Resgate de migrantes náufragos provenientes da Nigéria, Paquistão, Síria, Sudão, Etiópia e Malásia na costa da Itália. Foto: ACNUR/D’Amato

UNODC: contrabando de migrantes afetou 2,5 milhões de pessoas no mundo em 2016

Ao menos 2,5 milhões de migrantes foram alvo de contrabando em 2016, de acordo com o primeiro estudo global sobre o tema, lançado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) nesta quarta-feira (13).

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), há milhares de mortes provocadas por atividades de contrabando de migrantes a cada ano. Muitos morrem afogados, enquanto outros morrem devido a acidentes ou condições extremas. Segundo os registros, o Mediterrâneo parece ser a rota mais mortal, com cerca de 50% do total de mortes.

Representantes do PNUD e parceiros apresentam publicação em português sobre papel de parlamentares no cumprimento das metas da ONU. Foto: PNUD/Guilherme Larsen

PNUD lança publicação sobre papel do Legislativo em promover objetivos da ONU

Em evento no Congresso Nacional, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou nesta semana (6) a versão em português da publicação “Papel dos Parlamentos na Implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, os ODS. Pesquisa apresenta casos em que o Legislativo contribuiu para promover a Agenda 2030 da ONU. Florianópolis, Barcarena, no Pará, e São Paulo são elogiadas por políticas municipais voltadas para as metas.

Para o UNODC, proteger os esportes da corrupção representa um investimento que traz claros benefícios econômicos e sociais. Foto: UNIC Tóquio/Takashi Okano

ONU e BRICS promovem conferência em Viena sobre combate à corrupção nos esportes

O Brasil e os demais países que fazem parte do grupo dos BRICS (Rússia, Índia, China e África do Sul) realizam até esta quarta-feira (6) conferência em Viena, na Áustria, sobre corrupção nos esportes. O evento de dois dias, fruto de uma parceria com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), reúne 250 participantes de 60 países.

Para o diretor-executivo do UNODC, Yury Fedotov, proteger os esportes da corrupção representa um investimento que traz claros benefícios econômicos e sociais.

Ambientes livres de cigarro protegem saúde da população. Foto: PEXELS

OMS ajuda Brasil a implementar protocolo de eliminação do comércio ilícito de tabaco

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) reuniu na segunda-feira (21) parceiros e especialistas internacionais para auxiliar o Brasil a se preparar para a implementação do Protocolo de Eliminação do Comércio Ilícito de Produtos do Tabaco. Esse documento deve ser ratificado até julho pelo país.

“O Brasil tem avançado muito no controle do tabaco, principalmente nas medidas para reduzir a demanda de seu consumo. Porém, a indústria continua prejudicando as políticas públicas de demanda ao controle e à oferta desse produto, que todos os anos tira milhares de vidas”, argumentou Katia Campos, coordenadora da Unidade de Determinantes da Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental da OPAS/OMS no Brasil.

Da esquerda para a direita: Javier Cortés, Tim Mohin e Carlo Pereira, secretário-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, durante o lançamento do documento “Estratégia ODS nas Empresas: Soluções e Oportunidades”. Foto: Fellipe Abreu

Pacto Global lança publicações para empresas brasileiras cumprir metas da ONU e combater corrupção

Em São Paulo, a Rede Brasil do Pacto Global lançou nesta semana (16) um guia para orientar empresas a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Em fórum que reuniu cerca de 400 representantes do setor privado, iniciativa também divulgou publicações sobre combate à corrupção e sobre o engajamento do setor elétrico na promoção da sustentabilidade.

Representantes de empresas contribuíram para o debate sobre anticorrupção. Foto: Pacto Global/Ricardo Jayme

Pacto Global debate papel de empresas, governos, ONGs e universidades no combate à corrupção

O combate à corrupção é uma responsabilidade da sociedade como um todo e, por isso, governos, empresas, universidades e ONGs devem se unir para buscar soluções ao problema. Essa foi a tônica do painel “Combate à Corrupção nas Empresas”, que reuniu representantes desses setores durante o Fórum Pacto Global – 15 anos da Rede Brasil, realizado na quarta-feira (16) no Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Casos de boas práticas de empresas como Fundação Renova, MRV, Unimed BH, Localiza e Siemens foram apresentados durante o workshop. Foto: FIEMG

Rede Brasil do Pacto Global promove workshop em MG sobre avaliação de riscos de corrupção

O combate à corrupção em todas suas formas está entre as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para engajar o setor privado em torno do tema, a Rede Brasil do Pacto Global, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), promoveu no início de abril (4), em Belo Horizonte, um workshop sobre avaliação de riscos de corrupção.

O treinamento é realizado com base no “Guia de avaliação de risco de corrupção”, produzido pelo Pacto Global da ONU e traduzido para o português pela Rede Brasil.

O FMI prevê crescimento de 2,3% para a economia brasileira este ano. Foto: EBC

FMI: demanda doméstica tem impulsionado retomada do crescimento na América Latina

O crescimento na América Latina e no Caribe está sendo retomado, graças à demanda doméstica mais forte. O ambiente global mais favorável também ajudou ao recuperar o preço das matérias-primas. Mas para garantir um crescimento mais durável com benefícios disseminados, a região precisa investir mais em setores-chave, como infraestrutura e educação, para impulsionar a produtividade no longo prazo, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) em relatório publicado na sexta-feira (11).

O secretário-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, Carlo Pereira. Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Fellipe Abreu

Número de signatários da Rede Brasil do Pacto Global sobe 8% em 2017

As principais atividades da Rede Brasil do Pacto Global no ano passado estão disponíveis no Relatório Anual 2017, divulgado no fim de abril (25). A publicação mostrou que a rede passou de 695 para 751 signatários no ano passado, um aumento de 8% frente a 2016.

O Pacto Global é uma iniciativa desenvolvida pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan com o objetivo de mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção, em suas práticas de negócios, de valores fundamentais e internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

Cerimônia de nomeação dos representantes dos Conselhos Regionais das Redes Locais. Foto: Rede Brasil do Pacto Global

Rede Brasil é eleita representante da América Latina em conselho do Pacto Global da ONU

A Rede Brasil foi nomeada representante da América Latina no Conselho Global das Redes Locais, uma das instâncias que compõem a nova estrutura de governança do Pacto Global da ONU.

O Pacto Global é uma iniciativa desenvolvida pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan com o objetivo de mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção, em suas práticas de negócios, de valores fundamentais e internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

O evento do Repórteres sem Fronteiras (RSF) teve a presença do diretor do UNIC Rio, Maurizio, Giuliano. Foto: UNIC Rio/ Luise Martins

Repórteres sem Fronteiras alerta para aumento do ódio ao jornalismo

O mundo passa por um momento de crescimento do ódio ao jornalismo e aos jornalistas, o que ameaça as democracias, diz a edição 2018 do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa. Os dados foram divulgados no fim de abril (25) pela organização Repórteres sem Fronteiras (RSF), em sete eventos simultâneos pelo mundo, incluindo um na sede do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), na capital fluminense.

Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Felipe Abreu

Rede Brasil do Pacto Global reúne construtoras em SP para discutir ações anticorrupção

A Rede Brasil do Pacto Global da ONU reuniu representantes de 15 construtoras de diversos estados brasileiros no início de abril (9) em São Paulo para discutir ações anticorrupção e formas de identificar comportamentos ilícitos dentro das empresas para prevenir a ocorrência de novos casos.

O encontro foi uma das etapas do Projeto Ações Coletivas, que será concluído com o lançamento, durante o Fórum Pacto Global 2018, em maio, de uma publicação de prevenção e combate à corrupção no setor.

Foto: ONU/Martine Perret

Relator da ONU critica condições de sistema penitenciário na Argentina

O relator especial da ONU contra a tortura, Nils Melzer, manifestou na sexta-feira (20) preocupação diante da situação do sistema de segurança e penitenciário da Argentina.

“As prisões e delegacias estão cronicamente superlotadas e as condições em muitos locais de detenção são claramente incompatíveis com a dignidade humana”, declarou.

“Embora haja diferenças significativas entre as instituições, estou realmente chocado com o fato de que, em alguns lugares, os prisioneiros estejam em celas infestadas de ratos e baratas. Muitos ficam confinados em um metro quadrado de espaço, e alguns dormem sem colchões, direto no cimento ou prateleiras de metal”.

Agências da ONU e empresas brasileiras estarão no Fórum Pacto Global 2018

Novos palestrantes estão com presença confirmada no Fórum Pacto Global – 15 anos da Rede Brasil, que ocorre em 16 de maio no auditório do Museu de Arte de São Paulo (MASP). O evento debaterá o panorama dos avanços e perspectivas da sustentabilidade corporativa desde o início das atividades do Pacto Global da ONU no Brasil, em 2003, até o contexto atual dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O FMI prevê crescimento de 2,3% para a economia brasileira este ano. Foto: EBC

FMI prevê crescimento de 2,3% para economia brasileira em 2018

A economia brasileira deve crescer 2,3% este ano e 2,5% em 2019, segundo projeções divulgadas na terça-feira (17) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). O avanço do país ficará pouco acima da média regional latino-americana e caribenha, cuja alta prevista para 2018 é de 2%. No ano que vem, os países da região devem crescer em média 2,8%, de acordo com relatório do organismo internacional.

Enquanto a economia mundial continua a mostrar recuperação, o documento alertou para a possibilidade de turbulências adiante, causadas pelo aumento do protecionismo ou por guerras comerciais.

O processo de urbanização na América Latina e no Caribe melhorou os indicadores de desenvolvimento, no entanto, as cidades ainda são espaços de desigualdades, segundo a CEPAL. Foto: ONU-Habitat/Lucille Kanzawa

Participação da sociedade civil latino-americana é indispensável para conquista da Agenda 2030

A ativa participação da sociedade civil é indispensável para a tomada de decisões, o planejamento e a aplicação de políticas que fomentem o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável na América Latina e no Caribe.

A opinião é de representantes de mais de 200 organizações não governamentais (ONG) de diversos países, autoridades e funcionários de organismos internacionais que se reuniram nesta terça-feira (17) na sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) em Santiago, no Chile, antes do Fórum dos Países da América Latina e do Caribe sobre o Desenvolvimento Sustentável, que ocorre este mês na cidade.

Setor têxtil é um dos que registra casos de trabalho análogo à escravidão no Brasil. Foto: EBC

Empresas brasileiras e OIT debatem medidas para combater trabalho forçado e infantil

Cerca de 40 representantes do setor privado reuniram-se em São Paulo, no Consulado Britânico, com o objetivo de debater o que empresas podem fazer para combater o trabalho forçado e infantil. Realizado pela Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas, a missão diplomática do Reino Unido e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), evento discutiu políticas de prevenção e estratégias de reparação para as vítimas de abusos.

Em comunicado, FMI sugere reforma da previdência e maior consolidação fiscal para Brasil retomar crescimento. Foto: Agência Brasil

ONU sugere que países latino-americanos reconquistem confiança nas instituições públicas para crescer

Três em cada quatro latino-americanos hoje mostram pouca ou nenhuma confiança em seus governos nacionais. A falta de confiança está aumentando na maior parte das regiões do mundo, e arrisca aprofundar a desconexão entre a população e as instituições públicas, prejudicando a coesão social e enfraquecendo o contrato social.

Reconectar as instituições públicas aos cidadãos ao responder melhor às suas demandas é, portanto, essencial para fortalecer o crescimento e o desenvolvimento sustentável na América Latina e no Caribe e para o bem-estar da população da região, de acordo com relatório elaborado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e outros organismos internacionais.

Um funcionário do ACNUR registra uma mulher e suas duas filhas. Para evitar múltiplas inscrições, o sistema identifica os refugiados através das suas impressões digitais. Foto: ACNUR/Frederic Noy (novembro de 2012)

ONU elogia esforços de Uganda para impedir corrupção nos programas de refugiados

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) elogiou as medidas tomadas pelo governo de Uganda para investigar alegações de irregularidades nos programas de refugiados do governo.

O primeiro-ministro de Uganda iniciou investigação após relatórios recebidos pelo ACNUR e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) denunciarem funcionários envolvidos em assistência aos refugiados por corrupção e má conduta.

Secretário-geral da ONU, António Guterres, se encontra com pessoas internamente deslocados em Bangassou, República Centro-Africana, em outubro de 2017. Foto: ONU/Eskinder Debebe

ONU amplia parceria com a União Africana; líderes discutem paz, segurança e combate à corrupção

Parceria com a União Africana vai envolver diálogo com Conselho de Segurança e países que contribuem com fundos e forças de paz. Secretário-geral da ONU, António Guterres, participou de Cúpula dos líderes africanos em Adis Abeba, onde assinou acordo ampliando a cooperação com a organização regional.

As situações urgentes são Sudão do Sul, República Democrática do Congo, República Centro-Africana e Mali. De acordo com a ONU, os respectivos mandatos devem ser mais específicos, além de apoiar soluções políticas e a proteção dos civis.

Daniel Canabrava é um dos brasileiros que participarão do Fórum da Juventude do ECOSOC. Foto: UNODC

Jovens brasileiros participam do Fórum da Juventude da ONU em Nova Iorque

Dois jovens brasileiros participarão do Fórum da Juventude do Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC), que será realizado em Nova Iorque nos dias 30 e 31 de janeiro. Lorenna Vilas Boas, de Salvador (BA), e Daniel Canabrava, do Gama (DF), são ex-alunos do Programa Embaixadores da Juventude, uma iniciativa do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). A dupla vai liderar uma atividade sobre mobilidade urbana organizada pela representação da agência da ONU no Brasil, que também comparecerá ao encontro.

Criança passa em frente a casa atingida por artilharia, em Bonetsk Oblast, no leste da Ucrânia. Foto: UNICEF/Gilbertson VII

ONU alerta para deterioração dos direitos humanos no leste da Ucrânia

No leste da Ucrânia, o recrudescimento das hostilidades provocou novas mortes e danos à infraestrutura local, incluindo instalações de armazenamento de água contendo substâncias tóxicas. Outro problema é a presença de minas e armamentos não explodidos, que ameaçam as vidas de 220 mil crianças.

Números são do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e do Fundo da ONU para a Infância (UNICEF).

Alfred Zayas, relator especial independente para a Promoção de uma Ordem Internacional Democrática e Justa. Foto: ONU/Amanda Voisard

Em visita a Equador e Venezuela, especialista recomenda maior cooperação com a ONU

De acordo com especialista das Nações Unidas, as iniciativas adotadas por Equador e Venezuela em áreas fundamentais como educação gratuita, serviços de saúde, habitação a preços acessíveis e combate à discriminação devem ser elogiadas pela comunidade internacional.

Por outro lado, o relator da ONU se mostrou preocupado com “problemas endêmicos que persistem”, incluindo pobreza, corrupção, desigualdade social, irregularidades eleitorais, repressão a opositores, entre outros.

Um menino caminha em um banco de areia em torno de um campo de refugiados em M'bera, na Mauritânia. Foto: UNICEF / Dragaj

UNESCO: Declaração dos Direitos Humanos chega aos 70 anos em meio a desafios crescentes

A Declaração Universal dos Direitos Humanos completará 70 anos no ano que vem em tempos de desafios crescentes, quando o ódio, a discriminação e a violência permanecem vivos, disse a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Audrey Azoulay.

“Centenas de milhões de mulheres e homens são destituídos e privados de condições básicas de subsistência e de oportunidades. Movimentos populacionais forçados geram violações aos direitos em uma escala sem precedentes. A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável promete não deixar ninguém para trás — e os direitos humanos devem ser o alicerce para todo o progresso.”

Anastasia Chairet, de sete anos, atravessa uma ponte improvisada após a passagem do furacão Irma pelas ilhas Turks e Cacos, no Caribe. Foto: UNICEF/Manuel Moreno Gonzalez

Desastres naturais podem levar população latino-americana à pobreza, diz Banco Mundial

No Caribe, pelo menos um país por ano é atingido por um ciclone ou furacão. Quando considerados todos os terremotos do mundo, mais de 25% deles com magnitude 8.0 ou maior ocorrem no oeste da América do Sul. Os números detalham um cenário mais amplo e alarmante — de 1970 a 2014, a incidência de desastres naturais na América Latina triplicou. Fenômenos extremos, segundo relatório do Banco Mundial divulgado nesta semana (29), podem levar a aumento da pobreza.

A população carcerária brasileira é a quarta maior do mundo em termos absolutos e já chegou a mais de 622 mil detentos, segundo dados do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça. Foto: EBC

ONU e PGR lembram importância de diferenciar usuários de traficantes de drogas

Reunião realizada na semana passada (13) entre a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e o representante regional do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Rafael Franzini, discutiu a importância de assegurar tratamento diferenciado para usuários e traficantes de drogas.

A procuradora-geral da República lembrou que o Ministério da Justiça trabalha na elaboração de uma resolução que trará parâmetros objetivos para assegurar a diferenciação entre usuários e traficantes, em cumprimento a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).