ACNUDH e CIDH emitem nota sobre lideranças indígenas

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) divulgaram uma nota condenando os assassinatos das lideranças indígenas no Maranhão.

Os caciques Firmino Praxede Guajajara, da Terra Indígena Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da Terra Indígena Lagoa Comprida, foram atingidos por disparos de arma de fogo no dia 7 de dezembro em Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão. Outros dois indígenas estão gravemente feridos.

Membros do Conselho de Direitos Humanos precisam reforçar ligação entre direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento, disse Ban Ki-moon. Foto: ONU.

Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra. Foto: ONU

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) divulgaram uma nota condenando os assassinatos das lideranças indígenas no Maranhão.

Os caciques Firmino Praxede Guajajara, da Terra Indígena Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da Terra Indígena Lagoa Comprida, foram atingidos por disparos de arma de fogo no dia 7 de dezembro em Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão. Outros dois indígenas estão gravemente feridos.

A Comissão e o ACNUDH pediram que os órgãos competentes conduzam uma investigação completa e imparcial que leve à responsabilização dos autores do crime, além de assegurar a reparação das famílias das vítimas e as devidas garantias de não repetição.

A íntegra da nota está disponível aqui (em português).