11,4 milhões de pessoas ainda enfrentam insegurança alimentar na região do Sahel, alerta ONU

Coordenador humanitário da ONU para a região, Robert Piper disse que as crises estão se tornando mais frequentes e a população não está conseguindo se recuperar.

Mães e seus bebês esperam pela ajuda alimentar em uma maternidade no Níger. Foto: PMA/Rein Skullerud

Mães e seus bebês esperam pela ajuda alimentar em uma maternidade no Níger. Foto: PMA/Rein Skullerud

A região do Sahel na África Ocidental continua enfrentando uma séria crise alimentar e nutricional e 11,4 milhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar, alertou o coordenador humanitário regional da ONU para o Sahel, Robert Piper.

“Crises na região estão se tornando mais frequentes. Elas estão ficando cada vez mais perto uma da outra e, como resultado, as pessoas estão encontrando cada vez mais dificuldade para se recuperar antes que a próxima crise chegue”, disse ele em uma entrevista coletiva em Nova York na terça-feira (11).

A região do Sahel é composta pelos países Burkina Faso, Camarões, Chade, Mali, Mauritânia, Níger, Senegal, Gâmbia e Nigéria.

A comunidade humanitária pediu 1,7 bilhão de dólares esse ano para ajudar os milhões de necessitados na região, que ainda se recupera da crise que afetou cerca de 18 milhões de pessoas em 2012. Até agora, apenas 36% do financiamento necessário foi recebido.

De acordo com Piper, “muitas coisas deram certo em 2012”. Os doadores responderam rapidamente, os governos dos países reconheceram o problema logo no início, a ONU se mobilizou e o Fundo Central de Resposta de Emergência da organização (CERF) desembolsou rapidamente a ajuda necessária.

Região do Sahel da África, que se estende desde o Oceano Atlântico até o Mar Vermelho. Foto: Wikimedia Commons

Região do Sahel da África, que se estende desde o Oceano Atlântico até o Mar Vermelho. Foto: Wikimedia Commons

“Nós realmente estamos ficando melhores na resposta a esses tipos de crises humanitárias em larga escala”, afirmou. “Mas, claro, o verdadeiro objetivo tem que ser o de reduzir a demanda por esse tipo de resposta humanitária.”

Apesar da melhora no nível das chuvas e nas projeções de colheita para 2013, Piper disse que a comunidade internacional se encontra em uma região que ainda está em crise e que vem lidando com um enorme número de refugiados e pessoas deslocadas internamente.

Ele acrescentou que a região abriga algumas das pessoas mais vulneráveis do mundo. O Níger ocupa o último lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, enquanto o Chade é do 184º e o Mali é 182º da lista de 186 países.