A situação no Iraque continua piorando, alerta ONU

Nos últimos dias mais de 100 mil pessoas fugiram dos combate na cidade de Ramadi, na província de Anbar.

Pessoas fogem através de ponte do rio Eufrates, que liga a província de Anbar com Bagdá. Foto: ACNUR/G. O'hara

Pessoas fogem através de ponte do rio Eufrates, que liga a província de Anbar com Bagdá. Foto: ACNUR/G. O’hara

O alto comissário adjunto da ONU para os Refugiados, Volker Turk, acaba de retornar de uma viagem ao Iraque, onde 114 mil pessoas acabam de deixar a cidade de Ramadi, na província de Anbar, devido aos combates entre as forças governamentais e os grupos extremistas islâmicos, informou nesta terça-feira (21) a agência da ONU em Genebra (Suíça).

De acordo com o ACNUR, deste total, 54 mil foram para Bagdá, 15 mil para Sulaymaniyah – na região do Curdistão do Iraque – e o resto para Babilônia e Diyala. Cerca de 39 mil deslocados permanecem em Anbar, incapazes de fugir para mais longe.

A agência da ONU informou que os deslocados estavam exaustos e ansiosos para ir para locais mais seguros. Algumas pessoas tinham andado por quilômetros sem comida ou água.

“Muitas pessoas têm conseguido chegar a Bagdá nos últimos dias, mas relatórios sugerem que muitos deslocados estão tentando ir para a região do Curdistão do Iraque”, disse o porta-voz da entidade. Ele também informou que o ACNUR já distribuiu colchões, cobertores, utensílios de cozinha e kits de higiene para 8 mil pessoas em Amiriyat Al Fallujah e Bagdá; mais 12 mil receberão ajuda nos próximos dias.