12 projetos de inovação no Amazonas e Piauí são selecionados pelo PNUD

Entre os cerca de 80 projetos inscritos em edital do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD Brasil, 12 serão contemplados com 100 mil reais cada para ampliar, aprimorar ou dar continuidade a atividades que promovem o desenvolvimento sustentável no Amazonas e no Piauí.

Projetos selecionados incluem um circuito de turismo indígena do Rio Negro, no Amazonas, e uma cooperativa de mulheres artesãs de Poty Velho, no Piauí.

Circuito de turismo indígena do Rio Negro foi um dos projetos do estado do Amazonas selecionados. Foto: Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

Circuito de turismo indígena do Rio Negro foi um dos projetos do estado do Amazonas selecionados. Foto: Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

Com o objetivo de identificar experiências e metodologias de inovação alinhadas aos aceleradores ou às cadeias de produção locais, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil selecionou 12 projetos nos estados do Amazonas e do Piauí para receberem R$ 100 mil cada um.

Os recursos serão utilizados na ampliação, aprimoramento e continuidade das iniciativas, contribuindo para a promoção do desenvolvimento sustentável na região.

Impulsionando inovações sociais

Entre os cerca de 80 projetos recebidos no edital, publicado em novembro, seis foram selecionados em cada estado. Os critérios para a avaliação foram alinhamento ao tema; impacto social; replicabilidade da inovação; clareza metodológica da inovação; sustentabilidade da inovação; previsão de uso dos recursos recebidos e resultados alcançados.

“Essa iniciativa é o resultado de um processo articulado junto aos dois governos estaduais, ao setor privado, à academia e à sociedade civil, que se iniciou com uma ampla reflexão sobre os desafios do desenvolvimento e sobre potenciais ações aceleradoras desse desenvolvimento”, comentou o coordenador da área de Pessoas e Prosperidade do PNUD Brasil, Cristiano Prado.

Segundo o coordenador, a iniciativa passou pela inclusão dos aceleradores no Plano Plurianual (PPA) – plano de médio prazo que estabelece as diretrizes, objetivos e metas a serem seguidos pelo governo ao longo de quatro anos, e agora culmina na identificação de projetos concretos, da própria sociedade local.

“Projetos que têm o poder de levar transformação para a vida das pessoas na ponta, fortalecendo o desenvolvimento sustentável”, concluiu.

Piauí

No Piauí, os temas propostos foram: Governança; Educação inclusiva de qualidade; Empreendedorismo; Agricultura familiar inclusiva e produtiva; Conservação ambiental e Uso sustentável dos recursos naturais; Ambiente seguro e inclusivo; Igualdade de gênero e Empoderamento de mulheres e meninas; Cadeia das melíponas; e Cadeia do turismo.

  • Conheça os seis primeiros colocados:
  1. Aplicação da desidratação de alimentos na agricultura familiar de Teresina e região como ferramenta sustentável para agregar renda – Proponente Ecodrytec: aplicação de desidratação de alimentos em Teresina e região como ferramenta sustentável, buscando diminuir os níveis de desperdício e agregar renda à população, valorizando a agricultura familiar. A empresa tem como princípio a utilização de energias renováveis no processo de produção, e os desidratadores são totalmente movidos pela energia solar ou Biogás (para quando não há sol).
  2. C3 (Coletivo de Comunicação Cidadã) – Proponente Instituto Comradio do Brasil: Metodologia da Rede Social Digital que transforma as informações postadas pelos usuários do aplicativo em conhecimento categorizando por ODS, e sugerindo sinergias entre boas práticas que podem contribuir com a solução de problemas. Os dados são apresentados em mapas, gráficos e planilhas que auxiliam a tomada de decisão dos governos, organizações sociais e empresas. Já foi implementada, na forma de projeto piloto, na região do Semiárido Piauiense.
  3. Energia Solar para bombeamento de água no semiárido piauiense – Proponente Fundação Cultural e de Fomento à Pesquisa, Ensino, Extensão e Inovação (FADEX): difusão do uso de sistemas fotovoltaicos de bombeamento destinados à irrigação em localidades do semiárido piauiense não atendidas por energia elétrica, por meio do monitoramento do desempenho do sistema, capacitação dos recursos humanos das localidades a fim de se tornarem aptas a fazerem a manutenção do sistema, contribuição com a popularização da ciência e tecnologia no âmbito das energias renováveis no meio rural e disponibilização de novos modelos de mecanismos voltados para a agricultura familiar, favorecendo a melhoria das condições de vida das populações atendidas.
  4. Orgânicos Zabelê, Articulação entre a agricultura familiar inclusiva e produtiva e cooperação institucional para criação de uma plataforma de vendas de produtos orgânicos – Proponente Associação das Produtoras e Produtores Agroecológicos do Semiárido Piauiense: desenvolvimento de plataforma de vendas pela internet de alimentos orgânicos oriundos da agricultura familiar do Piauí, como ferramenta de inovação para viabilizar a ampliação de canais de comercialização da cadeia de produção.
  5. Mulheres Artesãs do Poty – Proponente Cooperativa de artesanato do Poty Velho: construção de uma cooperativa voltada às mulheres artesãs da comunidade de Poty Velho, que permitiu a atuação em toda a cadeia de produção do ofício, viabilizando capacitação, acesso a mercados e desenvolvimento de soluções aos problemas enfrentados pelas artesãs.
  6. No Clima da Caatinga – Proponente Associação Caatinga: mitigação de efeitos potencializadores do aquecimento global, adaptação climática de comunidades envolvidas,  proteção dos recursos hídricos, das florestas e do tatu-bola por meio de ações de conservação da Caatinga através de um modelo integrado de conservação desenvolvido om as comunidades.

Amazonas

No Amazonas, a chamada considerou as seguintes temáticas: Novas dinâmicas para promoção de polos de desenvolvimento; Gestão pública; Conservação ambiental e Uso sustentável dos recursos naturais; Estratégias para enfrentar a violência e a criminalidade; Cidadania plena para mulheres e meninas; Educação inclusiva e de qualidade; Cadeia do turismo; Cadeia das melíponas; e Cadeia do pirarucu.

  • Conheça os seis primeiros colocados:
  1. Circuito de turismo indígena do Rio Negro – Proponente Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN): implantação de um novo circuito de turismo, para além da pesca esportiva, incluindo indígenas locais em todo processo e fortalecendo a cultura e os saberes das comunidades indígenas.
  2. Coletivo do Pirarucu Manejado em Áreas Protegidas do Amazonas – Proponente Associação dos Produtores Rurais de Carauari (ASPROC): comercialização de Pirarucu manejado por um coletivo, garantindo valor mínimo e criação de marca com forte valor agregado acionando postos de venda que ainda não comercializam o produto.
  3. App Castanhadora – Proponente Instituto Internacional de Educação do Brasil: aplicativo que calcula preço e tempo ótimo de venda de castanhas que será disponibilizado para as comunidades locais.
  4. Cientista Maker – Proponente Associação FAB LAB Manaus: capacitação dos alunos de ensino fundamental na cultura maker digital.
  5. Descarte Correto, Transformando o resíduo eletrônico em benefícios econômicos e socioambientais – Proponente  Descarte Correto Serviço Ambiental LTDA: beneficiamento de lixo eletrônico em novos produtos.
  6. Educação contextualizada, agroecologia e políticas públicas na Terra Indígena Andirá Marau do povo Sateré-Mawé – Proponente Associação Slow Food do Brasil: articulação de trabalho educacional de agroextrativismo com indígenas e resgate de saberes tradicionais para garantir a segurança nutricional desta população.