ACNUR abrirá campo de refugiados na Etiópia para somalis fugindo de conflitos

“O Governo etíope autorizou a abertura do sexto local e os terrenos para isso foram designados”, afirmou um porta-voz da agência da ONU para refugiados em Genebra.

Refugiada em Dollo Ado (ACNUR/L.Padoan)A agência de refugiados das Nações Unidas anunciou hoje (19) que vai abrir um novo campo na Etiópia à medida que o número de somalis que fogem do conflito e insegurança em seu país continua a crescer.

“Com as pessoas ainda chegando a Dollo Ado, o Governo etíope autorizou a abertura do sexto local e os terrenos para isso foram designados entre a cidade de Kole e campo de Kobe, cerca de 54 quilômetros ao norte do campo de Dollo Ado”, afirmou um porta-voz do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Andrej Mahecic, a jornalistas em Genebra.

“O custo de abertura do novo campo, a criação de serviços básicos e infraestrutura, incluindo instalações de educação, assistência médica e de armazenagem é de mais de US$ 5 milhões”, disse Mahecic. “Estamos buscando o apoio dos doadores e parceiros, incluindo recursos para parceiros de organizações não governamentais que trabalharão no campo”.

Para a fase inicial, o ACNUR precisa urgentemente de US$ 1,5 milhão para a preparação do local, demarcação de terras e a criação de infraestrutura básica, Mahecic acrescentou, observando que o terreno rochoso na área de Dollo Ado coloca desafios adicionais.

Situado no sudeste da Etiópia, Dollo Ado é o segundo maior complexo de refugiados do mundo — depois de Dadaab, localizado no Quênia. Na semana passada, de acordo com o ACNUR, a população em Dollo Ado ultrapassou a marca de 170 mil, com recém-chegados citando o medo de molestamento e recrutamento forçado por grupos armados que controlam grandes áreas rurais da Somália.