ACNUR ajuda crianças traumatizadas por terem saído da República Democrática do Congo sem os pais

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados abre centro de atendimento em Bundibugyo, Uganda, onde abriga em segurança crianças e adolescentes desacompanhados.

Jean segura registro de crianças desacompanhadas no Centro de Transição Bundibugyo. Foto: ACNUR/L. Beck

No recém-criado centro de transição na região oeste de Uganda, o órfão Jean de 15 anos, assustado e confuso, divide uma tenda com outros meninos congoleses que perderam os pais ou foram separados de suas famílias.

O abrigo especial para crianças desacompanhadas é parte do centro de transição Bundibugyo, aberto recentemente para oferecer proteção e assistência ao massivo influxo de civis fugindo dos conflitos entre as Forças Armadas da República Congo (RDC) e as Forças Democráticas Aliadas – um grupo rebelde ugandês – nas redondezas da cidade de Kamango, no leste da RDC.

Desde 11 de julho, mais de 66 mil pessoas procuraram abrigo em Uganda, partindo da província congolesa de Kivu do Norte, e mais de 5 mil foram transferidas para o campo na última terça-feira. Os recém-chegados precisam urgentemente de ajuda.

Este é o maior fluxo dos últimos anos colocou uma enorme pressão na cidade de Bundibugyo (com aproximadamente 21,6 mil habitantes) e no distrito ao redor (com 240 mil habitantes) no qual uma proporção significativa da população já é composta por refugiados.

O garoto Jean, cujos pais morreram por doenças quando ele tinha 9 anos, foi uns dos forçados a fugir. Nas primeiras horas do dia 13, ele correu de sua cidade à Kamango quando um dos seus vizinhos foi capturado por homens armados, torturado e morto na sua frente. O adolescente vivia com seu irmão de 18 anos, mas eles se separaram em meio à confusão.

Seguindo outras pessoas que fugiam do conflito, o menino acabou encontrando o caminho para a fronteira de Uganda. Quando Jean chegou à Uganda, teve que permanecer em uma escola construída em uma região montanhosa. No domingo (14), o Alto Comissariados das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e o gabinete do primeiro-ministro abriram o centro de transição em Bundibugyo, que aceitou um primeiro grupo de 300 pessoas.

“Tinha chovido”, lembrou. “Tinha tanta gente na escola que tivemos que ficar em pé, não pudemos dormir”, adicionou Jean, que é uma das 20 crianças desacompanhadas no centro. Elas recebem assistência especial, comida e têm um abrigo separado e seguro.

O centro de transição Bundibugyo está localizado a 28 km da fronteira e tem capacidade máxima para 20 mil pessoas. O ACNUR e os seus parceiros, incluindo a Cruz Vermelha ugandesa, estão encorajando as pessoas a se mudarem para o centro, onde é mais fácil prover assistência e proteção, especialmente para aqueles mais vulneráveis.

A maior parte dos refugiados prefere ficar na região da fronteira, cruzando-a durante o dia, esperando voltar para casa logo. Mas aqueles que pedem para serem transportados para Bundibugyo recebem comida quente, abrigo, colchonetes e mantas. O ACNUR e seus parceiros estão também construindo latrinas e organizando suplementos de água potável. Atualmente, há 5 mil refugiados no centro, e mais pessoas chegam a cada hora.

“Este é de longe o maior fluxo que vimos”, disse o assistente de campo Andrew Lubwana. “A questão sanitária e de higiene são nossas maiores preocupações no momento. Mas se as chuvas chegarem antes teremos problemas com doenças”, afirmou ele.

Jean e os seus novos companheiros estarão mais seguros em Bundibugyo do que nas montanhas. Porém muitos estão traumatizados pelos conflitos e preocupados com seus parentes. Jean se preocupa com o irmão, enquanto outro menino que mora na sua tenda, Jackson*, está muito preocupada com sua mãe cega.

Traumatizado, o garoto de 11 anos, vestindo um short azul rasgado, disse ao ACNUR que vivia com seu irmão e mãe do outro lado da fronteira, em Kivu do Norte. Quando as Forças Democráticas Aliadas atacaram a ele e a seu irmão Fred, de 13 anos, tomaram a difícil decisão de fugir, deixando sua mãe para trás, já que ela acreditou que não sobreviveria à jornada. Os irmãos não sabem o que aconteceu com ela.

Embora a fuga tenha terminado, meninos como Jean e Jackson enfrentarão muitos desafios, que incluem encontrar os parentes perdidos, tomar a decisão de retornar para casa ou voluntariamente se mudarem para um campo de refugiados em Uganda. No momento,eles estão felizes por estarem seguros e terem um teto sob suas cabeças.

*Os nomes foram alterados por razões de segurança

Por Lucy Beck em Bundibugyo, Uganda.