura de pautas sobre refúgio e deslocamento forçado. Rodoviária da cidade recebeu exposição “Entre Mundos” com fotografias produzidas no Oriente Médio, Brasil e Haiti.

Em Porto Alegre, “Caminhada pela Paz” reuniu refugiados e migrantes que caminharam pelas ruas da capital até o Parque Farroupilha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em comemoração ao Dia Mundial do Refugiado, celebrado na última segunda-feira (20), o Instituto de Reintegração do Refugiado (ADUS) e a Assessoria de Direitos Humanos de Curitiba reuniram, na capital paranaense, jornalistas de veículos locais e autoridades para debater o papel da imprensa na cobertura de pautas sobre refugiados e deslocamento forçado.

A oficina “Mídia e Refúgio” contou com a participação da professora Danielle Annoni, da Cátedra Sérgio Vieira de Mello da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e de refugiados e migrantes da Síria e do Haiti. Advogado e jornalista, o sírio Amr Houdaifeh afirmou que os meios de comunicação precisam ser mais críticos em suas abordagens e buscar ouvir outras versões da mesma história.

Também presente, o prefeito curitibano, Gustavo Fruet, reconheceu a relevância da discussão. “Curitiba tem se posicionado fortemente na defesa dos direitos humanos e entendemos que temos que nos comprometer com a causa e oferecer o atendimento necessário. Reconheço a atuação de pessoas, muitas vezes anônimas, e de organizações que têm somado forças nessa temática”, afirmou.

Outra iniciativa da capital para festejar o Dia Mundial é a exposição fotográfica “Entre Mundos”, exposta na rodoviária da cidade. A exposição busca aproximar diferentes realidades e, assim como a oficina, quebrar preconceitos sobre refugiados e imigrantes que têm chegado à cidade.

São 30 imagens que refletem o olhar de seis fotógrafos sobre as pessoas forçadas a abandonar seus países, com registros realizados no Oriente Médio, Brasil e Haiti. A exposição fica na rodoviária até 1º de julho e depois segue para os principais terminais de ônibus da cidade: Santa Felicidade — do dia 1º ao dia 8 —, Santa Cândida — de 9 a 16 —, Boqueirão — de 16 a 22 — e Pinheirinho — de 24 a 31 de julho.

Porto Alegre também celebrou Dia Mundial

Também no sul do país, Porto Alegre contou com ações para celebrar a data internacional. A Associação Antônio Vieira (ASAV), em parceria com a Secretaria Municipal de Educação da capital gaúcha, promoveu uma palestra para professores.

O objetivo era apresentar os sistemas de proteção e integração dos refugiados aos docentes, que poderão multiplicar os conteúdos em suas atividades didáticas.

No domingo (19), uma “Caminhada pela Paz” reuniu refugiados e imigrantes para percorrer as ruas da cidade até o Parque Farroupilha. O evento contou ainda com rodas de conversas para que o tema do refúgio e questões sobre reassentamento fossem discutidos.

A iniciativa também acompanhou a instalação do Centro de Referência e Acolhida para Imigrantes (CRAI) em Porto Alegre. O estabelecimento do organismo consolida a relação tripartite entre governo estadual, municipal e organizações da sociedade civil, segundo um convênio assinado pelo Ministério de Justiça.
Por Michele Bravos e Miguel Pachioni