Acabar com o trabalho infantil pode ajudar na erradicação da pobreza, diz estudo da ONU

Maioria das crianças que trabalha na América Latina e Caribe está na agricultura. Causas variam desde a falta de oportunidades de trabalho e educação de qualidade até o sustento familiar.

Foto: Arquivo Agência Brasil

Foto: Arquivo Agência Brasil

Iniciativas que acabem com o trabalho infantil no campo podem ter uma influência muito positiva sobre a erradicação da pobreza na América Latina e no Caribe, indica o segundo relatório sobre o trabalho rural da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em conjunto com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com o documento publicado na quinta-feira (7), 48% das 12,5 milhões de crianças da região que trabalham estão na agricultura familiar ou de subsistência. Essa porcentagem varia de 61,5% na região andina, 42,7% na América Central e 38,4% no Cone Sul.

“A única solução real para evitar que as crianças trabalhem é avançar na erradicação da pobreza, da insegurança alimentar e da exclusão social”, explicou o representante regional da FAO, Raúl Benitez, que destacou que “em curto prazo existem medidas legais, de educação e sensibilização que os governos podem implantar para garantir que as crianças permaneçam nas escolas e não se exponham aos riscos do trabalho”.

Segundo o “Estudo sobre trabalho infantil para a América Latina e o Caribe, 2008-2011”, a agricultura é o setor em que as crianças mais trabalham, seguido pelo comércio (24%) e pelo de serviços (10,4%).

No campo, o trabalho infantil está mais presente nos cultivos de café, cacau, açúcar, soja, frutas e hortaliças. A pesquisa também afirma que esse problema ocorre devido à falta de oportunidades, pobreza, difícil acesso à educação de qualidade e a necessidade de gerar recursos para a sobrevivência da família.

A diretora regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco, reforçou que “a persistência do trabalho infantil agrícola revela que foram registrados poucos avanços no meio rural” e acrescentou que é importante “desenvolver estratégias especialmente planejadas para enfrentar a situação das crianças no campo, incluindo a geração de oportunidades de trabalho decente para seus pais”.

Por isso, o relatório assinala que os governos da América Latina e do Caribe devem avançar rumo à erradicação total do trabalho infantil na região, pois uma resposta que permita tirar as crianças do trabalho estará estreitamente vinculada à erradicação da pobreza, permitindo assim romper com o ciclo reprodutivo da miséria.