Acesso ao local do acidente do avião malaio deve ser liberado imediatamente, diz secretário-geral da ONU

O secretário-geral da ONU pediu que as hostilidades na proximidade do local do acidente sejam suspensas para que equipes internacionais tenham acesso ao avião.

Boeing 777 da Malasyan Airlines. Foto: Laurent ERRERA/L’Union, France (Creative Commons)

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta quarta-feira (30), que ficou “profundamente perturbado” ao saber que as equipes forenses e de investigadores internacionais continuam impedidos de ter acesso ao local onde caiu o avião da Malaysia Airlines, em  Donetsk Oblast, no leste da Ucrânia. O avião foi derrubado  no dia 17de julho e o acidente matou 298 pessoas.

“O secretário-geral pede a todas as partes que suspendam imediatamente as hostilidades na proximidade do local do acidente para que as equipes internacionais tenham acesso ao local”, disse o porta-voz de Ban, pedindo aos grupos armados em conflito na região que garantam a integridade do local.

Ban lembrou que ainda há vítimas que não foram encontradas e que provas fundamentais para a investigação permanecem no local.

“As famílias das vítimas desta tragédia horrível merecem um desfecho e o mundo exige resposta. Equipes internacionais devem ser autorizadas a realizar seu trabalho”, acrescentou.

Ban e o Conselho de Segurança da ONU solicitaram uma investigação completa sobre o incidente do vôo MH17 logo após o ocorrido, porém, até o presente momento, as equipes não tiveram acesso ao local.