Abertas as inscrições para curso sobre programas sustentáveis de alimentação escolar

Em sua sexta edição, o curso já capacitou mais de 1,7 mil participantes com o apoio do Programa de Cooperação Internacional Brasil-FAO. Prazo é dia 31 de março.

Curso tem o objetivo de promover uma reflexão sobre as politicas nacionais para o fortalecimento do debate sobre a alimentação escolar.

Curso tem o objetivo de promover uma reflexão sobre as politicas nacionais para o fortalecimento do debate sobre a alimentação escolar.

Estão abertas até 31 de março as inscrições para o curso sobre programas de alimentação escolar sustentáveis, oferecido pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e pelo governo brasileiro.

O público-alvo é formado por gestores públicos, professores, estudantes, profissionais e técnicos das áreas relacionadas à alimentação escolar, segurança alimentar e nutricional, agricultura, saúde e educação dos países da América Latina e do Caribe.

O curso tem como objetivo promover uma reflexão sobre as politicas nacionais para a alimentação escolar no âmbito do desenvolvimento social, a partir de lições aprendidas com o Programa de Alimentação Escolar (PAE) brasileiro, e com base nos elementos que têm sido construídos com os diversos países da região ao longo dos últimos anos.

Mais de 1,7 mil pessoas já participaram das edições passadas (2011-2015). A sexta edição do curso “Alimentação Escolar: Desenvolvimento de Programas Sustentáveis” será, pela primeira vez, totalmente virtual (com tutor) e aberta aos interessados de todos os países da América Latina e do Caribe.

A capacitação será ministrada na língua espanhola, e terá início em 25 de abril de 2016, com uma carga horária total de 120 horas. As inscrições poderão ser feitas aqui.

Este ano, serão oferecidas 50 vagas, e o valor é de 250 dólares. O curso será realizado pelo Núcleo de Capacitação em Políticas Públicas do Escritório Regional da FAO.

“Os programas de alimentação escolar são uma importante intervenção de proteção social e de aplicação efetiva do direito humano à alimentação adequada. Além disso, são componentes-chave para garantir o acesso aos alimentos e para o processo de educação alimentar e nutricional”, disse a coordenadora regional do projeto Fortalecimento dos Programas de Alimentação Escolar, Najla Veloso.