ACNUR: 6 fatos sobre os refugiados e migrantes venezuelanos

Famílias venezuelanas cruzam a fronteira do seu país com o Brasil para comprar comida e levar para casa. Foto: ACNUR/Victor Moriyama

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil reuniu seis fatos sobre a atual situação de refugiados e migrantes da Venezuela. Milhões de pessoas deixaram o país em crise, por diferentes motivos, incluindo insegurança, escassez de comida, ausência de serviços de saúde e medicamentos e até mesmo a perda de suas casas. Confira a lista preparada pelo organismo das Nações Unidas:

1. Maior êxodo na história recente da América Latina

Venezuelanos na praça Simon Bolívar, em Boa Vista, Roraima. Foto: ACNUR/Reynesson Damasceno

Mais de 3 milhões de venezuelanos deixaram seu país desde 2014, sendo que 2,4 milhões estão vivendo em países da América Latina e Caribe. Este é o maior êxodo na história recente da América Latina, e as pessoas continuam a deixar a Venezuela devido à violência, insegurança e falta de comida, remédios e serviços essenciais.

2. Peru, país que mais recebe venezuelanos

Refugiados e migrantes venezuelanos em Lima, no Peru. Foto: OIM

O Peru é hoje o maior país de acolhimento de refugiados na América Latina, com 156,7 mil pedidos de asilo desde 2014.

3. Venezuelanos no Brasil

Venezuelanos cruzam a fronteira para comprar alimentos no Brasil. Foto: ACNUR/Victor Moriyama

Desde 2015, mais de 85 mil venezuelanos procuraram a Polícia Federal brasileira para solicitar refúgio ou residência no Brasil.

4. Na fronteira entre Brasil e Venezuela

Centro de Recepção e Registro em Pacaraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela. Foto: ACNUR/Victor Moriyama

Em média, entre 150 e 200 venezuelanos passam por dia pelo Centro de Recepção e Registro em Pacaraima (RR), na fronteira do Brasil com a Venezuela.

5. Venezuelanos em Boa Vista e Pacaraima

Abrigo Nova Canaan, em Boa Vista, Roraima. Foto: ACNUR/ Victor Moriyama

Mais de 6 mil venezuelanos moram nos abrigos apoiados pelo ACNUR e parceiros em Boa Vista e Pacaraima, cidades do estado de Roraima.

6. Interiorização de venezuelanos no Brasil

Interiorização de venezuelanos no Brasil. Foto: Casa Civil/Governo Federal

Em 2018, 4 mil venezuelanos participaram do programa de interiorização, que busca ajudar os solicitantes de refúgio e de residência a encontrar melhores condições de vida em outros estados brasileiros. As famílias recebem CPF, carteira de trabalho e vacinas. E a chance de um futuro melhor.

O trabalho do ACNUR

Infelizmente, muitas famílias venezuelanas não têm recursos para se restabelecer de forma independente e moram em lugares inseguros até encontrar abrigo. O ACNUR trabalha junto com o Governo Federal, agências da ONU e parceiros para que essas pessoas sejam acolhidas e registradas.

O organismo internacional atua para garantir que os mais vulneráveis sejam protegidos com abrigo, assistência médica e documentos que lhes permitam acessar os serviços. O objetivo é assegurar que os venezuelanos não vivam em situações precárias, expostos e em risco.