‘2015 representa oportunidade que só acontece uma vez em cada geração’, diz chefe do PNUD

Apesar da enorme volatilidade e da turbulência pelo mundo, esse ano oferece uma oportunidade única para erradicar a pobreza e para se chegar a um acordo para um caminho para o desenvolvimento sustentável.

A administradora do PNUD, Helen Clark, fala sobre as expectativas da agência para a agenda pós-2015. Foto: PNUD

A administradora do PNUD, Helen Clark, fala sobre as expectativas da agência para a agenda pós-2015. Foto: PNUD

A administradora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) afirmou que, apesar da enorme volatilidade e da turbulência pelo mundo, esse ano oferece uma oportunidade única para erradicar a pobreza e para se chegar a um acordo para um caminho para o desenvolvimento sustentável.

“No PNUD, consideramos 2015 como uma grande oportunidade para avançar em relação à agenda mundial para o desenvolvimento sustentável”, disse Helen Clark durante a sessão que abre o período de reuniões do Conselho Executivo do PNUD, em Nova York. “O prazo para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio expira ao final deste ano e os Estados-membros das Nações Unidas vão se reunir em setembro para entrar em acordo sobre os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que vão orientar as prioridades mundiais de desenvolvimento dos próximos 15 anos.”

Clark também mencionou que outros eventos podem serão decisivos para o desenvolvimento global: a terceira Conferência Mundial sobre a Redução de Risco de Desastres, que será realizada em Sendai em março; a terceira Conferência Internacional sobre o Financiamento para o Desenvolvimento, que ocorrerá em julho, em Adis Abeba; e, a Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança Climática, em dezembro, em Paris.

“Os resultados combinados desses importantes processos constituem uma oportunidade que se apresenta somente uma vez por geração para estabelecer uma agenda de transformação mundial para o desenvolvimento sustentável”, complementou.

Em sua declaração, a chefe do PNUD também descreveu o trabalho do PNUD em resposta às crises atuais em todo o mundo, como a crise dos refugiados nos países vizinhos da Síria e as crises na República Centro-Africana, no Sudão do Sul, na Ucrânia e em muitos outros.

“Por meio do nosso trabalho, nós buscamos prestar apoio a essas nações para que possam passar da fase de socorro para a fase de recuperação o mais rápido possível”, afirmou.

Clark ainda discutiu a implantação do novo Planejamento Estratégico do PNUD e as reformas que já estão sendo feitas para que a organização seja mais eficaz e eficiente.