3ª Conferência Mundial da ONU sobre Redução de Risco de Desastres será realizada no Japão

Principal item na agenda da Conferência, anunciada para março de 2015, é criar um novo acordo para substituir o Quadro de Ação de Hyogo.

Prefeita de Sendai, Emiko Okuyama, e chefe da UNISDR, Margareta Wahlstöm, com o logo da Conferência. Foto: UNISDR

Prefeita de Sendai, Emiko Okuyama, e chefe da UNISDR, Margareta Wahlstöm, com o logo da Conferência. Foto: UNISDR

A Assembleia Geral da ONU anunciou que a 3ª Conferência Mundial sobre a Redução de Risco de Desastres será realizada em Sendai, no Japão, em 14 a 18 de março de 2015, estabelecendo o cenário para um novo acordo global sobre a redução do impacto de desastres.

O principal item na agenda da Conferência é um novo acordo para substituir o Quadro de Ação de Hyogo – aprovado na última conferência, em 2005. Espera-se que mais de 8 mil pessoas participem do evento, incluindo chefes de Estado, ministros, parlamentares, acadêmicos, ONGs e outros representantes da sociedade civil.

A chefe da Estratégia Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres (UNISDR), Margareta Wahlström, disse que “a 3ª Conferência Mundial nos oferece uma rara oportunidade de criar um acordo universal sobre como construir resistência às catástrofes em todos os setores da sociedade. É particularmente importante que tenhamos um foco urbano, já que aproximadamente 75% da população mundial estará vivendo em cidades até 2050”.

Em março de 2011, quando o terremoto de alta magnitude atingiu o Japão, gerando o tsunami que matou mais de 15 mil pessoas, Sendai, capital da província de Miyagi, na região de Tohoku, foi uma das cidades afetadas.

A prefeita de Sendai, Emiko Okuyama, revelou nesta quinta-feira (12) o logotipo da Conferência. Ela afirmou que “este logotipo foi desenhado por um designer local e representa pessoas que juntam forças para gerar ações”, acrescentando que está “ansiosa para sediar a Conferência e receber o mundo na região de Tohoku, que tem feito uma forte recuperação desde a tragédia de 2011”.