Foto: FIDA/Panos Pictures/Lianne Milton

Fundo agrícola da ONU melhora a vida de indígenas na Bahia após 8 anos de investimentos

O sonho de estudar Medicina se tornará em breve uma realidade para Adriana Pantaleón dos Santos. Ela vem da comunidade indígena dos Kirirí, na Bahia, onde trabalha em uma usina de processamento de mandioca. Com o emprego, a jovem de 19 anos consegue guardar dinheiro para começar os estudos na Universidade Federal da Bahia (UFBA). A fábrica é resultado de investimentos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), que ajudou os indígenas a modernizar a produção da raiz.

FAO ajuda Bolívia a pedir financiamento internacional para projetos de água potável e irrigação

Em acordo firmado na quinta-feira (16) com o governo da Bolívia, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) se comprometeu a ajudar o país a solicitar verbas do Fundo Verde para o Clima para projetos de irrigação e fornecimento de água potável. Segundo a agência da ONU, pedido de financiamento chegará a 250 milhões de dólares e beneficiará as regiões do país mais afetadas pela seca.

Mãe e filha preparam mandioca em comunidade indígena próxima a Manaus. Foto: Banco Mundial/Julio Pantoja

PNUD premiará comunidades que promovem manejo sustentável de recursos naturais

Até 8 de março, a Iniciativa Equatorial — liderada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) — recebe indicações para o Prêmio Equatorial 2017, que reconhece soluções locais para desafios ambientais. A edição deste ano da premiação é voltada para comunidades indígenas e pequenos grupos de áreas rurais que encontraram métodos inovadores para proteger, restaurar ou promover o manejo sustentável de recursos naturais.

Inclusão de povos indígenas em negócios e redes de serviços financeiros é tema de estudo de especialistas da ONU. Foto: PNUD Brasil/Tiago Zenero

ONU recebe contribuições de povos indígenas para estudo sobre acesso a serviços financeiros

Até 12 de abril, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) recebe contribuições de populações indígenas para um estudo sobre boas práticas capazes de incluir povos originários nos negócios e garantir seu acesso a serviços financeiros. Documento também abordará desafios enfrentados pelos indígenas. Pesquisa está sendo realizada pelo Mecanismo de Especialistas sobre os Direitos dos Povos Indígenas da ONU.

Superlotação nos presídios é causa determinante para a disseminação da tuberculose, segundo especialistas. Foto: EBC

ONU: penas alternativas e ressocialização devem fazer parte do debate sobre sistema penitenciário

Debates sobre os problemas do sistema penitenciário brasileiro devem incluir temas como ressocialização e alternativas penais, em vez de focar apenas no encarceramento e na construção de mais cadeias. O alerta veio do representante para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Amerigo Incalcaterra, durante visita oficial ao Brasil encerrada na última sexta-feira (10).

Atenção à saúde da mulher é tema de chamada pública da OPAS e do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Foto: EBC

OPAS seleciona iniciativas que promovam saúde de mulheres vulneráveis

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Conselho Nacional de Saúde (CNS) recebem até 12 de março inscrições para o Laboratório de Inovação, iniciativa que reconhece práticas inovadoras na atenção integral à saúde das mulheres. Seleção de projetos tem foco em mulheres que vivem em situações de vulnerabilidade.

Podem participar do processo seletivo conselhos municipais e estaduais de saúde, organizações não-governamentais, movimentos sociais e também instituições públicas e privadas ligadas à pesquisa e que tenham produzido resultados práticos na atenção à saúde das mulheres.

Ministras e autoridades máximas de gênero de 23 países latino-americanos e caribenhos concluiram as consultas regionais, prévias à 61ª CSW. Foto: ONU Mulheres/Eduard Serra

Países da América Latina e Caribe pedem políticas que protejam as mulheres no mercado de trabalho

Na América Latina e no Caribe, políticas macroeconômicas devem combater o impacto da recessão sobre as oportunidades de trabalho para as mulheres. A recomendação é das autoridades máximas em igualdade de gênero de 23 países da região, que concluíram na quarta-feira (8) um encontro preparatório para a 61ª Sessão da Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres (CSW). A nível regional, 59% das mulheres estão empregadas em trabalhos informais.

Imagem: Divulgação / Prosa Positiva

Jovens ativistas lançam documentário para celebrar Dia da Visibilidade Trans

Em celebração ao Dia da Visibilidade Trans, comemorado todo 29 de janeiro, o grupo de ativistas Força-Tarefa Jovens Lideranças Zero Discriminação lança essa semana o minidocumentário Transvisão. Episódios da produção audiovisual estão sendo publicados diariamente na internet. Dois deles já podem ser vistos no canal do Youtube da página Prosa Positiva. Projeto é inspirado na iniciativa Zero Discriminação do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Integrantes do Sistema ONU no Brasil, do governo federal e de entidades da sociedade civil prestigiaram premiação de direitos humanos do Ministério da Justiça e Cidadania. Foto: ACNUR / Flavia Faria

Iniciativa da ONU com empresas e populações vulneráveis recebe prêmio do Ministério da Justiça

Por promover o envolvimento do setor privado com a defesa dos direitos humanos, incluindo a preparação de mulheres refugiadas para sua inserção no mercado de trabalho brasileiro, a Rede Brasil do Pacto Global recebeu na quarta-feira (14), em Brasília, o Prêmio Direitos Humanos 2016, concedido pelo Ministério da Justiça e Cidadania. Iniciativa da ONU foi reconhecida na categoria “Empresas e Direitos Humanos”.

Relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) lançado em abril apontou o Brasil como um dos oito países do mundo em que a insegurança alimentar severa atinge menos de 0,5% da população. Foto: EBC

Parlamento latino-americano adota lei modelo para promoção da agricultura familiar

Os membros do Parlamento Latino-Americano e Caribenho (Parlatino) aprovaram de forma unânime uma lei modelo de agricultura familiar que inclui recomendações e diretrizes para que os países fortaleçam esse setor-chave para a segurança alimentar, afirmou na segunda-feira (12) a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A lei foi votada em 3 de dezembro durante a 32ª Assembleia Geral do Parlatino realizada na Cidade do Panamá, e seu texto reconhece que “a agricultura familiar é chave para obter a erradicação da fome por sua capacidade de prover alimentos saudáveis e nutritivos para toda a população”.

Abelha no vale do Kerio, no Quênia. Foto: FAO/Dino Martins

Produção de alimentos depende de animais polinizadores sob risco de extinção, dizem especialistas

Setenta e cinco porcento dos alimentos cultivados dependem em alguma medida da polinização animal, fenômeno que mobiliza mais de 20 mil espécies de abelhas e também outros seres vivos, como moscas, borboletas, mariposas, vespas, besouros, pássaros e morcegos. Apesar do importante papel desempenhado por esses bichos, mais de 40% dos polinizadores vertebrados — e 16% dos vertebrados — estão sob risco de extinção global.

Foto: FAO

América Latina e Caribe precisam impedir degradação ambiental causada por produção agrícola, diz FAO

Atualmente, 37% da superfície da América Latina e Caribe é utilizada para atividades agropecuárias. Exploração acelerada dos campos e das florestas coloca recursos naturais sob pressão e região já responde por 14% da degradação global dos solos, alerta a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Agência da ONU divulgou diretrizes para que países tornem produção mais sustentável.

Homens armados entraram em março na casa de Berta Cáceres, localizada na cidade de La Esperanza, oeste do país, e mataram a ativista. Foto: goldmanprize.org

Ativista hondurenha Berta Cáceres recebe prêmio póstumo da ONU

Berta Cáceres, defensora comunitária dos direitos dos povos indígenas e da proteção do meio ambiente em Honduras, foi reconhecida postumamente com o prêmio ambiental mais importante das Nações Unidas.

Cáceres, que liderou uma longa luta contra a construção de uma hidrelétrica na terra de seu povo natal Lenca, foi assassinada no início deste ano. Sua morte provocou protestos internacionais e colocou em evidência a violência e a intimidação sofrida pelos ambientalistas em Honduras e em outros países latino-americanos.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Para dirigentes da ONU, inclusão de pessoas com deficiência está no centro da Agenda 2030

Em mensagens divulgadas nesta semana para o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, afirmaram que a inclusão destas pessoas faz parte dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que têm o propósito de não deixar ninguém para trás. A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência completa 10 anos.

Homens armados entraram em março na casa de Berta Cáceres, localizada na cidade de La Esperanza, oeste do país, e mataram a ativista. Foto: goldmanprize.org

América Latina é região mais hostil a ambientalistas, diz relator da ONU

A ambientalista hondurenha e defensora dos direitos indígenas Berta Cáceres foi assassinada em casa, em março deste ano, na frente de um amigo. Todas as ameaças que recebeu por anos se tornaram, então, realidade. Berta lutou a vida toda pelo direito dos povos Lenca de viver em um ambiente seguro e saudável em seu próprio país, Honduras.

O assassinato de Berta não foi um caso isolado. Em 2014, três quartos dos 116 casos de assassinatos de defensores do meio ambiente e dos direitos humanos ocorreram na América Central e na América do Sul, segundo relator das Nações Unidas.

Segundo a FAO, os países devem promover a participação das mulheres nos sistemas agroalimentares e nos processos de elaboração e tomada de decisões de políticas públicas de alimentação e nutrição. Foto: EBC

Países latino-americanos inserem questão de gênero no combate à fome

Apesar de os países latino-americanos terem avançado no combate à pobreza e à fome nos últimos anos, os benefícios não foram uniformes entre homens e mulheres. Dessa forma, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), elaborou um plano estratégico que insere a igualdade de gênero na luta contra as desigualdades econômicas na região.

Salazar resgatou uso de plantas medicinais cujos benefícios são comprovados pela ciência. Foto: OPAS

Cubano do Mais Médicos reduz uso de antibióticos em aldeia indígena ao resgatar plantas medicinais

Na aldeia Kumenê, no Oiapoque, indígenas consumiam antibióticos de forma inadequada e excessiva. Médico cubano Javier Isbell Lopez descobriu que hábito estava associado à história do local, onde missionários evangelizaram os habitantes e os convenceram de que a utilização de plantas medicinais era um tipo de ‘feitiçaria’ que devia ser banido. Reintrodução de ervas com benefícios comprovados pela ciência reduziu uso de medicamentos.