A violência contra mulheres e meninas ‘envergonha todas as sociedades’, afirma diretor de agência da ONU

Centenas de mulheres deslocadas por conflitos na Somália ficam vulneráveis à violência sexual. Foto: OCHA/R. Maingi

“A violência contra mulheres e meninas, em todas as suas muitas formas, envergonha a todos”, declarou o diretor executivo do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC), Yury Fedotov, em Viena (Áustria), na abertura da 24ª Sessão da Comissão sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, que acontece entre os dias 18 e 21 de maio.

De acordo com o UNODC, mulheres e crianças continuam sendo assassinadas em grande número em todo o mundo. Em 2012, por exemplo, pelo menos 43 mil mulheres foram assassinadas por seus parceiros íntimos ou membros da família. Porém, estes crimes são o sinal mais visível e brutal do que está acontecendo com milhões de mulheres.

Muitas vezes fora de nossa visão, lembrou Fedotov, mulheres e meninas sofrem terríveis experiências diárias de violência. Tais experiências, incluindo a violência sexual, ocorrem na zona rural e em cidades, bem como em escolas, lugares de trabalho e, em especial, em casa.

“Também devemos reconhecer que, assim como nenhuma sociedade está imune a estes atos de violência, todos somos parte da solução”, ressaltou Fedotov, acrescentando que “não se deve permitir que nenhuma mulher ou menina se sinta isolada ou em perigo”.